PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Comandante da tropa de elite da polícia de Alckmin diz que votaria em Bolsonaro

"Abordagem nos Jardins e na periferia deve ser diferente"

UOL Notícias

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

24/08/2017 13h52Atualizada em 24/08/2017 18h52

O novo comandante da Rota, a tropa de elite da PM (Polícia Militar) de São Paulo, o tenente coronel Ricardo de Mello Araújo, 46, afirmou, em entrevista exclusiva ao UOL, que votaria no deputado federal Jair Bolsonaro (PSC).

Ele deixou claro que as afirmações refletem sua opinião pessoal e não são uma visão das instituições Rota ou Polícia Militar. 

Bolsonaro tem interesse em se candidatar à Presidência da República em 2018. Assim como Geraldo Alckmin (PSDB), governador de São Paulo, que declarou nesta quarta-feira (23) querer ser o candidato tucana nas eleições presidenciais do ano que vem.

"O deputado Jair Bolsonaro, eu votaria nele. Eu votaria nele. Eu não sou político e não gosto de falar muito de política, mas eu entendo que o país precisa de pessoas honestas no comando. E a população sente isso. Agora, é uma opinião pessoal", afirmou Mello Araújo à reportagem.

"A população está sentindo a necessidade de pessoas honestas. Não falo nem de capacidade. Hoje, o que a população visa, são pessoas honestas, que saibam onde tão gastando o nosso dinheiro", complementou o comandante.

Pesquisa realizada pelo Datafolha sobre intenções de voto para a disputa presidencial de 2018 apontou, em 26 de junho, que o ex-presidente Lula (PT) tem de 29% a 30% das intenções de voto, seguido por Jair Bolsonaro (PSC), com 16%, e Marina Silva (Rede), com 15%. Alckmin é o quarto, com 8%.

"Que eu não perca nenhum homem em combate"

UOL Notícias

"Policial de São Paulo não ganha o suficiente"

De acordo com Mello Araújo, o policial de São Paulo não ganha o suficiente para combater a criminalidade. "Mas eu também falo: eu não entrei na polícia por salário. Entrei na polícia para ser polícia", afirmou.

"A nossa expectativa é que o governo reconheça as nossas dificuldades e deixe a gente em condições disso. O policial que entrou na polícia, ele sabe disso. E eles têm prestado concurso", disse.

"Volto a falar: eu não entrei na polícia para ganhar dinheiro. Entrei na polícia para salvar as pessoas, para ajudar as pessoas", complementou.

Procurada, a SSP (Secretaria da Segurança Pública) não se manifestou sobre a opinião do comandante da Rota até a publicação desta reportagem.

 

Cotidiano