PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Papa cita racismo e intolerância religiosa como "cruzes" do mundo, e lembra vítimas da Kiss

Do UOL, no Rio

26/07/2013 19h37

O papa Francisco fez referência ao racismo, à intolerância religiosa e às vítimas da boate Kiss em seu discurso logo após a Via Sacra, um dos atos centrais da Jornada Mundial da Juventude, na noite desta sexta-feira (26), em Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro.

De acordo com o pontífice, os preconceitos racial e religioso são "cruzes" que o mundo atual carrega e que acabam suscitando questionamentos entre os católicos acerca da fé na Igreja e em Jesus Cristo. Ele também pediu orações para os familiares dos 242 jovens que morreram no incêndio da boate Kiss, em Santa Maria (RS).

O santo padre mencionou ainda outros temas frequentemente debatidos por instituições religiosas e pela sociedade civil, tais como a dependência química, as vítimas da violência urbana, a fome "num mundo que todos os dias joga fora toneladas de comida", a corrupção política e religiosa, entre outros.

"Com a Cruz, Jesus se une ao silêncio das vítimas da violência, que já não podem clamar, sobretudo os inocentes e indefesos; nela Jesus se une às famílias que passam por dificuldades, que choram a perda de seus filhos, ou que sofrem vendo-os presas de paraísos artificiais como a droga; nela Jesus se une a todas as pessoas que passam fome, num mundo que todos os dias joga fora toneladas de comida; nela Jesus se une a quem é perseguido pela religião, pelas ideias, ou simplesmente pela cor da pele; nela Jesus se une a tantos jovens que perderam a confiança nas instituições políticas, por verem egoísmo e corrupção, ou que perderam a fé na Igreja, e até mesmo em Deus, pela incoerência de cristãos e ministros do Evangelho", disse.

Francisco iniciou seu discurso lembrando o Ano Santo da Redenção, em 1984, quando o então papa João Paulo 2º entregou aos jovens a cruz que se tornaria um dos principais símbolos da JMJ.

Nos últimos dois anos, "A Cruz da Jornada" percorreu várias cidades brasileiras, como lembrou o próprio pontífice ao fazer três perguntas aos milhares de peregrinos que lotam a praia de Copacabana: "O que vocês terão deixado na Cruz, queridos jovens brasileiros, nestes dois anos em que ela atravessou seu imenso País? E o que terá deixado a Cruz de Jesus em cada um de vocês? E, finalmente, o que esta Cruz ensina para a nossa vida?".

Antes de mencionar problemas sociais, o papa disse aos fiéis que "ninguém pode tocar a Cruz de Jesus sem deixar algo de si mesmo nela e sem trazer algo da Cruz de Jesus para sua própria vida". A cruz, segundo o chefe da Igreja Católica, é um símbolo que reúne "o sofrimento e o pecado do homem".

OPINIÃO: Mário Magalhães

Comportamento franciscano do papa contrasta com escândalos da Igreja no Rio: apartamento de luxo, móveis de rico, carrões e flagra com dinheiro escondido

Exército acerta em vetar mascarados perto do papa: máscara é coisa de bandido potencial, seja ‘manifestante’ ou PM de balaclava

"Ele acolhe tudo com seus braços abertos, carrega nas suas costas as nossas cruzes e nos diz: Coragem! Você não está sozinho a levá-la! Eu a levo com você. Eu venci a morte e vim para lhe dar esperança, dar-lhe vida", disse.

História do Brasil

Ao discursar sobre a Cruz da Jornada, Francisco lembrou do fato de que o Brasil já se chamou "Terra de Santa Cruz".

"A Cruz de Cristo foi plantada não só na praia, há mais de cinco séculos, mas também na história, no coração e na vida do povo brasileiro e não só: o Cristo sofredor, sentimo-lo próximo, como um de nós que compartilha o nosso caminho até o final. Não há cruz, pequena ou grande, da nossa vida que o Senhor não venha compartilhar conosco", afirmou.

Houve um pequeno erro no texto lido pelo papa, que disse ter sido "Terra de Santa Cruz" o "primeiro nome dado ao Brasil". Na verdade, a primeira nomenclatura dada logo após o descobrimento, em 1500, foi "Ilha de Vera Cruz", sendo o território anteriormente chamado de "Pindorama" --nome dado pelos indígenas.

Por fim, o pontífice convidou a multidão de jovens a "se contagiar pelo amor de Cristo", a levar para a Cruz peregrina "alegrias", "sofrimentos" e "fracassos".

SAIBA COMO FOI 4º DIA DO PAPA NO BRASIL

  • Na Prefeitura do Rio, papa pede reza e brinca com prefeito sobre chuva e Santa Clara

  • Em favela, papa visita família e ganha faixa do San Lorenzo, seu time de coração

  • Em favela, papa pede mundo mais justo e solidário: 'sempre se pode colocar mais água no feijão'

  • Francisco apela a jovens para que lutem contra injustiça e 'nunca desanimem' diante da corrupção

  • 'Se a Igreja não sai às ruas, se converte em ONG', diz papa a fiéis argentinos

  • "Ela vai ter orgulho", diz mãe de bebê abençoado por Francisco em favela no Rio

  • Chuva e frio fazem organização da JMJ transferir eventos de Guaratiba para Copacabana

  • Papa cita João Paulo 2º e elogia cariocas: 'a fé de vocês é mais forte que o frio'

  • É bom estarmos aqui, botando Cristo na nossa vida, diz papa em Copacabana

  • Público faz peregrinação para pegar ônibus e metrô após missa com o papa

SAIBA COMO FOI 3º DIA DO PAPA NO BRASIL

  • Em 1ª missa aberta no Brasil, papa chama dinheiro, poder, sucesso e prazer de ídolos passageiros

  • Com "jeitinho", papa pede que fiéis rezem por ele e diz que volta a Aparecida em 2017

  • Fiéis do Brasil e América Latina enfrentam dificuldades para ver o papa em Aparecida

  • Papa abençoa estátua de frei Galvão, almoça filé com pinhão e tira fotos com pessoal da cozinha

  • Cardeal diz que papa elogiou disposição de fiéis e disse que iria a Aparecida "até de ônibus"

  • Em discurso, Francisco diz que tráfico de drogas "semeia a morte" e critica discussão sobre liberação

  • Fiéis abençoados pelo papa em hospital creem em milagres e relatam emoção após contato

Cotidiano