Polícia encontra R$ 2,5 milhões em notas no banheiro de acusado de sonegação

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

  • Ministerio Publico de Minas Gerais

    A Polícia Civil e o Ministério Público encontrou R$ 2,5 milhões em notas na casa dos sonegadores

    A Polícia Civil e o Ministério Público encontrou R$ 2,5 milhões em notas na casa dos sonegadores

Força tarefa do MP (Ministério Público) de Minas Gerais, da secretaria estadual da Fazenda, da Advocacia Geral do Estado e da PC (Polícia Civil) desarticulou um esquema de sonegação estimado em R$ 100 milhões envolvendo a empresa Whargo Recicláveis, em Contagem (MG), região metropolitana de Belo Horizonte.

Deflagrada nesta quinta-feira (1º), a operação prendeu três irmãos, proprietários da Whargo Recicláveis, cujos nomes não foram divulgados, acusados de responsáveis por fraudes tributárias que causaram o dano milionário aos cofres públicos.

Segundo o promotor Fábio Reis de Nazareth, além da prisão preventiva dos três sócios, foram cumpridos três mandados de prisão preventiva e onze mandados de busca e apreensão Juiz de Fora (MG), Pará de Minas (MG), Pirapetinga (SP) e Caieiras (SP). Na casa de um dos irmãos, o MP encontrou R$ 2,5 milhões em notas de R$ 50 e R$ 10 escondidos no banheiro.

O UOL telefonou para o escritório do advogado da Wargo, Evandro Alair Camargo Alves, às 18h30, às 19h e às 19h20, mas as ligações não foram atendidas.

O promotor explicou que, desde 2009, os acusados "operam um complexo esquema de sonegação fiscal", que se valia de 15 empresas de fachada, criadas na Bahia e no Rio, que simulavam a venda de produtos à Whargo, contribuindo assim para que ela reduzisse o imposto devido. "Como parte da fraude, também eram realizadas vendas sem a emissão de nota fiscal, aumentando a magnitude da sonegação", afirmou Nazareth.

Além do crime tributário, os envolvidos estão sendo investigados por lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo o promotor, serão feitas novas diligências sobre o caso.

"As apurações alcançarão não apenas os três irmãos presos, mas todos os laranjas que cederam seus nomes a troco, muito provavelmente, de benefício financeiro, como também os contadores que participaram na constituição do esquema", afirmou.

Nazareth disse ainda que uma das evidências de que os sócios da empresa tenham incorrido no crime de lavagem de dinheiro são os R$ 2,5 milhões encontrados na residência de um deles. Durante o cumprimento de outro mandado, em Pará de Minas, foram apreendidos 250 cheques com valores que variam entre R$ 20 mil e R$ 30 mil.

O promotor explicou que as investigações começaram a partir de denúncias feitas por empresas concorrentes da Wargo no município. Elas afirmaram que a prática criminosa impossibilitava às demais companhias do segmento de recicláveis de continuar atuando no mercado de Contagem. 

"A sonegação enriquece poucos e empobrece muitos. Nossa atuação não é apenas para punir o crime tributário, mas busca permitir uma concorrência leal e, principalmente, recuperar os valores para os cofres públicos", disse.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos