PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Brasil bate recorde histórico de homicídios

Gil Alessi

Do UOL, em São Paulo

27/05/2014 10h41

O Brasil quebrou um triste recorde: teve o maior número de pessoas mortas em um ano, segundo dados divulgados nesta terça-feira (27) no Mapa da Violência 2014, que compila dados de 2012. Ao todo, foram 56.337 mortes, o maior número desde 1980. O total supera o de vítimas no conflito da Chechênia, que durou de 1994 a 1996. 

É o dado mais atualizado de violência pelo Brasil e tem como base o Sistema de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, que registra as ocorrências desde 1980.

A taxa de homicídios também alcançou o patamar mais elevado, com 29 casos por 100 mil habitantes. O índice considerado "não epidêmico" pela Organização Mundial da Saúde é de 10 mortes para cada grupo de 100 mil habitantes.

“As ações conjuntas entre Estados e a União para reduzir os homicídios são pontuais. Não existe um enfrentamento nacional, que abranja todas as esferas – municipal, estadual e federal”, afirma Julio Jacobo Waiselfisz, coordenador do estudo.

Para ele, a redução na violência no país passa pela realização de reformas na estrutura da segurança pública, “inclusive com mudanças na policia, no código penal e no sistema penitenciário”.

A média nacional no número absoluto de homicídios cresceu 7% de 2011 a 2012. Roraima, Ceará e Acre foram as unidades da federação com maior aumento: 71,3%, 36,5% e 22,4%, respectivamente.

Apesar de ter reduzido sua taxa de homicídios por 100 mil habitantes, Alagoas ainda lidera o ranking no país com 64,6 casos por 100 mil habitantes, número semelhante ao registrado durante a Guerra do Iraque, de 2004 a 2007. A média nacional é de 29 casos por 100 mil.

Apenas cinco Estados tiveram queda nas taxas de homicídio: Espírito Santo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Paraíba e Alagoas. Santa Catarina e São Paulo possuem as menores taxas de homicídios por 100 mil habitantes: 12,8 e 15,1, respectivamente.

Veja a taxa de homicídio por 100 mil habitantes em cada Estado

  • Alagoas

    63,3

  • Espírito Santo

    47,3

  • Ceará

    44,6

  • Goiás

    44,3

  • Bahia

    41,9

  • Sergipe

    41,8

  • Pará

    41,7

  • Paraíba

    40,1

  • Distrito Federal

    38,9

  • Pernambuco

    37,1

  • Amazonas

    36,7

  • Amapá

    35,9

  • Roraima

    35,4

  • Rio Grande do Norte

    34,7

  • Mato Grosso

    34,3

  • Rondônia

    32,9

  • Paraná

    32,7

  • Rio de Janeiro

    28,3

  • Acre

    27,5

  • Mato Grosso do Sul

    27,1

  • Tocantins

    26,2

  • Maranhão

    26

  • Minas Gerais

    22,8

  • Rio Grande do Sul

    21,9

  • Piauí

    17,2

  • São Paulo

    15,1

  • Santa Catarina

    12,8

Mortes no trânsito

O número de mortos em acidentes de trânsito no país cresceu 38,3% no período de 2002 a 2012, de acordo com dados do Mapa da Violência 2014. Considerando o aumento populacional no período, o crescimento foi de 24,5%.

O que os pré-candidatos dizem sobre segurança pública

  • Sérgio Lima/Folhapress

    Aécio Neves, pré-candidato do PSDB à Presidência da República

    "Hoje, o governo federal é criminosamente omisso no que diz respeito à segurança pública (...)A União, que tem responsabilidade de cuidar das nossas fronteiras, de coibir o tráfico de drogas e o tráfico de armas, é, hoje, quem menos gasta"

  • Roberto Stuckert Filho/PR

    José Eduardo Cardozo, ministro de Dilma Rousseff (PT), em resposta a Aécio

    "A coisa mais concreta que ele [Aécio] propôs foi a mudança no nome do Ministério. O Ministério da Justiça tem que ser indutor e não repassador. O ministério não é a Casa da Moeda, é parceiro do Estado. Em segurança pública, não existe hierarquia entre União e Estados"

  • Jorge Araujo/Folhapress

    Eduardo Campos, pré-candidato do PSB à Presidência da República

    "A Federação está desafiada a organizar, sim, um sistema nacional de segurança pública. Esse é um desafio de todos nós, governadores, de todos os prefeitos e é também um desafio do governo federal"

Cotidiano