Violência no Rio

Após morte de Fat Family, tráfico fecha comércio em ruas da zona sul do Rio

Gustavo Maia

Do UOL, no Rio

  • Júlio Cesar Guimarães/UOL

    Traficantes do morro Santo Amaro, no Catete, zona sul do Rio, ordenaram que comerciantes fechassem as portas em ruas do bairro e da Glória, em respeito à morte do chefe do tráfico na comunidade, conhecido como Fat Family

    Traficantes do morro Santo Amaro, no Catete, zona sul do Rio, ordenaram que comerciantes fechassem as portas em ruas do bairro e da Glória, em respeito à morte do chefe do tráfico na comunidade, conhecido como Fat Family

Aos pés do morro Santo Amaro, no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, os estabelecimentos comerciais começaram a fechar as portas por volta das 12h desta segunda-feira (26). A cena incomum surpreendeu os moradores. Quando procuravam saber o motivo, eram informados, discretamente, que a ordem partiu de traficantes da favela vizinha, cujo "chefe", conhecido como Fat Family, foi morto por policiais civis nesta manhã, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio.

O fechamento do comércio atingiu ruas como a do Catete, Pedro Américo e Bento Lisboa, no Catete, e a Benjamin Constant e Santo Amaro, na Glória. A região, onde está situada a 9ª Delegacia de Polícia (Catete), teve o policiamento reforçado pelo 2º BPM. A comunidade é patrulhada desde maio de 2012 pela Força Nacional, em operação denominada "Pacificação 2".

Júlio Ceésar Guimarães/UOL
A Confeitaria Santo Amaro, que funciona 24 horas por dia, foi fechada no início da tarde

O aposentado Paulo Júnior, 70, mora na rua Santo Amaro, por onde é possível entrar na comunidade, há pouco mais de duas décadas. "Antigamente tinha muito crime por aqui, mas já tem tempo que não acontecia de fecharem o comércio", lembra o morador, que não soube citar a última vez que presenciou um episódio com o de hoje na região. "Isso é coisa da década de 90."

Morando há um ano e meio da rua Pedro Américo, que também dá acesso ao morro, a psicóloga Daniela Machado, 36, conta nunca ter visto o comércio fechado a mando do tráfico na área. Por volta das 14h, ela saiu para fazer compras e se deparou com as lojas fechadas. "Até ouvi alguns tiros hoje de manhã, mas pensei que era por causa da chega de drogas, como dizem que acontece", contou.

Júlio César Guimarães/UOL
A Polícia Militar reforçou o policiamento em trecho da rua do Catete com lojas fechadas

A reportagem tentou conversar com comerciantes que cumpriram as ordens dos traficantes, mas nenhum deles quis se identificar, por temer represálias. Sob anonimato, um deles afirmou que recebeu o aviso por telefone. "É um prejuízo para gente, mas não tem como não obedecer", declarou, a poucos metros de onde estavam dois policiais militares armados. "Ordem é ordem, né?", comentou outro, que disse temer ser alvo de depredações.

Um funcionário de um restaurante que se manteve aberto na rua do Catete, a algumas quadras da rua Pedro Américo, contou, por volta das 14h30, que ainda não havia recebido o recado sobre o toque de recolher. "Se mandarem, fecho na hora. Soube de um hortifruti mais perto da entrada do morro que se negou a fechar e vieram uns homens armados para reforçar", disse.

Júlio César Guimarães/UOL
Funcionário de bar na rua Santo Amaro, na Glória, fecha as portas do estabelecimento

Para um jornalista israelense, que mora na rua Santo Amaro desde o ano passado e pediu para não ser identificado, foi difícil entender o que estava acontecendo a poucos metros de casa. "Que estranho. Mas foi a polícia que mandou?", questionou, confuso.

Quando voltava da faculdade para casa, na Glória, o estudante Vinicius Melo, 26, foi alertado por telefone pela mãe sobre a repercussão da morte de Fat Family no bairro em que mora desde que nasceu. "Só vi aqui isso no começo dos anos 2000."

Júlio César Guimarães/UOL
Estabelecimentos fecharam as portas em um trecho da rua do Catete

Morte de Fat Family

O traficante Nicolas Labre Pereira de Jesus, 28, mais conhecido como Fat Family, foi morto por agentes da Core (Coordenadoria de Recursos Especiais) da Polícia Civil do Rio na manhã desta segunda-feira, pouco mais de três meses depois de ser resgatado por 25 bandidos armados com fuzis e pistolas que invadiram o hospital municipal Souza Aguiar, no centro da capital fluminense, no último dia 19 de junho.

Fat Family estava escondido na localidade conhecida como Itaóca, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo. Segundo a Polícia Civil, as informações preliminares são de que outros dois criminosos também morreram na operação, mas até as 11h20, ainda não se sabia a identidade deles. As investigações indicaram que o traficante estava em uma favela do município dominada pela facção criminosa Comando Vermelho. Há pelo menos duas semanas, policiais vinham realizando operações na região.

Divulgação/PM
O traficante conhecido como Fat Family foi morto por policiais civis na manhã desta segunda-feira (26)

O traficante era líder da facção na comunidade do Santo Amaro, no Catete, na zona sul do Rio. Na ação criminosa que resultou no seu resgate, houve troca de tiros e um paciente morreu. Outros dois homens ficaram feridos. Mesmo ferido com um tiro no rosto e com o peso estimado em cerca de 150 quilos, conseguiu fugir. Logo após o episódio, a prisão de Fat Family foi classificada como uma "questão de honra" pelo delegado Rivaldo Barbosa, diretor da Divisão de Homicídios da Polícia Civil.

Fat Family era irmão de Marcos Antônio Firmino da Silva, o My Thor, 46, um dos líderes do CV, conhecido por usar um machado para decapitar suas vítimas. Preso na penitenciária de segurança máxima de Catanduvas (PR), ele deve cumprir 19 anos de prisão. Fat Family era acusado de chefiar o tráfico no lugar de My Thor.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos