PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Delegado é afastado por suspeita de deixar de prender amigo e marcar churrasco com ele

Delegado Douglas Borguez é acusado de beneficiar conhecidos em troca de favores - Reprodução
Delegado Douglas Borguez é acusado de beneficiar conhecidos em troca de favores Imagem: Reprodução

Lucas Borges Teixeira

Colaboração para o UOL

29/08/2017 12h48

A Justiça de São Paulo afastou, a pedido do Ministério Público, o delegado Douglas Borguez, da Delegacia Sede de Bertioga, no litoral paulista. De acordo com as denúncias, ele beneficiava conhecidos em troca de favores e até deixou de prender um amigo e marcar um churrasco com participação do homem procurado pela Justiça.

Borguez foi afastado do cargo há cerca de duas semanas, mas a investigação começou em agosto de 2016. Por meio de interceptação telefônica, o Ministério Público conseguiu identificar pelo menos 23 atos de improbidade administrativa com violação dos princípios da legalidade e da função.

Douglas Borguez é acusado de não prender um amigo pessoal e forjar motivos - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
Douglas Borguez é acusado de não prender um amigo pessoal e forjar motivos
Imagem: Reprodução/Facebook

Além disso, o delegado também é alvo de um processo criminal, que corre em segredo de justiça. Segundo a promotoria, o celular de Borguez foi apreendido e mais provas surgiram a partir de troca de mensagens no aplicativo WhatsApp.

“Ele transformou a delegacia em um balcão de negócios”, afirma o promotor Thiago Alcocer Marin, responsável pelo caso, em entrevista ao UOL. “A pedido de amigos e conhecidos, ele acelerava alguns processos enquanto atrasava outros.”

De acordo com o promotor, as ajudas aconteciam geralmente com troca de favores, como financiamento de uma campanha política da qual o pai de Borguez era responsável.

Borguez também é acusado de não prender um amigo pessoal e forjar os motivos. “Vimos mensagens de que ele não só não prenderia o amigo como combinou com o advogado dele o que fazer para ele não ser preso”, conta Marin. “Ele deu uma declaração pública de que havia procurado o sujeito e não conseguiu encontrá-lo em seus endereços, mas isso não existiu.”

Depois, relata o promotor, Borguez conseguiu entrar em contato com um conhecido desse amigo que deveria ser preso e teria marcado um churrasco.

Além do afastamento das funções, o MP pediu o bloqueio de bens em até R$ 1 milhão, valor total da multa, também concedido pela Justiça.

Para o advogado de defesa, Armando Mattos Junior, a ação da promotoria e da Justiça foi antecipada. “Ele não teve o direito nem de se manifestar”, argumenta, em entrevista ao UOL. “Eles tinham de deixar fluir os autos.”

Mattos diz que vai recorrer do processo administrativo para que Borguez retorne à função e que irá aguardar o processo criminal. “Do nada, ele pode ter seu nome jogado no lixo”, afirma. “Alguém que tantos serviços já prestou à comunidade.”

Já Marin afirma que a Justiça acertou. “A prova material é farta e contundente contra ele.”

Por meio de nota enviada ao UOL, a Corregedoria da Polícia Civil e a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo dizem acompanhar a tramitação judicial.

Cotidiano