Topo

Operação busca provas de adulteração de leite com água oxigenada no RS

Do UOL, em São Paulo

07/11/2013 10h53

O Ministério Público estadual no Rio Grande do Sul realiza na manhã desta quinta-feira (7), no município de Três de Maio (Noroeste gaúcho), a terceira fase da operação "Leite Compen$ado", que investiga adulteração de leite com produtos como água oxigenada.

Segundo a assessoria de imprensa do MP, estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão em quatro locais.  Além de produtos químicos, são recolhidos documentos, notas fiscais e anotações dos investigados, além da busca e apreensão de três caminhões de transporte de leite.

A operação do MP tem apoio de organismos como Receita Estadual e Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e é coordenada pelos promotores Mauro Lucio da Cunha Rockenbach, Alcindo Luz Bastos da Silva Filho e Pablo da Silva Alfaro.

De acordo com as investigações, o transportador Airton Jacó Reidel, 31, seria o chefe de uma quadrilha composta por sua mulher, Rejane Dias, 32, e seus sobrinhos, Roberto Carlos Baumgarten e Laércio Rodrigo Baumgarten, estes, motoristas do grupo. Rejane é sócia do marido e proprietária de todos os bens que, segundo o MP, teriam sido adquiridos ilicitamente.

Ação criminosa

As investigações descobriram que os suspeitos adicionavam produtos químicos ao leite in natura a fim de mascarar a adição da água e aumentar o volume do produto final para, com isso, ter mais lucro. A ação, entretanto, reduzia o valor nutritivo do leite e causava riscos sérios à saúde dos consumidores, de acordo com a promotoria de Defesa do Consumidor.

Os promotores afirmam ainda que a quadrilha investigada acrescia também peróxido de hidrogênio (água oxigenada) para elevar a durabilidade do leite, uma vez que o produto químico tem ação bactericida.

Na prática, diz a investigação, o grupo comprava leite prestes a vencer por preço até 50% inferior ao do mercado. Depois da manipulação com o peróxido de hidrogênio, o produto era repassado à indústria. Além de eliminar as vitaminas A e E, em altas concentrações a substância prejudica a flora intestinal. A substancia é proibida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Adulteração de leite ocorria em ambientes insalubres

Entenda o caso 

A operação "Leite Compensado" teve início em maio deste ano. Na ocasião, foram cumpridos dez mandados de prisão e oito de busca e apreensão nas cidades de Ibirubá, Guaporé e Horizontina.
 
As empresas investigadas transportaram aproximadamente 100 milhões de litros de leite entre abril de 2012 e maio de 2013. A adulteração consiste em crime hediondo de corrupção de produtos alimentícios, previsto no artigo 272 do Código Penal.
 
No mesmo dia, a Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça notificou as empresas Italac, Mumu, Líder e Latvida para prestarem esclarecimentos sobre as denúncias da operação, que identificou o acréscimo de formol e substância semelhante à ureia ao leite.
 
O Ministério da Justiça deu prazo de dez dias às empresas --a partir do recebimento da notificação-- para apresentar a documentação técnica e laboratorial pertinentes ou para fazer o recall dos produtos com problemas. 
 
Segundo a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), mesmo em pequenas concentrações, o formol representa um risco à saúde, pois a substância não possui uma dose segura de exposição e pode causar câncer. Já a ureia causa pouca ou nenhuma toxicidade para os seres humanos. 

Mais Cotidiano