Topo

Após ser acusada de fomentar violência contra mulher, loja recolhe camiseta

Reprodução/Facebook
Montagem com a fachada das lojas Pernambucanas e a camiseta que deu início a acusações de fomento à violência contra a mulher a partir de postagem nas redes sociais Imagem: Reprodução/Facebook

Eduardo Schiavoni

Do UOL, em Americana (SP)

2014-11-27T15:43:21

27/11/2014 15h43

As Lojas Pernambucanas irão retirar de circulação todos os exemplares de uma camiseta acusada de fomentar a violência contra a mulher.

A peça de roupa, em preto, traz um jogo da forca no qual um boneco feminino está pendurado e a palavra namorada, com as letras M e R faltando, está escrita abaixo. A peça começou a ser tirada das lojas na tarde desta quinta-feira (27).

Um modelo da peça de roupa foi fotografado por uma consumidora na loja das Pernambucanas em Catanduva (a 385 km de São Paulo) pela manhã. Pouco depois, foi postada em uma página do Facebook. Houve intensa repercussão, com a imagem sendo curtida mais de 5.000 vezes em pouco mais de uma hora.

“A loja deve ignorar completamente o número de feminicídios que existe hoje no Brasil ou não se importa, ou ainda acha engraçado que as mulheres morram, porque resolveu fazer piada com a desgraça de milhares de mulheres vítimas do machismo e da misoginia. Lojas Pernambucanas, não tem graça nenhuma, é misógino, é machista, e nós repudiamos”, afirmou a página "Feminismo sem Demagogia" no Facebook.

Procurada, a rede informou que lamenta o ocorrido e que irá retirar de suas unidades todas as camisetas com a estampa. “Em relação à reclamação endereçada através de uma rede social sobre a estampa de uma de suas camisetas, a Pernambucanas informa que, em respeito às pessoas que se sentiram ofendidas por ela, está retirando o produto de todas as suas lojas a partir desta tarde”, informou a empresa, em nota.

Ainda segundo o comunicado, a empresa “tem como compromisso servir a sociedade brasileira e ouvi-la faz parte dessa relação histórica de confiança”.

Reações

As reações provocadas pela camiseta incluíram tanto pessoas que apoiaram a retirada de circulação do material quanto pessoas que consideram a medida um exagero. Mana Malta é uma das que se enquadra no segundo grupo. “Acho um exagero. Tem coisa mais importante para causar preocupação”, comentou.

Carl Barão concorda com Mana. “Agora neste país nada pode. Se fosse um homem e escrito namorado, iria rir (…). Se tivermos uma população bem orientada isto apenas seria uma simples piada como fazem de gays, velhos, surdos, aleijados e tantos outros perfis anormais para a sociedade. Vamos parar de transformar tudo em monstruosidade”, disse.

Já Celisa Melo acredita que a imagem faz, sim, apologia à violência contra a mulher. “O pior mesmo dessa imagem, é a apologia velada ao feminicidio. Nossa sociedade tem que encarar de frente o combate a violência, seja de gênero, seja de raça, seja lá qual for.”

Mais Cotidiano