Topo

Após 12 dias, Pedra Preta (RN) sofre novo terremoto

Aliny Gama

Do UOL, em Maceió

27/11/2013 17h08

Pedra Preta (115 km de Natal) foi atingida por um novo tremor na madrugada desta quarta-feira (27). Há 12 dias a cidade não registrava abalos sísmicos. O desta noite teve magnitude 3.4 na escala Richter e foi registrado às 2h50 (horário local).

Segundo com o LabSis (Laboratório de Sismologia) da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) o último tremor percebido pela população registrado pelas estações ocorreu no dia 15. O abalo mediu 2.0 na escala Richter e ocorreu às 4h42 (horário local).

O LabSis afirmou que apesar de a atividade sísmica ter diminuído em Pedra Preta, no número de eventos registrados e percebidos, “continuam ocorrendo tremores acima do limiar de percepção” dos moradores do município.

“Como sempre dissemos, não é possível prever como a atividade sísmica em Pedra Preta vai evoluir, podendo tanto diminuir quanto aumentar, em número e magnitude”, informou a nota assinada pelos geógrafos Joaquim Ferreira e Eduardo Menezes.

Medo

Os tremores de terra em Pedra Preta deixam a população amedrontada. Os moradores temem desabamentos.

Para facilitar a desocupação dos imóveis durante os abalos sísmicos, moradores têm deixado as portas abertas das casas enquanto dormem. Outros transformaram terraços em quartos e colocam todas as noites colchões no lado de fora dos imóveis e dormem.

Uma família que mora no sítio Toco Preto, zona rural de Pedra Preta, está bastante amedrontada com os abalos sísmicos que está dormido todas as noites em cima da carroceria de um caminhão.

O agricultor Cícero Avelino, 60, colocou uma cobertura de lona na carroceria do caminhão, forrou o piso, colocou os colchões da casa lá e todas as noites os sete integrantes da família dele dormem amontoados no local.

“Quando o chão começa a tremer a gente fica sem saber o que fazer e o medo da casa cair na nossa cabeça é grande, é horrível. A sensação de não poder fazer nada nos dá muito medo e a gente não pode passar a noite acordado para sair de casa rápido quando a terra voltar a tremer”, contou Avelino.

Ajuda

Na última segunda-feira (25) o prefeito de Pedra Preta, Luiz de Haroldo (Pros), participou da reunião do “Movimento SOS Municípios”, em Natal, e relatou os problemas enfrentados pela administração devido aos tremores de terra.

Haroldo afirmou que deverá também pedir ajuda federal para realizar construção de novas casas para as famílias que tiveram os imóveis rachados devido aos tremores de terra.

Segundo o prefeito, o município não tem condições financeiras de contratar um engenheiro para monitorar os imóveis do município que estão rachando devido aos tremores de terra.

Os abalos

A atividade sísmica em Pedra Preta iniciou no dia 25 de outubro quando foram registrados dois tremores de terra em um intervalo de quatro minutos. Os tremores de 3,7 e 3,3 na escala Richter racharam casas e assustaram a população.

No último dia 1º a atividade sísmica em Pedra Preta foi intensificada com o registro de sete tremores de terra de magnitude 2.0 na escala Richter, entre 20h e 21h. Devido a incerteza em saber se os tremores iriam continuar ou não, o LabSis informou à prefeitura de Pedra Preta que retirasse a população das casas. Muitas famílias dormiram nas calçadas e praças.

Outra sequência de tremores foi registrada no dia 5 com a ocorrência de quatro eventos de magnitude entre 2.0 e 3.5 na escala Richter.

Algumas lojas do centro da cidade fecharam e escolas suspenderam as aulas, liberando os alunos para ficar em casa. Os tremores de terra foram sentidos pela população de Natal, que fica a 100 km em linha reta da área epicentral.

Mais Cotidiano