PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Após ser amarrado a poste, homem registra queixa como vítima em SP

Uma foto do homem suspeito de roubar uma mulher em Praia Grande, São Paulo, está gerando comentários nas redes sociais - Facebook/Praia Grandi Mil Grau
Uma foto do homem suspeito de roubar uma mulher em Praia Grande, São Paulo, está gerando comentários nas redes sociais Imagem: Facebook/Praia Grandi Mil Grau

Rafael Motta

Do UOL, em Santos (SP)

25/03/2014 12h46

Um homem suspeito de assaltar uma mulher em Praia Grande (71 km de São Paulo) foi perseguido, capturado e amarrado a um poste, com a cabeça coberta por uma camisa, no final da tarde desta segunda-feira (24). Levado à delegacia, ele foi solto no início da noite.

A ação popular ocorreu na Rua São Caetano, no bairro Boqueirão, a aproximadamente 300 metros do 1º DP (Distrito Policial). Segundo uma testemunha, o marido da vítima, que teve a aliança roubada, perseguiu o acusado e o atingiu com seu carro. Apanhado, o homem teria devolvido a joia.

Como a mulher não foi identificada e deixou o local antes da chegada da Polícia Militar, não foi registrada queixa. O homem preso – Cleber dos Santos Barreto, 19 – foi levado ao distrito da cidade, onde registrou ocorrência por agressão.

Conforme informações obtidas pelo UOL no 1º DP, Barreto disse ter ingerido bebida alcóolica e usado cocaína, mas não confessou o roubo. Alegou ter sido agredido e, no boletim de ocorrência, consta como vítima. Como a aliança não estava com ele, não houve registro de flagrante. Ele foi solto logo depois.

Cabeleireiro há oito anos em um salão próximo ao local da ocorrência, Thiago Felipe acompanhou a perseguição. “O motorista de um carro jogou um capacete nele [Santos] e o derrubou com o carro”, disse.

“Depois, ele ficou na rua, jogado, e levou uns tapas. Começou a juntar muita gente e uma mulher queria dar vassouradas no rapaz, mas eu a tirei de cima dele. Como a polícia estava demorando, decidiram amarrá-lo num poste até a PM chegar, o que levou uns 40 minutos”, disse Felipe.

Fotos do suspeito foram publicadas numa página da rede social Facebook e tiveram mais de 400 compartilhamentos até o final da manhã desta terça-feira (25). A maioria dos comentaristas defendeu a atitude dos cidadãos e lamentou a libertação do suspeito.

Cotidiano