Topo

PEC 37 e Copa são alvos de protestos nas principais capitais; BH e Salvador têm confrontos

Do UOL, em São Paulo*

2013-06-22T19:49:34

2013-06-23T01:39:57

22/06/2013 19h49Atualizada em 23/06/2013 01h39

A PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 37 e a Copa do Mundo foram os principais temas de protestos realizados nesta sábado (22) nas principais capitais do país. Houve registros de confrontos e atos de vandalismo em Belo Horizonte, onde ocorreu a maior manifestação de hoje, e em Salvador, palco do duelo entre Brasil e Itália pela Copa das Confederações.

Belo Horizonte

Na capital mineira, os manifestantes se concentraram na praça Sete de Setembro, no centro, e saíram por volta de 13h30 em passeata até os arredores do Mineirão, onde México e Japão se enfrentaram pela Copa das Confederações.

De acordo com a Polícia Militar, cerca de 125 mil pessoas participaram do protesto, cujas motivações principais foram a PEC 37 --proposta que limita o poder de investigação do Ministério Público e deve ser votada em julho no Congresso-- e os gastos com a Copa do Mundo. Militantes LGBT e professores também integraram o protesto.

Qual deve ser o principal tema dos próximos protestos no Brasil?

A manifestação ocorreu de forma pacífica até as proximidades do estádio, quando a PM e a Força Nacional de Segurança entraram em confronto com os manifestantes. De acordo com o coronel Carvalho, comandante da PM, havia um acordo com as lideranças para que a marcha passasse pela avenida Antônio Carlos e seguisse para a lagoa da Pampulha. Porém, algumas pessoas tentaram romper o cordão de isolamento jogando pedras e outros objetos, segundo a polícia, o que deu início ao confronto. 

"Desta vez, se foi uma minoria que começou, ela conseguiu comover boa parte dos manifestantes. O conflito foi generalizado", afirmou o comandante, antes de citar que vários litros de gasolina usados para fabricação de coquetel molotov foram apreendidos. 

A situação ficou ainda pior quando parte do público presente no protesto se dirigiu para a avenida Abrahao Caram, e a polícia disparou mais de 20 bombas para dispersar os manifestantes. Um membro da cavalaria se feriu com uma das bombas e foi levado para o hospital.

Entre os prédios depredados no meio da confusão estava um edifício da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Alguns manifestantes invadiram uma área da universidade e roubaram mudas de árvores de um projeto de reflorestamento para montar barricadas. Além disso, concessionárias da Hyundai e da Kia Motors tiveram seus vidros e móveis totalmente destruídos.

Pelo menos sete policiais e 20 pessoas ficaram feridas após confronto entre policiais e manifestantes na região da Pampulha.

À noite, houve quebra-quebra também na praça Sete de Setembro, onde lojas e bancos foram depredados e saqueados. O chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, Cylton Brandão, informou que 22  pessoas já foram presas até o momento após os confrontos em Belo Horizonte. Segundo Brandão, estão em curso investigações para tentar identificar os autores de vandalismo para instaurar inquéritos policiais. A polícia estimou em 500 o número de manifestantes que praticaram atos de vandalismo.

Assista à íntegra do pronunciamento da presidente Dilma realizada no sexta (21)

Até o momento, seis pessoas feridas deram entrada no pronto-socorro Risoleta Neves, em Venda Nova, de acordo com a assessoria do hospital. Ao menos duas pessoas caíram do viaduto José Alencar. Uma delas despencou com o peito no joelho e teve também fratura exposta em um dos punhos.

Salvador

O forte esquema de segurança montado pela polícia de Salvador, aliado ao baixo comparecimento de interessados, fez com que as duas principais manifestações de protesto marcadas para a cidade neste sábado (22) desistissem de tomar o rumo da Fonte Nova, onde jogam Brasil e Itália, pela Copa das Confederações.

Ainda assim, a PM usou bombas de gás na praça em frente ao Shopping Iguatemi, na avenida Tancredo Neves (uma das regiões mais movimentadas da cidade), onde os manifestantes protestavam. Pontos de ônibus ficaram quebrados e lixeiras depredadas. 

Em outro confronto com a PM, no bairro dos Barris, duas pessoas foram detidas e um adolescente foi apreendido neste terceiro dia de protestos em Salvador, suspeitos de portarem coquetéis molotov. Com os manifestantes, foram apreendidos garrafas contendo álcool e gasolina, luvas, máscaras de gás, estilingues, bolas de gude e bolas de gude.

Os suspeitos Hebert Rodrigues Lima, 22, Caíque Matos Amorim, 20, e um adolescente de 17 anos estavam em frente à Biblioteca Pública do Estado da Bahia, e foram conduzidos à 7ª DT (Delegacia Territorial), no Rio Vermelho. 

Segundo a delegada Jussara Souza, titular da DT, o material inflamável estaria na mochila do adolescente, que teria assumido a posse dos artefatos. O jovem foi ouvido na DAI (Delegacia para o Adolescente Infrator), em Brotas.

O jovem foi autuado por ato infracional equivalente aos crimes de vandalismo e danos ao patrimônio e encaminhado ao Ministério Público.  

Já os dois adultos teriam negado relação com o material, mas segundo a polícia, vão responder por corrupção de menor e podem pegar até quatro anos de prisão. O crime é afiançável. 

O trio é suspeito ainda de portar panfletos contendo “ofensas a autoridades”. O conteúdo das ofensas, no entanto, não foi divulgado. 

Em depoimento à delegada Jussara Souza, da 7ª DT, Hebert e Caíque negaram qualquer relação com os coquetéis molotov ou responsabilidade sobre os panfletos, alegando que o material informativo havia sido recebido de um grupo que o distribuía durante a manifestação. 

O UOL tentou contato com os suspeitos, mas até o momento eles não tinham advogados os representando.

Já na avenida Sete de Setembro, no centro da cidade, outros dois manifestantes, que não tiveram os nomes divulgados, teriam sido flagrados no momento em que tentavam assaltar uma loja de calçados. Os dois suspeitos foram conduzidos para a 14ª Delegacia Territorial (Barra). 

São Paulo

Na capital paulista, protesto contra a PEC 37 reuniu cerca de 30 mil pessoas, segundo estimativa da Polícia Militar. Os manifestantes começaram a se aglomerar na avenida Paulista, em frente ao Masp (Museu de Arte de São Paulo), por volta de 14h.

De lá, saíram em caminhada pela avenida Paulista e rua da Consolação, que foram interditadas nos dois sentidos. Procuradores da República, servidores e estagiários participaram do protesto. Por volta de 18h30, os manifestantes ocupavam vias do centro velho da capital. De acordo com a PM, não foram registradas ocorrências.

Um grupo de manifestantes fechou por 1h uma das pistas da via Anhanguera, em Jordanésia.

No início da tarde, um grupo de aproximadamente 350 professores da rede municipal, segundo a PM, protestou na avenida Celso Garcia, na zona leste de São Paulo. Apenas uma faixa da avenida foi interditada. Por volta de 15h, cerca de 60 motociclistas, segundo a PM, protestaram em frente à Assembleia Legislativa do Estado, que fica na avenida Pedro Álvares Cabral, zona sul da capital. Não houve interdição do tráfego.

Rio de Janeiro

Manifestação contra a PEC 37 levou comerciantes de Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro, a fecharem as portas na tarde deste sábado. A Polícia Militar reforçou a segurança no local com um veículo blindado, o "caveirão" da PM, mas não divulgou o efetivo empregado. A imagem do veículo estacionado foi divulgada em redes sociais, porém a assessoria da corporação afirma que os agentes da Tropa de Choque e do Bope (Batalhão de Operações Especiais) estão aquartelados.

O protesto, acompanhado por homens do 14º BPM (Bangu), segue pacífico até o momento. Segundo informações da rádio "CBN", aproximadamente 200 pessoas participam do ato.

O dia também foi de protestos no Leblon, na zona sul da cidade, onde manifestantes acampam desde o fim da tarde de sexta-feira (21) em frente à casa do governador do Estado, Sérgio Cabral. Pacificamente, o grupo cobra do político explicações sobre os gastos públicos com a reforma do Maracanã e outras obras da Copa do Mundo de 2014.

Brasília

Na capital federal, houve três protestos com motivos distintos: Marcha das Vadias, Marcha do Vinagre e PEC 37.

A Marcha das Vadias, que protesta contra o machismo e a opressão à mulher, começou às 14h e que reuniu cerca de 3.000 pessoas. Já a Marcha do Vinagre, convocada para ironizar a apreensão de vinagre durante protestos em São Paulo e em outras cidades, contou com cerca de 1.000 manifestantes, segundo a PM.

Marcha das Vadias pelo Brasil e pelo mundo
Marcha das Vadias pelo Brasil e pelo mundo
$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','60860+OR+52593', '')

No final da manhã, cerca de 1.000 protestaram contra a PEC 37 na Esplanada dos Ministérios. Já no final da tarde, manifestantes que participaram da Marcha do Vinagre voltaram a protestar, agora com críticas ao pronunciamento de Dilma realizado ontem. Alguns dos presentes soltaram rojões e outros entraram no espelho d’água do Congresso Nacional.

Outras cidades

No Recife, cerca de 200 protestaram contra a PEC 37 na avenida Agamenon Magalhães, uma das principais da cidade. Também houve protesto contra a proposta em Fortaleza, onde 250 pessoas se reuniram no Parque do Cocó.

Em São Luís, cerca de 5.000 manifestantes fizeram uma caminhada nas ruas da região central para protestar por uma série de temas. Grades foram colocadas pela Polícia Militar na rua de acesso ao Palácio dos Leões, sede do governo, o que impediu a passagem dos manifestantes ao local, como era previsto. Palavras de ordem contra o governo são cantadas.

Um homem tentou roubar um celular de uma jovem na ponte São Francisco e acabou cercado por manifestantes. Com medo de ser linchado, ele devolveu o celular e se jogou da ponte. Ele acabou resgatado pelo helicóptero do Corpo dos Bombeiros, segundo informações de "O Imparcial". Não foram registrados atos de vandalismo.

Pela manhã, houve pequenos protestos contra a PEC 37 em Goiânia e em Curitiba. Em Teresina, também de manhã, uma manifestação terminou com o apedrejamento da casa oficial do governo do Estado. Cerca de 2.000 pessoas foram às ruas em Mossoró (a 278 km de Natal) nesta manhã para protestar contra a violência. A manifestação contou com a participação do comando de policiamento da cidade.

No Rio Grande do Sul, a ponte internacional que liga Uruguaiana e Paso de Los Libres, na Argentina, foi bloqueada por cerca de mil manifestantes, segundo a Polícia Rodoviária Federal. Em Santa Maria, 30 mil pessoas protestaram contra os gastos da Copa, pela redução da tarifa do transporte público, corrupção e também cobraram justiça para vítimas e sobreviventes da tragédia da Boate Kiss.

*Com Anderson Sotero, de Salvador

OS PROTESTOS EM IMAGENS (Clique na foto para ampliar)

  • Manifestante tenta invadir a sede da Prefeitura de São Paulo, na região central da cidade

  • Carro de TV Record é incendiado em frente à Prefeitura de São Paulo durante protestos

  • Manifestante corre ao lado de estabelecimento comercial em chamas no centro de São Paulo

  • PM espirra spray de pimenta em manifestante durante protesto no Rio

  • Em Brasília, manifestantes conseguiram invadir a área externa do Congresso Nacional

  • Milhares de manifestantes tomam a avenida Faria Lima, em SP

  • Após protesto calmo em SP, grupo tenta invadir o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo

  • Manifestantes tentam invadir o Palácio Tiradentes, sede da Assembleia Legislativa do Rio

  • Um carro que estava estacionado em uma rua do centro do Rio foi virado e incendiado

  • Cláudia Romualdo, comandante do policiamento de Belo Horizonte, posa com manifestantes

Protestos se espalham pelo Brasil
Protestos se espalham pelo Brasil
$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','52727+AND+29229+AND+5109', '')

Mais Cotidiano