PUBLICIDADE
Topo

Após fechar av. 23 de Maio, em SP, MTST protesta no sindicato da habitação

Policiais do Batalhão de Choque protegem a entrada do Secovi, que fica na Vila Clementino, zona sul da capital paulista - Divulgação/Facebook
Policiais do Batalhão de Choque protegem a entrada do Secovi, que fica na Vila Clementino, zona sul da capital paulista Imagem: Divulgação/Facebook

Do UOL, em São Paulo

18/06/2014 16h31Atualizada em 18/06/2014 19h07

Após bloquearem todas as faixas da avenida Vinte e Três de Maio, uma das mais importantes da zona sul, manifestantes do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) protestaram na tarde desta quarta-feira (18) em frente ao Secovi, o sindicato da habitação, que fica na Vila Clementino.

Por volta de 17h45, as ruas Luís Góis e Dr. Bacelar, que ficam em frente ao Secovi, foram liberadas. A entidade representa as empresas do ramo de habitação, como imobiliárias, incorporadoras e construtoras. Policiais do Batalhão de Choque fizeram um cordão em frente ao prédio do sindicato. 

A manifestação foi organizada para exigir a votação do Plano Diretor, que está em discussão na Câmara Municipal. De acordo com o MTST, 7.000 pessoas participam do ato, que começou na rua Vergueiro. Já segundo a Polícia Militar, foram 1.200 manifestantes.

O MTST afirma que o Secovi pressiona os vereadores para que não sejam atendidas as demandas dos movimentos, como a criação de áreas para habitações populares. Para o movimento, a entidade é um símbolo da especulação imobiliárias que ocorre na cidade. Uma bandeira do movimento foi hasteada no lugar de outras que estavam nos mastros em frente ao prédio. 

Por meio de nota, o Secovi afirmou que "trabalha há 68 anos para viabilizar o acesso à moradia a todos os cidadãos paulistas e paulistanos". Sobre o Plano Diretor, a entidade disse que tem exercido seu direito de participar de audiências e assembleias para apriomorar a proposta. "Muitas das sugestões apresentadas pelo Secovi-SP se destinam a tornar factível a produção de Habitação de Interesse Social (moradias populares)."

A função do Plano Diretor é organizar o crescimento da cidade, criando regras para a ocupação do solo e a para a construção de edifícios. O projeto de lei está em tramitação na Câmara desde o início do ano. A matéria já foi aprovada em primeira votação e precisa passar por outra votação antes de ir à sanção do prefeito Fernando Haddad. 

Nas semanas que antecederam a Copa do Mundo, o MTST organizou uma série de protestos, um deles até o Itaquerão. O movimento teve algumas de suas reivindicações atendidas pelo governo federal, como mudanças no programa Minha Casa, Minha Vida e a criação de uma comissão, no âmbito da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, para monitorar despejos nas grandes cidades. Depois que as reivindicações foram atendidas, o movimento cessou os protestos. 

Trânsito e rodovias

A lentidão no trânsito em São Paulo estava dentro da média às 17h30 desta quarta-feira (18), na saída para o feriadão de Corpus Christi. Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), 126 km de vias estavam congestionadas. A média histórica para o horário fica entre 93 e 152 km. A CET monitora 868 km de vias, o que representa pouco mais de 5% da malha viária da capital.
 
As vias com os maiores congestionamentos eram as marginais Tietê e Pinheiros e o corredor Norte-Sul.
 
A situação é boa na maioria das rodovias que ligam a capital paulista ao interior, litoral e a outros Estados. Só há registro de lentidão na Castello Branco, Régis Bittencourt e Dutra. Nas demais rodovias, o trânsito flui bem.
 
A Castello está com lentidão, sentido interior, do km 19 ao km 24 na pista expressa e do km 21 ao km 24 na pista marginal, em Osasco. Na chegada a São Paulo, há lentidão do km 14 ao km 13 na pista marginal, também em Osasco.
 
A Dutra está com lentidão do km 227 ao km 223, pista marginal, sentido Rio, em Guarulhos. A Régis apresenta lentidão na pista sentido Curitiba, do km 341 ao km 345, em Miracatu (SP)

A Ecovias vai implementar a Operação Descida no sistema Anchieta Imigrantes, com sete faixas para a Baixada e apenas três para a capital. A Operação Subida será acionada no domingo, a partir das 10h, com oito pistas em direção a São Paulo.

No litoral norte, o Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A), que administra a Nova Tamoios, prevê movimento nesta quarta e recomenda a volta antes das 9h de domingo.

Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), 1,7 milhão de veículos devem deixar a cidade de São Paulo para o feriadão.

Hoje é o último dia de rodízio nesta semana. A restrição vale para veículos com placas que terminam em 5 ou 6, das 7h às 10h e entre 17h e 20h. Depois, a regra só voltar a valer na próxima segunda (23). 

Cotidiano