"Rainha dos Golpes": Polícia prende mulher que colocou até silicone sem pagar

Lucas Borges Teixeira

Colaboração para o UOL

  • Reprodução/Facebook

    Acusada de estelionatos usava do charme para aplicar os golpes

    Acusada de estelionatos usava do charme para aplicar os golpes

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu na noite da última terça-feira (18) uma mulher de 29 anos suspeita de 31 golpes na capital. A prisão, anunciada na quarta (19), é resultado de uma investigação de dois meses, com 20 inquéritos instalados na Operação Rainha de Copas.

Larissa Borges é acusada de dar golpes em oficinas, táxis, salões de beleza e até clínicas de cirurgia. "Ela vive de crimes, não tem emprego", afirma o delegado-adjunto João de Ataliba Nogueira, da 1ª Delegacia de Polícia do DF, para onde ela foi encaminhada, em entrevista ao UOL.

De acordo com o delegado, os crimes começaram pela internet. "Ela encontrava produtos via OLX e combinava com os donos para a encontrarem na Asa Sul, dava alguma desculpa e dizia que pagaria o transporte. Geralmente eram carros, motos e celulares", conta Nogueira. "Ela pegava o bem e simulava a transferência. Geralmente fazia no final de semana, dizia que cairia na segunda."

A jovem usava de beleza e simpatia para enganar as vítimas, de acordo com a polícia. "Uma mulher bonita, jovem, moradora da Asa Sul, uma região de classe alta aqui em Brasília. As pessoas acreditavam, mas quando a vítima percebia que foi enganada, ela já tinha repassado o produto", afirma o delegado. "Se eles ameaçavam processar, ela fazia um escândalo, dizia que iria à delegacia prestar queixa por injúria, o que acabava assustando a vítima."

Os crimes foram ficando mais elaborados. De acordo com relatos, ela fazia compras em estabelecimentos e, quando o cartão não passava, deixava um documento falso com telefone falso como garantia. "Só em um salão em um dia, ela chegou a gastar R$ 700 em procedimentos", afirma o delegado. Nogueira conta que ela tinha pelo menos três nomes falsos. "Foi aí que notamos um modus operandi."

Larissa teria feito até uma consulta em uma clínica ginecológica e um procedimento cirúrgico, de colocar silicone, sem pagar. A polícia estima que, nos dois meses em Brasília, ela tenha causado um prejuízo total de, pelo menos, R$ 50 mil.

Agora, Larissa responde por 19 inquéritos de estelionato e um de furto. "Quando a prendemos, não sabíamos que ela tinha acabado de cometer um furto, só soubemos quando ela chegou à delegacia e vimos os seus pertences, por isso também foi considerado flagrante", explica Nogueira.

O delegado relata ainda que o número de processos deve crescer. "Desde a prisão, já chegaram novas denúncias", conta. "Mas agora fica mais fácil de apurar, como ela está presa. Acreditamos que as investigações serão encerradas rapidamente, até o final do mês que vem."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos