Topo

Prefeitura do Rio testa fechamento da Perimetral e precisará desviar 76 mil carros

Giuliander Carpes

Do UOL, no Rio

24/10/2013 06h00

A Prefeitura do Rio de Janeiro faz nesta quinta-feira (24), entre as 12h e as 15h, o primeiro teste de fechamento do Elevado da Perimetral num dia útil. A via será interrompida definitivamente no dia 2 de novembro. O desafio será remanejar 38 mil carros que passam diariamente em cada sentido do movimentado viaduto do centro da cidade - 76 mil no total, segundo contagens da SMTR (Secretaria Municipal de Transportes).

A ideia inicial da prefeitura é incentivar um choque cultural: fazer com que os motoristas prefiram utilizar o transporte público. Ou que, pelo menos, cada carro possa levar mais gente do que transporta atualmente - a Perimetral tem média de 1,4 ocupante por carro, segundo a SMTR.

“Nós entendemos que existe uma possibilidade de mudança de hábito. Se essa média de 1,4 subisse para dois ocupantes, já haveria um impacto extremamente positivo. Mas eu garanto que o tempo de deslocamento nos ônibus, nas barcas e no metrô será menor do que em veículos particulares”, afirma o secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório.

A prefeitura diz que já colocou para funcionar um acréscimo de 20% na frota de ônibus, metrô e trens. As barcas para Niterói passam a operar a partir da próxima segunda-feira (28) com duas embarcações extras. Segundo a concessionária CCR Barcas, haverá a capacidade de transportar mais 4.000 passageiros por hora - incremento dos atuais 11.800 para 15.800 passageiros.

Segundo a prefeitura, só com as barcas será possível atrair 1.020 passageiros que utilizariam carro para atravessar a ponte Rio-Niterói e 5.780 usuários de ônibus no horário das 6h às 10h. Mudanças na integração do metrô com ônibus na estação Estácio pretendem viabilizar uma capacidade de 8.000 passageiros por hora de pico.

Mas o motorista que trafega no centro do Rio nos horários mais movimentados dificilmente vai se livrar de engarrafamentos. Entre as 6h e as 9h e entre as 17h e as 20h, o número de veículos que trafegam diariamente pela Perimetral chega a 2.500 por hora, de acordo com as medições recentes realizadas pela secretaria.

A prefeitura se recusa, no entanto, a promover campanhas que privilegiem carros. “Implementar uma faixa exclusiva para carros que tiverem com um carona, nós não vamos fazer. Se formos tomar alguma medida, será uma faixa exclusiva para ônibus, que, em vez de levar duas pessoas, leva 40, 50, 60”, diz Osório.

“Não há solução com o aumento do número de automóveis”, complementa Paes, que reconhece que o acesso ao centro da cidade vai ficar ainda mais complicado. “Todo o dia sou bombardeado nas redes sociais pela tragédia que significa chegar ao centro. Sofro eu e sofreram todos os prefeitos que me antecederam. A solução não está mais nas soluções de trânsito. O que a gente quer é uma solução definitiva.” 

O fechamento da Perimetral

O elevado terá o tráfego definitivamente interrompido entre a rodoviária e a praça Mauá a partir do próximo dia 2 de novembro, às 19h. A prefeitura prevê que o trecho será demolido com uma implosão no dia 17. 

Em outros trechos, a via continuará aberta até a prefeitura definir quando haverá a demolição total da Perimetral. A via será substituída provisoriamente pelo período de um ano e meio a dois anos pela nova avenida Binário do Porto, que já foi aberta na região portuária. Em 2015, a prefeitura pretende inaugurar um túnel expresso da rodoviária até a altura da praça 15.
Segundo a prefeitura, as obras vão permitir um aumento de 27% na capacidade de fluxo de tráfego da região portuária. 

Mais Cotidiano