Brasileiro com empresa de fachada em Miami é suspeito de enviar 60 fuzis ao Rio

Carolina Farias

Colaboração para o UOL, no Rio

  • Reprodução

    Apreensão de fuzis no Rio

    Apreensão de fuzis no Rio

Um brasileiro em Miami, com empresa de exportação e importação "de fachada", é um dos suspeitos de ter enviado os 60 fuzis apreendidos nesta quinta-feira (1º) no Rio, na maior apreensão do armamento no Estado em dez anos.

"A polícia americana foi avisada e está tentando achá-lo. Ele tem uma empresa 'demo oficial' em Miami, de fachada", disse o delegado Marcelo Martins, da DGPE (Departamento de Polícia Especializada).

A carga, que estava dentro de oito aquecedores de piscina, estava no Terminal de Carga do Galeão há cinco dias. Ela não passou pelo raio-x do aeroporto internacional e iria entrar na cidade, não fosse a investigação da polícia.

"Nós não sabíamos que essa carga ia chegar, tínhamos a hipótese. Temos a investigação e parceiros no aeroporto, que nos chamaram para averiguar a carga", afirmou o delgado Tiago Darigo, da delegacia de Roubo de Cargas.

Dos quatro presos, cuja identificação a polícia ainda vai divulgar, dois receberiam a carga, um iria transportá-la e outro é um despachante aduaneiro credenciado, que iria cuidar dos trâmites legais do conteúdo. Eles tiveram prisão preventiva decretada pela Vara Criminal de São Gonçalo, segundo o delegado.

Os fuzis, segundo os delegados, iriam para a Baixada Fluminense, mas não especificaram a localização. "Ainda não checamos os papéis disso, para quem iria, nomes de empresas. Foi rápido, fomos avisados hoje de manhã", disse Darigo. "As investigações, aqui e no âmbito internacional, não param. Foi um golpe para eles, que perderam uma carga valiosa".

Na entrevista coletiva onde apresentaram as armas e os aquecedores, os delegados anunciaram que vão pedir na Justiça que o armamento fique com a Polícia Civil. Os fuzis - 45 AK-47, 14 AR-10 e um G3- são novos e valem cerca de R$ 4,8 milhões.

As investigações começaram há dois anos, com a morte de um policial militar em São Gonçalo, região metropolitana.

"Ele morreu com um tiro de pistola, mesma arma usada em um roubo de cargas. Começamos a investigar até chegar a conclusão que eram especializados em importação de armas", explicou Darigo.

Sem um tiro

O secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, ressaltou o trabalho de inteligência da Civil. Ele lembrou que os fuzis são as armais mais usadas por traficantes.

"No Rio, traficante só tira onda de machão por causa de fuzil. Antes, apreendíamos um fuzil por dia, e agora em 2017, já são mais de um por dia", afirmou o secretário.

Ele reclamou do fato de o tráfico de armas não ser crime hediondo. "A pena é de quatro a oito anos de prisão. Me sinto enxugando gelo", desabafou.

A apreensão dos 60 fuzis é a maior em dez anos no Rio e representa 43% de todos os fuzis apreendidos em 2017. Entre janeiro e abril, dado mais recente do ISP (Instituto de Segurança Pública), foram apreendidas 139 armas desse tipo no Estado. Em todo 2016, foram 371

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos