Racionamento exclui palácios oficiais e deixa 1,8 milhão sem água no DF

Heloisa Cristaldo

Da Agência Brasil

  • Aluízio de Assis/Presidência da República

    Michel Temer reside no Palácio do Jaburu, localizado ao lado da lagoa que lhe deu o nome

    Michel Temer reside no Palácio do Jaburu, localizado ao lado da lagoa que lhe deu o nome

Parte do Distrito Federal terá racionamento de água a partir da próxima segunda-feira (16), por causa do nível crítico de águas na Barragem do Descoberto, que abastece em torno de 1,8 milhão de pessoas.

Ficarão excluídos do rodízio no fornecimento de água o Plano Piloto --onde ficam os palácios do Planalto, da Alvorada e do Jaburu, onde mora o presidente Michel Temer (PMDB)--, Cruzeiro, Sudoeste, Octogonal, Lago Sul, Lago Norte, Paranoá, Varjão, Itapoã e Jardim Botânico.

Serão afetadas apenas as cidades-satélite de Águas Claras, Candangolândia, Ceilândia, Gama, Guará, Núcleo Bandeirante, Park Way, Recanto das Emas, Riacho Fundo I e II, Santa Maria, Samambaia, Taguatinga e Vicente Pires.

A medida, anunciada na quarta-feira (11) pela Caesb (Companhia de Saneamento Ambiental), tem o objetivo de assegurar a capacidade hídrica para o próximo período de seca na cidade.

O nível do reservatório da Barragem do Descoberto, abaixo de 20%, e o índice de chuvas menor do que o esperado em dezembro e janeiro levaram a Adasa-DF (Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal) e a Caesb a adotar a medida, autorizada desde novembro do ano passado.

Segundo a Caesb, o calendário do racionamento será em ciclo de seis dias: um dia com interrupção completa, dois dias de estabilização e três de fornecimento normal. Na fase de estabilização, a água retorna ao consumidor gradativamente.

Para evitar riscos de rompimentos da tubulação, o fluxo da água é religado de forma gradual, até o completo preenchimento das redes. No sétimo dia, o corte de abastecimento é retomado.

Além da interrupção do fornecimento de água, moradores do DF terão a pressão da água reduzida a partir de 30 de janeiro, na região abastecida pelo reservatório de Santa Maria. De acordo com a Caesb, esse reservatório está com nível de água em torno de 40%

O governo do Distrito Federal também vai cobrar tarifa de contingência sobre a conta de consumo, estabelecer restrição de horários para captação de água por caminhões-pipa e divulgar orientações para estabelecimentos como lava jato. Todas como forma de amenizar e controlar a crise hídrica na região.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos