Com real desvalorizado, argentinos lotam Brasil; fluxo é 35% maior que 2015

Flávio Ilha

Colaboração para o UOL, em Porto Alegre

  • Fabian Ribeiro/Agência Free Lancer/Estadão Conteúdo

    Turistas fazem fila para aguardar atendimento na Polícia Federal de Santana do Livramento (RS)

    Turistas fazem fila para aguardar atendimento na Polícia Federal de Santana do Livramento (RS)

A Polícia Rodoviária Federal do Rio Grande do Sul (PRF/RS) estimou nesta segunda-feira (4) que o fluxo de turistas argentinos que ingressam no Brasil pelas fronteiras terrestres aumentou 35% neste ano em relação à temporada 2014/2015.

De acordo com o órgão, desde o dia 1º de janeiro de 2016 já entraram no país 40 mil visitantes, com destino principalmente às praias do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. O fluxo é resultado de uma combinação entre o real desvalorizado em relação ao dólar (48,5% em 2015) e o fim das restrições sobre a compra de moeda estrangeira que vigorava no país vizinho.

Durante todo o final de semana, longas filas de turistas se formaram nas aduanas de Uruguaiana e de São Borja, na fronteira com a Argentina, e de Santana do Livramento, na divisa com o Uruguai. Só em Uruguaiana, segundo o porta-voz da PRF no Estado, Alessandro Castro, mais de 25 mil visitantes ingressaram no país em apenas três dias.

De acordo com Castro, o movimento observado desde o início de dezembro se intensificou nos últimos dias do ano -- indicando um veraneio histórico, com previsão de 500 mil turistas. "Se somarmos os ingressos por outras fronteiras do Estado, o contingente de turistas só no fim de semana prolongado passou de 35 mil pessoas", informou.

É o maior movimento de turistas em direção às praias da região Sul e a outros destinos, como Gramado e Canela, desde o verão de 2010. Fluxo semelhante, mas levemente menor, só foi observado entre junho e julho de 2014, com os jogos da Copa do Mundo. Em junho daquele ano, a Polícia Federal (PF) estimou o ingresso de 68,8 mil argentinos no Brasil pelos sete pontos de entrada.

Para o jogo entre Argentina e Nigéria, no dia 25 de junho, ingressaram no país 23 mil turistas argentinos pelas fronteiras terrestres, além de aeroportos e rodoviárias. A final contra a Alemanha, no Rio de Janeiro, no dia 13 de julho, teve registro de 20 mil torcedores entrando pelo Rio Grande do Sul. O fluxo médio diário de migrações, segundo a PF, variou de 300 a 350 turistas.

O gerente comercial da Mercovia, concessionária na Ponte da Integração entre São Borja (RS) e Santo Tomé (província de Misiones), Alcir Jordani, estimou em 30% o aumento no fluxo de turistas em direção ao Brasil. "O movimento vai se intensificar ainda mais em janeiro e deve se estender pelo menos até o final de fevereiro, após o Carnaval", disse.

Nos hotéis de São Gabriel, que ficam no meio do caminho entre a região de Buenos Aires e o litoral norte do Rio Grande do Sul, o movimento também é intenso. O gerente do hotel San Isidro, Alex David Machado, afirmou que há seis anos o estacionamento da hospedagem não ficava lotado apenas de carros argentinos.

"Todos os 150 apartamentos já estão reservados para a próxima troca de turistas, na segunda quinzena de janeiro", informou.

O sindicato dos hotéis, restaurantes e bares do litoral norte do Rio Grande do Sul estimou que seis em cada dez hóspedes são argentinos. A ocupação de leitos em janeiro deve ficar em torno de 98% na região.

"Fazia seis anos que não víamos essa avalanche. E, ao contrário de anos anteriores, eles não estão chorando por preço baixo. Quem assumiu esse papel foi o consumidor brasileiro", disse a presidente do sindicato, Ivone Ferraz.

Além da desvalorização do real, o governo de Maurício Macri, que tomou posse em dezembro, contribuiu para o aumento das viagens ao decretar o fim do imposto de 35% sobre a compra de pacotes turísticos pelos argentinos. Com o fim da taxação, é possível programar o pagamento em peso e parcelar a compra em até 18 meses.

O presidente da seção gaúcha da Agência Brasileira de Agentes de Viagens (Abav), João Augusto Machado, disse que o setor está otimista com a projeção de até 500 mil turistas neste verão. "As reservas estão acima da expectativa e janeiro começou muito bem. O segmento de receptivos [que recebe turistas] está compensando a baixa no mercado de deslocamento de brasileiros, que reduziu sensivelmente", avaliou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos