PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Doria se veste de jardineiro para podar grama no centro de São Paulo

Doria usa roupa de jardineiro para divulgar o programa Cidade Linda, de limpeza e zeladoria urbana - Nelson Antoine/FramePhoto/Estadão Conteúdo
Doria usa roupa de jardineiro para divulgar o programa Cidade Linda, de limpeza e zeladoria urbana Imagem: Nelson Antoine/FramePhoto/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

28/01/2017 09h24

O prefeito de São Paulo, João Doria, se vestiu de jardineiro na manhã deste sábado (28) para divulgar mais uma vez o programa Cidade Linda, cujo principal objetivo, segundo a administração municipal, é revitalizar áreas degradadas da cidade.

Ele esteve na praça Bento de Camargo Barros, bairro da Luz, na região central da cidade, e ajudou na poda de grama do local.

Não é a primeira vez que o prefeito usa roupas semelhantes à dos profissionais que trabalham nas ruas da cidade. Em uma agenda para promover um mutirão de recuperação de calçadas, em sua primeira semana como prefeito, ele usou um capacete de pedreiro para retirar entulho e cimentar guias.

O tucano também já se vestiu de gari como parte da mesma operação Cidade Linda, em duas ocasiões: em seu primeiro dia como prefeito, para varrer trechos da região central da cidade, e, alguns dias depois, em uma varreção na avenida Paulista.

doria gari - Felipe Rau/Estadão Conteúdo - Felipe Rau/Estadão Conteúdo
Imagem: Felipe Rau/Estadão Conteúdo

Cidade Linda

A ação mais polêmica do programa foi a ordem de pintar de cinza muros da cidade que expunham grafites. O programa da prefeitura acabou com o maior mural de grafite a céu aberto da América Latina, na avenida 23 de Maio, gerando críticas de artistas plásticos e moradores da cidade.

muro cinza - Bruno Santos/Folhapress - Bruno Santos/Folhapress
21.jan.2017 - Pintura feita pela prefeitura para cobrir grafites na avenida 23 de Maio desbotam com a chuva
Imagem: Bruno Santos/Folhapress

Obras de cerca de 200 grafiteiros na avenida foram cobertas de cinza. O projeto artístico, encomendado pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT), havia custado R$ 1 milhão. Apenas oito obras foram preservadas. Segundo a prefeitura, foram apagadas pinturas que estariam danificadas devido à ação de pichadores e do tempo.

Cotidiano