Presidiárias brilham no concurso de Miss Prisional em Belo Horizonte

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

Por algumas horas desta sexta-feira (10), no presídio feminino Estevão Pinto em Belo Horizonte, os uniformes vermelhos e chinelos de borracha das presidiárias cederam lugar a roupas elegantes e sandálias de salto alto.

Superelegante, com cabelos tratados, maquiagem, tiara, brincos e um vestido rosa incrustado de pedrinhas brancas, Marcela Moreira Gagnani, 26, venceu o concurso de Miss Prisional 2016, em Minas Gerais.

"Aqui no concurso somos todas vencedoras. Estou muito feliz", afirmou Marcela Gagnani, logo após ser escolhida pelo júri. Ela cumpre pena no presídio feminino de São Joaquim de Bicas (MG), na região metropolitana da capital.

Com 1,74 m de altura, 56 kg, Marcella é fã da atriz Grazielli Massafera e seu filme preferido é o "Diabo Veste Prada". Natural de Belo Horizonte, seu sonho é a "liberdade".

"A vitória representa uma força muito grande para acabar de cumprir a pena e recuperar a liberdade", disse a Miss Prisional 2016.

Marcela Gagnani concorreu com dezenas de candidatas que enfrentaram as seletivas da terceira edição do certame que elege a mais bela presidiária de Minas Gerais entre as 2.970 mulheres presas no Estado. Ela recebeu pela conquista a produção de um book com dez fotografias e uma bolsa vermelha do designer Roberto Vascon, um dos jurados.

A miss Contagem (MG) Ludmila Werneck, presidiu o júri, que ainda foi composto por Vascon, pelo radialista Eduardo Costa e pelo conselheiro da seção nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) Adilson Rocha. As candidatas foram avaliadas nos quesitos simpatia, postura, corpo, rosto e desenvoltura.
 
Com a presença de convidados, imprensa e jurados, o evento contou com lanche farto, música animada, piadas e brincadeiras, no espetáculo comandado pela apresentadora Kayete.

"É tanta emoção"

Carlos Eduardo Cherem/UOL
Candidatas do concurso Miss Prisional MG 2016 em Belo Horizonte

Ouvidas pelo UOL, as candidatas enxergam o evento como uma forma de melhor sua autoestima.

Tamara dos Santos Silva, 25, desde que foi presa há três anos, não sabia mais o que era produzir-se e tirar fotografias. "Tudo foi perfeito", afirmou.

Com o desejo de ser estilista após a liberdade, Monize do Nascimento, 29, natural de São João Nepomuceno e detenta da Penitenciária Ariosvaldo Campos Pires, diz que com o concurso "brotou um antigo desejo escondido: desfilar em um concurso para mostrar meu sorriso".

Natural de Campina Grande (MG), Tatiele Aparecida Silva, 30, cumpre pena na Penitenciária Professor João Pimenta da Veiga, em Uberlândia e diz que entrou no concurso para se sentir mais mulher. Seu sonho é "provar sua inocência".

"Estou me sentindo ser humano, não sou detenta hoje", disse Rayana Karolina, 25, natural de Contagem.

Já Núbia Rayane Fonseca da Silva, 22, que cumpre pena há quase quatro anos, viu no concurso uma oportunidade de se sentir mais valorizada e sonha "em ganhar a liberdade e fazer sucesso nas passarelas".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos