PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Homenagens marcam missa de adolescente morta após estupro coletivo no Piauí

Folheto entregue durante a missa de sétimo dia da adolescente Danielly Rodrigues Ferreira, que foi estuprada e agredida juntamente com amigas, no Piauí. Danielly morreu após 12 dias internada em hospital - Reprodução/Aline Alves
Folheto entregue durante a missa de sétimo dia da adolescente Danielly Rodrigues Ferreira, que foi estuprada e agredida juntamente com amigas, no Piauí. Danielly morreu após 12 dias internada em hospital Imagem: Reprodução/Aline Alves

Aliny Gama

Do UOL, em Maceió

13/06/2015 18h46

A missa de 7º Dia da adolescente Danielly Rodrigues Ferreira, 17, ocorrida neste sábado (13), foi marcada por emoção e homenagens na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Desterro, em Castelo do Piauí, região norte do Estado.

A garota e mais três amigas, todas adolescentes, foram vítimas de estupro coletivo quando chegavam ao Morro do Garroto, zona rural de Castelo do Piauí, para tirar fotos na tarde do dia 27 de maio. Quatro adolescentes e um homem de 40 anos são acusados do crime. Os menores foram apreendidos e o homem está preso.

A adolescente morreu após 12 dias internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do HUT (Hospital de Urgência de Teresina). Danielly deu entrada no hospital desacordada, com traumas na cabeça e no tórax. Ela passou por cirurgias para conter hemorragias e corrigir o traumatismo craniano, mas morreu no último dia 7.

Familiares e amigos da adolescente leram textos e distribuíram missais com a foto de Danielly para quem participou da missa.

Segundo uma amiga das jovens atacadas, Aline Raquel Alves, a igreja ficou lotada e muita gente teve de assistir a celebração do lado de fora.

“Falei com o pai de Danielly e ele disse que a missa foi bonita, teve muita gente também”, contou. Aline Alves disse que no próximo dia 22 haverá a missa de 15º Dia e amigos estão preparando camisetas com a foto de Danielly. A celebração ocorrerá na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Desterro.

Violência

Investigações da polícia apontaram que as jovens foram amarradas em árvores e espancadas, levando pontapés, pedradas e pauladas. Depois ficaram desacordadas, foram estupradas, arrastadas e jogadas de cima de um penhasco da altura de um prédio de três andares. Uma das garotas ainda continua internada no HUT (Hospital de Urgência de Teresina).

Os jovens foram ouvidos pela Justiça na 2ª Vara da Infância e da Juventude, localizada em Teresina, na última quinta-feira (11). Por envolver menores de idade, o processo corre em segredo de Justiça e os depoimentos não foram divulgados.

A sentença do julgamento dos menores só será divulgada após a Justiça ouvir os depoimentos das vítimas e de familiares, ainda sem data definida. A Justiça tem o prazo de até 45 dias a partir da data do crime --que se esgota em 10 de julho – para concluir todo o processo e definir as medidas a serem aplicadas aos acusados.

O promotor Cesário Cavalcante afirmou neste sábado (13) que já concluiu a denúncia contra Adão José de Sousa e deverá entregar o documento na próxima segunda-feira (15) à Justiça. Com a denúncia, o acusado torna-se réu na ação e será citado para se defender em até 10 dias.

“É diferente da situação dos menores. Adão de Sousa é citado para se defender com advogado ou com defensor público e tem dez dias para oferecer defesa e arrolar testemunhas”, explicou o promotor.

Sousa está preso no isolamento do Presídio Carlos Gomes, localizado em Altos (região metropolitana de Teresina). Já os menores estão isolados no Ceip (Centro Educacional de Internação Provisória), na zona sudeste de Teresina.

Campanha

As adolescentes que receberam alta não voltaram para Castelo do Piauí. Segundo familiares, elas estão traumatizadas e as famílias estão se esforçando para se mudarem para outra cidade.

Amigos das quatro jovens criaram o grupo "Flores para Elas" a fim de arrecadar doações e demostrar apoio às adolescentes e suas famílias.

Durante o período em que as meninas ficaram internadas, flores foram depositadas na calçada do HUT. Além disso, um grupo capta dinheiro para ajudar financeiramente as jovens, que são de famílias carentes. Na última segunda-feira (8), foi criada uma conta no site Vakinha para facilitar as doações.

Dados contabilizados até a tarde deste sábado (13) mostram que a arrecadação atingiu o valor de R$ 22.605,00, superando a meta de juntar R$ 5.000. As doações estão abertas a qualquer pessoa até o dia 22. Para doar, basta entrar na página da campanha, fazer o cadastro e seguir as orientações do site.

Cotidiano