Topo

Em favela, papa pede mundo mais justo e solidário: 'sempre se pode colocar mais água no feijão'

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, no Rio

2013-07-25T11:58:27

2013-07-25T13:51:09

25/07/2013 11h58Atualizada em 25/07/2013 13h51

Em discurso na favela de Varginha, zona norte do Rio de Janeiro, na manhã desta quinta-feira (25), o papa Francisco apelou para que as pessoas se esforcem para que o mundo seja mais justo e solidário. O pontífice usou uma expressão popular no Brasil para demonstrar que é possível ser solidário. “Sei bem que quando alguém precisa comer e bate em suas portas, vocês sempre dão um jeito de compartilhar comida. Como diz o ditado, sempre se pode colocar mais água no feijão”, afirmou.

“E vocês sempre fazem isso com amor, mostrando que a verdadeira riqueza não está nas coisas, mas no coração. O povo brasileiro, em especial as pessoas mais simples, podem dar ao mundo uma grande lição de solidariedade, que é uma palavra frequentemente esquecida. Porque incomoda, parece quase um palavrão", disse o pontífice no discurso, feito sob um palco montando em um campo de futebol da comunidade.

Francisco pediu aos jovens não desistam de lutar por mais igualdade por conta de casos de corrupção. "Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias que falam de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício. Também para vocês e para todas as pessoas repito: nunca desanimem, não percam a confiança, não deixem que se apague a esperança. A realidade pode mudar, o homem pode mudar."

No discurso, feito sob um palco montando em um campo de futebol da comunidade, diante de uma multidão de fiéis que acompanhavam as palavras de Francisco sob chuva. O pronunciamento foi o que mais tocou em questões sociais entre os que o papa já fez na Jornada Mundial da Juventude. O pontífice também se dirigiu a governos e à elite para que se mobilizem por um mundo menos desigual.

“Queria pedir a todos que tem mais recursos, às autoridades públicas e todas as pessoas comprometidas com a justiça social. Não se cansem de trabalhar por um mundo mais justo e solidário. Ninguém pode permanecer insensível às desigualdades que persistem. Que cada um saiba dar sua contribuição para acabar com as injustiças sociais."

O líder máximo da Igreja Católica disse que seu desejo “era poder visitar todos os bairros” do Brasil e que escolheu a favela para representa-los. “Queria bater em cada porta, dizer bom dia, pedir um copo de água fresca, beber um cafezinho... Um copo de cachaça não!”, brincou.

Em seguida, o pontífice criticou a cultura do individualismo e pediu para que as pessoas “não vejam no outro um concorrente ou um número, mas um irmão”.

Papa ganha faixa do time de coração

O papa Francisco chegou por volta de 10h50 desta quinta-feira (25) à favela de Varginha, que fica no complexo de Manguinhos, na zona norte do Rio de Janeiro. Na comunidade, antes de discursar, fez uma breve oração em uma pequena capela, chamada São Jerônimo Emiliani, e, sob garoa, caminhou entre fiéis.

O pontífice ganhou de um fiel uma faixa do San Lorenzo, seu time de futebol de coração, de Almagro, na região metropolitana de Buenos Aires. Ele também foi presentado com um colar de carnaval, o qual chegou a usá-lo por alguns minutos.

Vizinho do papa, positivista diz que catolicismo vai acabar

Por volta de 11h15, Francisco visitou a casa de uma família da comunidade. Ele ficou na residência por aproximadamente dez minutos e depois voltou a caminhar pelas ruas da comunidade. Sete famílias da comunidade haviam sido pré-selecionadas para receberem Francisco. A família escolhida para a visita era uma destas.

A presença de Francisco provocou comoção da comunidade. Muitos fiéis choraram após serem abençoados pelo papa. Os presentes se amontavam na tentativa de se aproximar do pontífice, que ficou cercado por vários seguranças.

O trajeto entre a prefeitura, onde mais cedo ele recebeu as chaves da cidade e abençoou a bandeira olímpica, até a comunidade, foi feito em carro fechado. Durante todo o tempo Francisco manteve a janela aberta. Ao aproximar-se da comunidade, o pontífice embarcou no papamóvel, cumprimentou fiéis e abençoou várias crianças e idosos. Apesar do frio e da chuva, muitos fiéis se aglomeram nas ruas pelas quais a comitiva papal circulou até chegar à favela.  

Jornada Mundial da Juventude 2013
Jornada Mundial da Juventude 2013
$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','71412', '')

O estudante José Carlos de Oliveira Júnior, 14, morador da favela de Varginha, na zona norte do Rio de Janeiro, afirmou estar emocionado com a chance de ser o coroinha do culto que será celebrado pelo papa Francisco na capela da comunidade, na manhã desta quinta-feira.

"Não sei como fui escolhido, mas o coração está a cem por hora. Faz três anos que eu sou coroinha e nunca imaginei que isso pudesse acontecer", disse.

Veja quais lugares o papa deve visitar durante a Jornada

  • Arte/UOL

Júnior disse considerar o pontífice argentino "um cara humilde e com coração bom". Para o jovem, que participa da Jornada Mundial da Juventude, Francisco "gosta do povo e da multidão". Ele afirmou ter a intenção de pedir a bênção do santo padre a pedido da avó. 

Visita à prefeitura

Antes da visita à favela, o papa participou de cerimônia no Palácio da Cidade, sede da Prefeitura do Rio de Janeiro, onde recebeu do prefeito Eduardo Paes as chaves da cidade. Em seguida, o pontífice fez um breve discurso, no qual abençoou os presentes e, ao final, pediu para os presentes rezarem por ele.

“Muito obrigado por estar aqui e agora, de coração, vou lhes dar a bênção, às suas famílias, amigos, a todos”, disse o pontífice. “E rezem por mim”, concluiu. 

Logo depois, o prefeito Eduardo Paes brincou com Francisco sobre a chuva que, castiga o Rio desde o início da semana, e citou Santa Clara, santidade evocada em simpatias para acabar com a chuva. O papa entrou na brincadeira e falou sobre a crença popular de se jogar ovos para Santa Clara para que o tempo melhore.

Na prefeitura, Francisco foi recepcionado por atletas, como a jogadora de vôlei Fabiana, e ex-atletas, como Zico e Oscar Schmidt, que se ajoelhou diante do pontífice. O coordenador da seleção brasileira de futebol, Carlos Alberto Parreira, também foi cumprimentado pelo papa, assim como o atleta paraolímpico Guilherme de Lima Sales.

O pontífice abençoou a bandeira olímpica para os Jogos de 2016, os quais serão sediados pelo Rio de Janeiro. Além de Paes, o governador Sérgio Cabral também foi cicerone do pontífice durante a visita à prefeitura.

Veja como foi o 3º dia do papa no Brasil

O pontífice deixou a Residência Assunção, no Alto da Boa Vista, zona norte do Rio, por volta das 9h15 e fez o trajeto até a sede da administração municipal em carro fechado. A primeira atividade dele nesta quinta-feira (25) foi uma missa privada na Residência Assunção.  

O último evento do dia é uma festa de acolhida dos jovens, marcada para as 18h na praia de Copacabana. Na ocasião, o papa fará uma saudação ao público e um novo discurso. Estima-se que 1,5 milhão de pessoas comparecerão à atividade.

SAIBA COMO FOI 3º DIA DO PAPA NO BRASIL

  • Em 1ª missa aberta no Brasil, papa chama dinheiro, poder, sucesso e prazer de ídolos passageiros

  • Com "jeitinho", papa pede que fiéis rezem por ele e diz que volta a Aparecida em 2017

  • Fiéis do Brasil e América Latina enfrentam dificuldades para ver o papa em Aparecida

  • Papa abençoa estátua de frei Galvão, almoça filé com pinhão e tira fotos com pessoal da cozinha

  • Cardeal diz que papa elogiou disposição de fiéis e disse que iria a Aparecida "até de ônibus"

  • Em discurso, Francisco diz que tráfico de drogas "semeia a morte" e critica discussão sobre liberação

  • Fiéis abençoados pelo papa em hospital creem em milagres e relatam emoção após contato

Mais Cotidiano