PUBLICIDADE
Topo

Morre quinta vítima de queda de passarela na Linha Amarela, no Rio

Do UOL, no Rio

29/01/2014 11h12

Subiu para cinco o número de mortos após o acidente com a passarela que desabou na terça-feira (28) na Linha Amarela, no Rio de Janeiro. Luiz Carlos Guimarães, 70, estava no hospital Salgado Filho, no Méier, e morreu na manhã desta quarta (29). Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, ele sofreu traumatismo craniano, com edema cerebral, e fratura nas costas. O homem estava em coma e respirava com a ajuda de aparelhos desde a chegada ao hospital.

No acidente de terça, duas pessoas que estavam na passarela no momento da colisão morreram. As outras três estavam em um Palio e um táxi que ficaram esmagados pela estrutura de metal e concreto que foi derrubada pela caçamba. O motorista do caminhão disse à polícia que sabia da proibição ao tráfego de caminhões no horário em que entrou na via, por volta das 9h15.

Vídeo mostra momento que carreta atinge passarela no Rio

A passarela desabou depois que um caminhão colidiu com a estrutura. O motorista do veículo, Luis Fernando Costa, 30, foi socorrido para o hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, e está lúcido, já tendo inclusive conversado informalmente com o delegado responsável pelo caso. Ele foi submetido a tomografia de tórax, abdômen e pelve e não sofreu fraturas.

Estrutura

A estrutura de aço da passarela é resistente e pode ser reaproveitada no mesmo local, de acordo com avaliação do engenheiro civil Antonio Eulálio Pedrosa Araújo, conselheiro do CREA-RJ (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio de Janeiro).

Araújo esteve no local do acidente nesta terça e analisou a situação. "Foi uma fatalidade." Especialista em pontes e estruturas, ele descarta a hipótese levantada por moradores de que um acidente ocorrido em 2001 tenha prejudicado a passarela.

O engenheiro atribui a queda da passarela ao impacto do caminhão que transitava com a caçamba levantada. Segundo ele, apesar de possuir uma estrutura resistente, a passarela não foi projetada para suportar uma "pancada" tão forte. Araújo calcula que o impacto teve uma força superior a 100 toneladas.

A passarela pesava 94 toneladas, de acordo com informação da Prefeitura do Rio. A estrutura metálica tinha 70 metros de extensão, com lajes de concreto no piso e no teto, além de pilares. Para facilitar a remoção, ela foi cortada. Situada entre os acessos 4 e 5 da Linha Amarela, ela ligava duas comunidades do bairro de Pilares, na zona norte do Rio.

Fiscalização

Mais de 20 caminhões foram multados nesta quarta por trafegarem em horário indevido pela Linha Amarela. Entre os multados, estão carros terceirizados que prestavam serviços para empresas municipais como Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) e CET-Rio (Companhia de Engenharia de Tráfego).

Caminhão levantou caçamba após entrar na Linha Amarela

Caminhões não podem trafegar pela via, que liga a Barra da Tijuca à zona norte do Rio, entre as 6h e as 10h e as 17h e as 20h. Equipes de motociclistas do BPVE (Batalhão de Policiamento de Vias Expressas) da Polícia Militar abordam os motoristas que andam de forma irregular pela Linha Amarela. Os veículos recebem multas no valor de R$ 85,13 e são escoltados até a saída da via mais próxima.

Segundo a Lamsa, concessionária que administra a via expressa, o responsável pela fiscalização do tráfego de caminhões em horário proibido é o BPVE. No entanto, o procedimento padrão é a concessionária avisar os policiais assim que os veículos entram na via e são flagrados pelas câmeras. No acidente da terça-feira (28), não houve tempo hábil para o aviso, afirma a Lamsa, porque o caminhão percorreu três quilômetros na via em apenas dois minutos.

Cotidiano