PUBLICIDADE
Topo

Motorista de ônibus atingido por viaduto foi "heroína", diz irmão

Velório de Hanna Cristina dos Santos, 25, motorista de ônibus que morreu após queda de alça do viaduto Guararapes, em Belo Horizonte (MG) - Rayder Bragon/UOL
Velório de Hanna Cristina dos Santos, 25, motorista de ônibus que morreu após queda de alça do viaduto Guararapes, em Belo Horizonte (MG) Imagem: Rayder Bragon/UOL

Rayder Bragon

Do UOL, em Belo Horizonte

04/07/2014 12h48Atualizada em 05/07/2014 07h53

A motorista Hanna Cristina dos Santos, 26, que dirigia o ônibus atingido pela queda do viaduto Batalha de Guararapes, na região da Pampulha, em Belo Horizonte, na quinta-feira (3), foi um heroína e evitou a morte de várias pessoas, afirmou o irmão da vítima, Tiago Carlos dos Santos.

Tiago, 28, também é motorista e se revezava com a irmã na condução do ônibus, que fazia o itinerário Conjunto Felicidade ao Shopping Del Rey.

Durante o velório da irmã, no cemitério Bosque da Esperança (zona norte de Belo Horizonte), Tiago contou ao UOL o relato feito pela sua mulher,  Cristina, que era cobradora na mesma linha e trabalhava com Hanna no momento do acidente.

O relato dá conta de que, quando notou que o viaduto ia cair, Hanna empurrou sua filha de cinco anos, Ana Clara dos Santos, para trás, freou o ônibus e o jogou para a esquerda. Assim, contou Tiago, ela evitou a morte não apenas da filha, mas de vários outros passageiros.

Muito abalada e bastante ferida, a cobradora Cristina compareceu ao velório em uma cadeira de rodas, mas não quis dar declarações à imprensa. 

Já o pai de Hanna, o motorista aposentado José Antonio dos Santos, 61, atribuiu a morte da filha à pressa em entregar as obras da Copa. 

“A pressa por causa de jogo da Copa do Mundo é que fez eles [responsáveis pela obra] tirarem o calço [escoras de sustentação] antes da hora", disse ele. 

Segundo José Antonio, os responsáveis estavam mais preocupados com a retirada do entulho no local, para que a via fosse liberada, do que com as vítimas.

"A dor é muito grande em saber que perdi minha filha por causa de uma irresponsabilidade", acrescentou. 

A família entrará na Justiça "para que sirva de exemplo e não aconteçam mais essas irresponsabilidades", afirmou.

O enterro de Hanna está previsto para as 17h.

Além de Hanna, morreu no desabamento Charles Frederico Moreira do Nascimento, 25, cujo Fiat Uno foi esmagado na queda do viaduto. Outras 23 pessoas ficaram feridas.

Investigação

O prefeito de Belo Horizonte Márcio Lacerda determinou nesta sexta-feira a criação de uma comissão para investigar as causas do desabamento do viaduto.

A prefeitura convocou os envolvidos na obra para fazer um "levantamento de todos os dados que envolvem o ocorrido, elaborar um diagnóstico das causas do acidente e definir as providências que serão tomadas".

Foram convocados técnicos da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura de Belo Horizonte, da Defesa Civil, da Cowan, empresa responsável pelas obras, e da Consol, responsável pelo projeto. 

Leia mais sobre o desabamento em BH

Cotidiano