Topo

'Se a Igreja não sai às ruas, se converte em ONG', diz papa a argentinos

Rodrigo Bertolotto

Do UOL, no Rio

2013-07-25T13:01:37

2013-07-25T15:03:02

25/07/2013 13h01Atualizada em 25/07/2013 15h03

O papa Francisco afirmou nesta quinta-feira (25), em discurso a milhares de argentinos na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro, no centro da cidade, que a Igreja Católica precisa sair às ruas para que não se torne uma ONG (Organização Não Governamental).

Os discursos do papa na Jornada

  • Papa Francisco critica discussão sobre liberação das drogas

  • Papa chama dinheiro, poder, sucesso e prazer de ídolos passageiros

  • Francisco apela a jovens para que lutem contra injustiça e 'nunca desanimem' diante da corrupção

“Eu quero agito nas dioceses, que vocês saiam às ruas. Eu quero que a Igreja vá para as ruas, eu quero que nós nos defendamos de toda acomodação, imobilidade, clericalismo. Se a Igreja não sai às ruas, se converte em uma ONG. A igreja não pode ser uma ONG”, disse Francisco, em espanhol. “Eu peço desculpas aos bispos e aos padres se isso pode gerar uma confusãozinha para vocês também”, afirmou na sequência.

Visivelmente mais descontraído do que em discursos anteriores, feitos em português, o pontífice disse que jovens e idosos estão excluídos da sociedade. "Acho que nesse momento a civilização mundial na verdade exagerou porque o culto ao deus dinheiro é tão grande que estamos em uma práxis de exclusão de dois polos da vida. Idosos e jovens. Saibam que nesse momento, vocês, os jovens e os idosos, estão condenados ao mesmo destino: o de exclusão. Não se deixem excluir.”

Na sequência, Francisco disse que os idosos vivem uma “eutanásia cultural” porque a sociedade “não os deixa falar”. “Os jovens tem que sair a lutar pelos valores. E os velhos têm que abrir a boca e nos transmitir as sabedorias dos povos.” Sobre os jovens, o pontífice afirmou que a exclusão se dá também pelo desemprego. “É uma geração que não tem a dignidade do trabalho.”

No final, Francisco discorreu sobre questões religiosas.“A fé em Jesus Cristo não é brincadeira. É uma coisa muito séria. É um escândalo que Deus tenha vindo se tornar um de nós e tenha morrido numa cruz. (...) Por favor, não liquidem a fé em Jesus Cristo. Essa fé não pode ser diluída, liquidificada. É a fé em Jesus, no filho de Deus feito homem.”

Enjaulado

O papa Francisco confessou que muitas vezes se sente "enjaulado" e que "é feio estar enjaulado". "Sinto que estão aqui enjaulados. Tenho que confessar para vocês que eu também muitas vezes me sinto enjaulado e que é feio se sentir enjaulado!", disse o pontífice em meio aos sorrisos e aplausos dos presentes.

Dos quase 40 mil jovens, aproximadamente 5.000 conseguiram entrar na catedral, enquanto o restante ocupou o pátio do templo e ficou sob a chuva. Algumas pessoas chegaram à catedral na noite de ontem para conseguir um bom lugar para poder ver o papa, disseram elas mesmas.

Visita à favela

Antes do encontro com os compatriotas, Francisco visitou a favela de Varginha e, em discurso, pediu que os jovens não desistam de lutar por mais igualdade por conta de casos de corrupção. "Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias que falam de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício. Também para vocês e para todas as pessoas repito: nunca desanimem, não percam a confiança, não deixem que se apague a esperança. A realidade pode mudar, o homem pode mudar."

Veja quais lugares o papa deve visitar durante a Jornada

  • Arte/UOL

No pronunciamento, feito sob um palco montando em um campo de futebol da comunidade, diante de uma multidão de fiéis que acompanhavam as palavras de Francisco sob chuva. O pronunciamento foi o que mais tocou em questões sociais entre os que o papa já fez na Jornada Mundial da Juventude. O pontífice evocou uma expressão brasileira para incentivar os jovens a serem mais solidários. “Sei bem que quando alguém precisa comer e bate em suas portas, vocês sempre dão um jeito de compartilhar comida. Como diz o ditado, sempre se pode colocar mais água no feijão”, afirmou.

Antes de discursar, Francisco fez uma breve oração em uma pequena capela, chamada São Jerônimo Emiliani, e, sob garoa, caminhou entre fiéis. O pontífice ganhou de um fiel uma faixa do San Lorenzo, seu time de futebol de coração, de Almagro, na região metropolitana de Buenos Aires. Ele também foi presentado com um colar de carnaval, o qual chegou a usá-lo por alguns minutos.

O papa também visitou a casa de uma família da comunidade. Ele ficou na residência por aproximadamente dez minutos e depois voltou a caminhar pelas ruas da comunidade. Sete famílias da comunidade haviam sido pré-selecionadas para receberem Francisco. A família escolhida para a visita era uma destas.

Cerimônia na prefeitura

Antes da visita à favela, o papa participou de cerimônia no Palácio da Cidade, sede da Prefeitura do Rio de Janeiro, onde recebeu do prefeito Eduardo Paes as chaves da cidade. Em seguida, o pontífice fez um breve discurso, no qual abençoou os presentes e, ao final, pediu para os presentes rezarem por ele.

“Muito obrigado por estar aqui e agora, de coração, vou lhes dar a bênção, às suas famílias, amigos, a todos”, disse o pontífice. “E rezem por mim”, concluiu. 

Está na JMJ? Mande sua foto

Você vai participar da Jornada Mundial da Juventude? Registrou cenas curiosas de peregrinos? Fez imagens dos eventos e do papa Francisco? Envie para o UOL. Mande seu material, com uma breve descrição da imagem, por e-mail para vocemanda@uol.com.br. Pelo Twitter, envie fotos ou relatos citando o perfil de @UOLNoticias e utilizando a hashtag #vocemanda

Logo depois, o prefeito Eduardo Paes brincou com Francisco sobre a chuva que, castiga o Rio desde o início da semana, e citou Santa Clara, santidade evocada em simpatias para acabar com a chuva. O papa entrou na brincadeira e falou sobre a crença popular de se jogar ovos para Santa Clara para que o tempo melhore.

Na prefeitura, Francisco foi recepcionado por atletas, como a jogadora de vôlei Fabiana, e ex-atletas, como Zico e Oscar Schmidt, que se ajoelhou diante do pontífice. O coordenador da seleção brasileira de futebol, Carlos Alberto Parreira, também foi cumprimentado pelo papa, assim como o atleta paraolímpico Guilherme de Lima Sales.

O pontífice abençoou a bandeira olímpica para os Jogos de 2016, os quais serão sediados pelo Rio de Janeiro. Além de Paes, o governador Sérgio Cabral também foi cicerone do pontífice durante a visita à prefeitura.

O pontífice deixou a Residência Assunção, no Alto da Boa Vista, zona norte do Rio, por volta das 9h15 e fez o trajeto até a sede da administração municipal em carro fechado. A primeira atividade dele nesta quinta-feira (25) foi uma missa privada na Residência Assunção.  

O último evento do dia é uma festa de acolhida dos jovens, marcada para as 18h na praia de Copacabana. Na ocasião, o papa fará uma saudação ao público e um novo discurso. Estima-se que 1,5 milhão de pessoas comparecerão à atividade.

SAIBA COMO FOI 3º DIA DO PAPA NO BRASIL

  • Em 1ª missa aberta no Brasil, papa chama dinheiro, poder, sucesso e prazer de ídolos passageiros

  • Com "jeitinho", papa pede que fiéis rezem por ele e diz que volta a Aparecida em 2017

  • Fiéis do Brasil e América Latina enfrentam dificuldades para ver o papa em Aparecida

  • Papa abençoa estátua de frei Galvão, almoça filé com pinhão e tira fotos com pessoal da cozinha

  • Cardeal diz que papa elogiou disposição de fiéis e disse que iria a Aparecida "até de ônibus"

  • Em discurso, Francisco diz que tráfico de drogas "semeia a morte" e critica discussão sobre liberação

  • Fiéis abençoados pelo papa em hospital creem em milagres e relatam emoção após contato

$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','71412', '')

Mais Cotidiano