Topo

Número de praias impróprias para banho no país mais do que dobra

Córrego que se forma com água pluvial e deságua no mar na praia das Astúrias, no Guarujá (SP) - Rafael Motta/UOL
Córrego que se forma com água pluvial e deságua no mar na praia das Astúrias, no Guarujá (SP) Imagem: Rafael Motta/UOL

Rafael Motta

Do UOL, em Santos (SP)

21/03/2014 07h00

O número de praias brasileiras impróprias para banho durante todo o verão mais do que dobrou (de 64 para 151, com alta de 135,9%) na comparação com o período 2012/2013. E todos os 14 estados brasileiros onde se verifica a contaminação do mar tiveram ao menos um ponto inadequado em todas as medições - no verão passado, isso ocorreu em nove.

O Rio de Janeiro registrou novamente o maior número de praias impróprias o tempo todo: 72 contra 46 no verão anterior. Porém, a participação do Estado nessa lista diminuiu. Enquanto em 2012/2013 o Rio respondia por 71,9% dos pontos inadequados de todo o país, a proporção caiu para 47,7%.

Contribuiu para isso o fato de que os estados com nenhuma praia poluída em todo o verão anterior (Alagoas, Maranhão, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Sergipe) agora totalizaram 31 praias impróprias. Também houve aumento de pontos contaminados em outras localidades – por exemplo, a Bahia passou de um para 13; Alagoas, de nenhum para dez; e Espírito Santo, de cinco para 14.

Veja as condições das praias do litoral brasileiro

  • Divulgação

Em termos percentuais, o Maranhão tomou do Rio de Janeiro o primeiro lugar em locais inadequados para o banho o verão inteiro (pela ordem, 41,67% contra 28,46% do total monitorado). Entretanto, o Estado nordestino tem o menor número de pontos sob medição no país (12, cinco deles impróprios), e o Rio, o maior (253).
Paraná e Rio Grande do Sul apresentaram apenas uma praia poluída o verão todo cada, mas o Estado gaúcho levou vantagem na proporção (tem 57 locais monitorados, ante 51 paranaenses).

Sujeira na praia do Leblon

  • Banhistas não deixam de frequentar

Os resultados se baseiam na verificação, pelo UOL, dos relatórios de balneabilidade de 1.235 pontos a partir de 21 de dezembro passado, início do verão. Algumas praias têm mais de um local de medição: na de Maragogi, na cidade de mesmo nome, em Alagoas, são sete - quatro deles não recomendados em todas as análises.

Entrar no mar em praias impróprias para banho pode resultar em doenças de pele e problemas no estômago. A cura pode levar semanas, e alguns tratamentos podem exigir o uso de antibióticos.

Estados se explicam e anunciam medidas

A Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro divulgou, em janeiro, investimentos de R$ 150 milhões do Estado e da prefeitura na despoluição de seis praias até o final do ano: da Bica (zona norte), Urca, Leme, Ipanema e Leblon (zona sul) e São Conrado (zona oeste).

Denominado programa Sena Limpa, o trabalho está sendo feito em conjunto com o Inea (Instituto Estadual do Ambiente), a Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos), a Rio Águas e a Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana).

Sena Limpa

  • Tânia Rêgo/Agência Brasil

    Programa de despoluição já começa com atraso

No Maranhão, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais menciona que as cinco praias impróprias para banho durante todo o verão estão “interditadas”, conforme decisão judicial decorrente de uma ação impetrada pelo Ministério Público Federal nesse Estado.

A interdição, conforme apurou o UOL, consiste apenas em uma recomendação para que banhistas não entrem nesses locais, contaminados por causa do esgoto levado ao mar, especialmente em períodos de chuva ou quando cresce o número de frequentadores - razões apontadas pela secretaria.

Um grupo formado por órgãos municipais, estaduais e federais (o Ibama) “elabora continuamente diagnósticos da situação da poluição das praias e rios de São Luís e da região metropolitana” e planeja estratégias para amenizar o problema.

A Caema (Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão) diz, também em nota, executar um programa de despoluição de rios. Com verbas estaduais e federais, consiste em medidas como a construção de estações de tratamento e de redes coletoras e interceptoras de esgoto.

 

Na Bahia, a especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos Claudia Lima, do Inema (Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos), relata estar sendo iniciada “uma pesquisa de organismos patogênicos” nas praias que foram classificadas sistematicamente como impróprias no verão.

Claudia menciona que a média de chuvas subiu neste ano, na comparação com períodos anteriores. Com mais precipitações, segundo ela, eleva-se também a sujeira que chega ao mar por meio de galerias pluviais, córregos e canais de drenagem. Ela ressalta que as praias fora de Salvador onde houve problemas “são pontos novos que começaram a ser monitorados a partir de janeiro”.

O diretor de Recursos Hídricos do Iema (Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Espírito Santo), Robson Monteiro, destaca que as "fortes chuvas" no Estado entre dezembro e o início de janeiro, em que houve “transporte de lixo e sedimentos” para o mar, afetaram a balneabilidade - inclusive na capital, Vitória, onde o monitoramento é feito pela prefeitura.
 
Segundo Monteiro, a solução "requer atuação conjunta de municípios, Estado, governo federal e dos comitês de bacias hidrográficas". Por parte do Iema, ele destaca investimentos em melhoria do uso do solo, regularização do uso da água em atividades potencialmente poluidoras e a elaboração de um sistema de qualidade dos rios que abastecem a população da região metropolitana de Vitória.
 
Até a conclusão desta reportagem, o órgão ambiental de Alagoas, onde aumentou de nenhuma para dez o número de praias poluídas durante todo o tempo, não respondeu ao contato do UOL.

No RS, questão “interestadual”

Apesar de não ter sido exceção no rol de estados com praias contaminadas, o Rio Grande do Sul teve apenas um ponto impróprio durante todo o verão entre os 57 analisados: a Praia Grande, a 200 metros da foz do rio Mampituba, na cidade de Torres.

Essa situação se explica de forma “interestadual”, de acordo com Ana Rosa Severo Bered, chefe do Departamento de Qualidade Ambiental da Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luíz Roessler): o rio Mampituba, que corre nos estados gaúcho e de Santa Catarina.

Do lado catarinense, um dos pontos classificados o verão inteiro como impróprio para banho é denominado braço morto do rio Mampituba, no município de Passo de Torres, vizinho a Torres. “Para resolver essa situação, teria que ser estudada uma ação integrada entre os dois estados, o que não está ocorrendo”.

O gerente de Pesquisa e Análise da Qualidade Ambiental da Fatma (Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina), Haroldo Tavares Elias, disse que “todos os pontos listados [como impróprios no Estado] têm interferência de rios ou córregos. Ou, até, tubulações de drenagem pluvial que recebem lançamento de esgotos e, por sua vez, causam os níveis de contaminação registrados”. Sobre a interferência no Rio Grande do Sul, não se manifestou.

Em Santos (SP), programa experimental

A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e a Unisanta (Universidade Santa Cecília), com apoio técnico da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado), iniciarão em abril os testes de uma metodologia que poderá permitir o monitoramento diário da balneabilidade das praias e a elaboração de previsões sobre a qualidade da água. Atualmente, as análises são semanais.

Praias paulistas estão mais poluídas

  • Mesmo com aumento de saneamento básico

Esse trabalho, pioneiro no país, será desenvolvido em Santos (72 km de São Paulo). A cidade foi escolhida por ter 100% de esgoto tratado (à exceção das favelas) e um sistema automatizado de comportas que barra o lançamento de resíduos no mar quando não está chovendo, explica o diretor de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente da Sabesp, João Paulo Tavares Papa.

Segundo Papa - que foi prefeito de Santos entre 2005 e 2012 -, a empresa dispõe de um equipamento para fazer análises biomoleculares “de qualquer organismo vivo”, com resultados disponíveis em duas a quatro horas. A novidade será a tentativa de aplicar esse trabalho na medição da qualidade da água do mar.

O equipamento destinado às análises pretendidas por Papa está em um laboratório da Cetesb em São Paulo. Se as simulações na água do mar forem bem-sucedidas, o aparelho será transferido para Santos, na EPC (estação de pré-condicionamento de esgoto) do bairro José Menino.

“O objetivo maior é conseguir informações em tempo real sobre a qualidade da água”, confirma o diretor, sem estabelecer prazos. Ele destaca que testes com finalidade semelhante estão sendo desenvolvidos na Califórnia (Estados Unidos), ainda sem resultados definitivos.
 

Praias impróprias durante o verão

EstadoCidadePraiasNúmero de pontosTotal por Estado
ALJaparatingaJaparatinga1 
ALMaceióAvenida (Av. Assis Chateaubriand, interseção com a R. Barão de Anadia), Avenida (Av. Assis Chateaubriand, interseção com a R. Dias Cabral), Cruz das Almas (Av. Brigadeiro Eduardo Gomes, entre as ruas Mascarenhas de Brito e Padre Luiz Américo Galvão), Pontal da Barra (Av. Assis Chateaubriand, ± 500 m ao norte do emissário da Casal)4 
ALMaragogiMaragogi (em frente à foz do rio Persinunga), Maragogi (em frente à foz do rio Salgado), Maragogi (em frente à Praça Multieventos), Maragogi (Foz do Rio Maragogi)4 
ALPorto de PedrasRio Tatuamunha (projeto Peixe-Boi/Santuário)110
BAIlhéusMalhado, Marciano2 
BAItaparicaAmoreiras, Mar Grande2 
BASalvadorArmação, Boca do Rio, Cantagalo, Corsário (em frente ao posto salva-vidas), Corsário (em frente ao posto salva-vidas Patamares), Pedra Furada, Periperi, Roma8 
BASaubaraCabuçu113
CEFortalezaAvenida Leste Oeste (Colônias), Avenida Leste Oeste (HORTA DA COMUNIDADE)22
ESAracruzRio Sahy1 
ESSerraLagoa Carapebus1 
ESVila VelhaFoz do Rio Jucu, Lagoa Jabaeté, Praia do Ribeiro, Vila Velha4 
ESVitóriaCanal da Passagem, Castanheiras, Camburi (canal de Camburi, ao lado direito do píer de Iemanjá), Santa Helena (100 m à direita da ponte da Ilha do Frade / Pça. dos Desejos), Canto (80 m à direita do Iate Clube), Canto (80 m à esquerda da ponta da Ilha do Frade), Suá (praia do Meio – embaixo da terceira ponte), Santo Antônio814
MASão LuísFoz do Rio Calhau, Foz do Rio Claro, Foz do Rio Jaguarema, Foz do Rio Olho de Porco, Calhau (lado direito da praia)55
PBCabedeloJacaré1 
PBJoão PessoaManaíra12
PEOlindaBairro Novo (Av. Min. Marcos Freire, 2039, em frente ao quartel da PE), Bairro Novo (Av. Min. Marcos Freire, 1387, por trás do colégio Bairro Novo), Farol, Rio Doce (R. Frederico Lundgren, em frente à entrada para Rio Doce)4 
PEPaulistaConceição, Pau Amarelo2 
PESirinhaémBarra do Sirinhaém (em frente à escola municipal Leonildo da Silva), Barra do Sirinhaém (em frente ao loteamento Ondas da Barra)28
PRAntoninaPonta da Pita11
RJAngra dos ReisAbraão, Anil, Bonfim, Camorim, Enseada, Frade, Itinga, Jacuecanga, Monsuaba, Jardim10 
RJAraruamaAreal (em frente à Rua Copacabana), Areal (em frente à Rua Gama), Barbudo (ao lado da saída do canal Itajuru), Iguabinha (em frente à R. Washington Luiz)4 
RJCabo FrioPalmeiras, Passagem2 
RJCasimiro de AbreuPontal1 
RJIguaba GrandeIguaba Grande (em frente à R. Bolívia1 
RJItaguaíCoroa Grande (em frente à R. Santa Tereza ou ao lado direito do píer), Coroa Grande (em frente ao nº 1065, do lado esquerdo do canal), Coroa Grande (em frente ao nº 2061, do lado direito do canal)3 
RJMacaéAeroporto, Barra, Forte3 
RJMagéAnil, Ipiranga, Mauá, Piedade4 
RJMangaratibaConceição de Jacareí (100 m à esquerda do costão rochoso ou 50 m à direita da foz do canal), Conceição de Jacareí (em frente à igreja de Santo Antônio), Conceição de Jacareí (em frente à R. Wanderley do Nascimento Simões), Itacuruça (em frente à Capitania dos Portos ou ao lado esquerdo do píer), Itacuruça (em frente ao nº 233), Mangaratiba, Muriqui (em frente à R. Espírito Santo)7 
RJMaricáAraçatiba1 
RJNiteróiCharitas (lado direito do Clube Naval de Charitas), Gragoatá, Icaraí (à esquerda da pedra de Itapuca), Icaraí (em frente à Pça. Getúlio Vargas), Icaraí (em frente à R. Mariz e Barros), Jurujuba (em frente à Colônia de Pescadores), São Francisco (em frente à Rua Caraíbas)7 
RJParatyPontal, Praia Grande de Corumbê2 
RJRio das OstrasCemitério, Tartaruga (R. Jequitibá)2 
RJRio de JaneiroCemitério, Tartaruga (R. Jequitibá)20 
RJSão Francisco de ItabapoanaSossego1 
RJSão João da BarraAtafona (em frente à caixa d'água da Cedae), Atafona (em frente ao nº 560)6 
RJSão Pedro da AldeiaAldeia, Ponta d'Aldeia272
RNNísia FlorestaPirangi do Sul (foz do rio)1 
RNParnamirimRio Pium (balneário Pium), Rio Pium (ponte nova)23
RSTorresPraia Grande (a 200 m da foz do rio Mampituba)11
SCBalneário CamboriúTaquaras (lagoa de Taquaras)1 
SCBarra VelhaLagoa de Barra Velha1 
SCFlorianópolisLagoa da Conceição (em frente à R. Manuel Isidoro da Silveira), Armação do Pântano do Sul (foz do rio Sangradouro – no rio), Beira-Mar Norte, Ponta das Canas (altura do nº 5.281 da estrada geral – na lagoa), Jardim Atlântico5 
SCIçaraRincão (arroio da praia do Rincão)1 
SCNavegantesNavegantes (em frente à rua 7000 – Posto 6 salva-vidas)1 
SCPasso de TorresBraço Morto do Rio Mampituba, Passo de Torres1 
SCSão JoséGuararema112
SENeópolisNeópolis1 
SESão FranciscoPovoado Saúde12
SPGuarujáPerequê1 
SPPraia GrandeAviação, Jardim Solemar, Maracanã, Vila Mirim, Vila Tupi56
    Brasil = 151

 

Mais Cotidiano