Agentes penitenciários de SP mantêm greve para esta segunda-feira

Do Estadão Conteúdo, em Araçatuba

Mesmo com a abertura das negociações sinalizada pelo Governo do Estado, os agentes penitenciários de São Paulo mantiveram para a segunda-feira, 10, o início da greve da categoria nas 158 unidades prisionais do Estado. Na sexta-feira, 7, após tomar conhecimento da greve, a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) divulgou nota anunciando uma reunião para a terça-feira, 11, com o objetivo de discutir a pauta de reivindicações com os sindicatos dos trabalhadores do sistema. Apesar disso, a greve foi mantida.

"É sinal de que o governo está cedendo, mas só o anúncio de uma reunião não é suficiente para a gente desistir do movimento", disse o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado de São Paulo (Sindasp), Daniel Grandolfo. Segundo ele, a intenção do governo era de que o sindicato adiasse a greve, o que é impossível. "O início do movimento foi decidido por assembleia e seu fim deve ser decidido da mesma maneira", afirmou. Segundo ele, a categoria vai ouvir as propostas do governo e na terça-feira decidir, em assembleia no final da tarde, se aceita as propostas ou não.

De acordo com Grandolfo, 70% a 80% das unidades aderiram ao movimento. Os agentes protestam contra as condições de trabalho, precárias devido à superlotação e à falta de funcionários (as unidades estão com superlotação três vezes acima da capacidade e com déficit de 10 mil agentes). Eles também cobram o cumprimento, pelo governo, da pauta de reivindicações da categoria, que prevê, entre outras coisas, correção salarial de 20,64%, referente à inflação dos exercícios de 2007 a 2012, instituições do bico legal, redução do número de carreiras e pagamento de auxílio-refeição para todos agentes, entre outras.

O movimento, que é por tempo indeterminado, terá início às 7 horas de amanhã e somente três serviços essenciais - alimentação, saúde e banho de sol aos presos - serão mantidos. "Estão cortadas as remoções e recebimento de novos presos e serviços como os atendimentos de assistentes sociais e psicólogos, entrega de jumbos (encomendas via correios), visita de advogados e atividades de empresas que possuem convênios de trabalho com os presos dentro das unidades", declarou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos