PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Obra subia rápido demais, dizem vizinhos da construção que desabou em Guarulhos (SP)

Fabiana Maranhão

Do UOL, em Guarulhos (SP)

02/12/2013 23h51

A velocidade com que ia ganhando altura a obra que desabou na noite desta segunda-feira (2) no bairro Vila Leonor, em Guarulhos, na Grande São Paulo, surpreendia até os vizinhos do prédio de cinco andares em construção. Vinte carros e 60 homens do Corpo de Bombeiros estão no local e buscam por um operário que está desaparecido.

Segundo moradores ouvidos pelo UOL , a obra estava “subindo rápido demais”, como conta a enfermeira Simone Magalhães, que mora há 22 anos em frente ao local do desabamento.

Local do acidente

Ela estava em casa, na avenida Presidente Humberto de Alencar Castelo Branco, por volta das 19h20, quando ouviu um estrondo e, de repente, viu uma nuvem de fumaça entrar na residência.

 “Eles começaram a construção no Carnaval e já estavam no quinto andar. Estava subindo muito rápido”, diz a moradora.

O consultor de imóveis Estefano Magalhães, irmão de Simone, temia que o edifício desabasse. “Era uma construção acelerada”, diz. “A mim me parece uma construção que não atendia aos regulamentos. Todos nós, vizinhos, comentávamos que a qualquer momento iria desabar”. 

O morador fez ainda outra observação. Segundo ele, os operários pareciam atuar em "regime em mutirão”, começando a trabalhar antes das 7h e estendendo o expediente até depois das 18h.

Veja imagens do desabamento

Rachaduras nas paredes

Primo de um dos trabalhadores da obra, o operador de máquinas Leonardo Rafael Rocha conta que, certa vez, ouviu um dos funcionários, de quem é amigo, se queixar da construção. 

“Ele dizia que as paredes estavam rachando, e que, quando iam reclamar com o engenheiro responsável, ouviam “quem tem diploma sou eu”. Ainda de acordo com Leonardo, outra queixa do funcionário era de que nenhum dos operários era registrado.

Outro lado

Em nota, a Prefeitura afirmou que está auxiliando nos trabalhos de buscas. O órgão informa ainda que a Salema Comércio Construção e Projetos Ltda., responsável pela obra, tinha alvará de construção. A Prefeitura disse ainda que está apurando possíveis irregularidades na construção.

Edmilson Girão da Silva, do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Guarulhos, informou que a obra foi submetida à fiscalização, mais de uma vez, e que nenhuma irregularidade foi encontrada nessas vistorias.

“Nós acreditamos que o desabamento foi causado pelo solo, que cedeu”, disse.

Os responsáveis pela construção não se pronunciaram sobre o incidente.

 

Cotidiano