PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Organização diz que vigília em Copacabana reúne três milhões; PM não faz cálculo

Carolina Farias, Hanrrikson de Andrade e Maurício Stycer

Do UOL, no Rio

27/07/2013 18h46Atualizada em 27/07/2013 22h40

O papa Francisco chegou na noite deste sábado (27) à praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, para participar da Vigília de Oração junto com os jovens que integraram ao longo do dia uma caminhada de 9,5 km (da Central do Brasil, no centro da capital, até a praia de Copacabana). A estimativa da organização da Jornada Mundial da Juventude é que 3 milhões de fiéis acompanham a vigília.

Os discursos do papa na Jornada

  • Papa Francisco critica discussão sobre liberação das drogas

  • Papa chama dinheiro, poder, sucesso e prazer de ídolos passageiros

  • Francisco apela a jovens para que lutem contra injustiça e 'nunca desanimem' diante da corrupção

Em discurso durante vigília, papa pede 'resposta cristã' a protestos; veja a íntegra

A estimativa não tem nenhum fundamento científico, como afirmam os próprios organizadores, e baseia-se em uma projeção feita pelo prefeito Eduardo Paes, que, por sua vez, também não adotou nenhum método científico ou informação oficial para chegar ao número. 

A Polícia Militar disse que não irá calcular o público por conta de "contratempos" ocorridos em eventos anteriores, quando os números apresentados pela PM foram questionados.

No discurso durante a vigília, o pontífice disse que a mudança do evento de Guaratiba para Copacabana pode ser um recado divino e usou o futebol como metáfora para incentivar os fiéis a "reconstruírem" a Igreja.

"Bom, penso que nós podemos aprender alguma coisa do que aconteceu esses dias: como nós tivemos que cancelar, por causa do tempo, a realização dessa vigília no Campus Fidei (Campo da Fé), Guaratiba. Não estaria o Senhor querendo nos dizer que o verdadeiro Campo da Fé não é um lugar geográfico, mas sim nós mesmos? Sim, cada um de nós, cada um de vocês e ser discípulo missionário significa saber reconhecer que somos o campo da fé de Deus", afirmou.

"Acho que a maioria de vocês ama os esportes. E aqui no Brasil, como em outros países, o futebol é uma paixão nacional. Ora bem, o que faz um jogador quando é convocado para jogar em um time? Deve treinar, e muito! Também é assim na nossa vida de discípulos do senhor. Jesus nos oferece algo muito superior que a Copa do Mundo! Oferece-nos a possibilidade de uma vida fecunda e feliz e nos oferece também um futuro com ele que não terá fim: a vida eterna", declarou.

Vigília

O pontífice chegou por volta de 18h35 à Copacabana para participar da vigília junto com os jovens que integraram ao longo do dia uma caminhada de 9,5 km da Central do Brasil, no centro da capital, até a praia. 

Ele aterrissou no Forte de Copacabana e seguiu de papamóvel até o posto 2 da praia, onde está montada a estrutura para a vigília. No trajeto, ganhou objetos de fiéis, vestiu um chapéu mexicano e desceu do carro para abençoar um cadeirante.

A vigília começou às 19h, com a encenação da reconstrução de uma igreja, simbolizando a atuação de Francisco de Assis, conhecido como o reconstrutor de igrejas. Em seguida, o ator Tony Ramos fez a abertura da vigília, sendo sucedido por um ex-dependente químico, por um padre, por um cadeirante e por uma jovem, que deram depoimentos pessoais.

Em meio às falas, houve show da cantora inglesa Judy Bailey e do sertanejo Luan Santana. O pontífice começou a discursar por volta de 20h35.

Almoço e discurso a políticos

Mais cedo, Francisco almoçou com cardeais e bispos no Palácio João Paulo 2º, na Glória (zona sul). O encontro inicialmente seria realizado no centro de estudos do Sumaré, na zona norte da capital, mas a agenda foi alterada na última hora. O motivo da mudança não foi divulgado pela organização.

Pela manhã, o pontífice celebrou missa na Catedral Metropolitana de São Sebastião, no centro da capital, e participou de encontro com autoridades, diplomatas, políticos e artistas no Theatro Municipal. Em discurso direcionado a autoridades, o papa propôs o "diálogo" como solução para protesto violento e indiferença egoísta.

"Entre a indiferença egoísta e o protesto violento, há uma opção sempre possível: o diálogo", relatou o pontífice, que afirmou que um país cresce, quando dialogam de modo construtivo as suas diversas riquezas culturais. "Quando os líderes dos diferentes setores me pedem um conselho, a minha resposta é sempre a mesma: diálogo, diálogo, diálogo."

Igreja nas favelas

Durante a missa celebrada na Catedral Metropolitana de São Sebastião para mais de mil bispos, sacerdotes, religiosos e seminaristas,o papa Francisco lembrou de madre Teresa de Calcutá e chamou os líderes da Igreja Católica a irem até as periferias, onde as pessoas "têm sede de Deus".

"Que [Deus] nos empurre a sair ao encontro de tanto irmãos e irmãs que estão na periferia, que têm sede de Deus. Que não nos deixe em casa, mas que nos empurre a sair de casa. E assim sejamos discípulos do senhor", afirmou Francisco.

Francisco chegou a citar uma frase de madre Teresa de Calcutá: "Devemos estar muito orgulhos de nossa vocação, que nos dá a oportunidade de levar cristo aos pobres, às favelas, às vidas miseráveis". Francisco falou sobre a vocação religiosa e ressaltou que os sacerdotes têm que estar "muito orgulhosos" das suas, por elas lhes darem "a oportunidade de servir a Cristo nos pobres". "É nas favelas, nas povoações pobres, nas vilas onde é preciso ir buscar e servir a Cristo. Devemos ir a eles como o sacerdote se aproxima do altar: com alegria", declarou.

Cotidiano