Padre ironiza ausência de Temer em Aparecida (SP) e sugere que "popularidade" foi motivo

Janaina Garcia

Do UOL, em Aparecida (SP)

  • Aloisio Mauricio/Fotoarena/Estadão Conteúdo

A organização das festividades pelos 300 anos de aparição da imagem de Nossa Senhora de Aparecida, no Santuário Nacional, ironizou nesta quinta-feira (12), feriado nacional da padroeira, a ausência do presidente Michel Temer (PMDB) no evento.

O peemedebista enviou como representantes os ministros Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia) e Antônio Imbassahy (Secretaria-Geral). Além deles, o único político de mais projeção nacional a aparecer na solenidade foi o governador Geraldo Alckmin (PSDB), pré-candidato à sucessão presidencial e visitante tradicional da basílica desde os anos 1980.

Leia também

"Se eu fosse presidente do Brasil, eu viria. Pode ser uma questão até de assessoria, né? De repente, os assessores não atentaram para isso [a importância dos 300 anos da festa pela aparição da imagem]", disse o reitor do Santuário, padre João Batista de Almeida. Indagado por jornalistas se a baixa popularidade de Temer –3%, segundo pesquisa Datafolha– pode ter sido um fator para a ausência, o religioso riu e respondeu: "É."

Sobre a baixa participação de autoridades no evento, o reitor minimizou a situação ao afirmar que a basílica "está sempre de portas abertas para todo mundo", ainda que não seja, essa participação, "a tradição". "Convidamos, mas não é tradição", disse o reitor. Por outro lado, ele lembrou que, dos mais de 300 bispos católicos que existem hoje no Brasil, vieram para o jubileu dos 300 anos entre 30 e 40.

"Não misturo política e religião", diz Alckmin

Vaiado por parte dos fiéis ao ser anunciado com os ministros de Temer e logo após uma mensagem do papa Francisco contra o desânimo e corrupção, Alckmin disse não ter ouvido "vaia nenhuma". "Você que está com a audição bem apurada", disse, questionado sobre a manifestação por um repórter de rádio. Kassab e Imbassahy deixaram a basílica sem falar com a imprensa e sem participar da entrevista coletiva.

Em seguida, o governador disse não ter feito "pedido algum" à santa com vistas a 2018 –pré-candidato, ele disputa internamente a indicação com seu afilhado político, o prefeito de São Paulo João Doria (PSDB). Com viagem a Milão, o prefeito não foi a Aparecida, nem mandou representante– o vice, o também tucano Bruno Covas, está em viagem a Paris.

Janaina Garcia/UOL
Geraldo Alckmin e o reitor do Santuário Nacional de Aparecida, João Batista de Almeida
"Não misturo política e religião; aliás, se amanhã eu não for candidato a nada, e se não tiver nenhum cargo político, continuarei vindo aqui, como faço há décadas. Sou sempre da tese de que você não deve fazer aquilo que você não faz com naturalidade, ao [só] fazer por política", definiu o tucano, que, antes de conceder entrevista, assinou, nas dependências do santuário, uma ordem de serviço para a construção de 62 unidades habitacionais de interesse social, por meio da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano), orçada em R$ 6,59 milhões e a ser construída em Aparecida.

O governador reforçou o discurso de que, entre ele e Doria, prevalecerá "o critério de escolha do partido" –mesmo que pesquisa Datafolha do último domingo (9) tenha apontado que o eleitor de Doria prefere Alckmin na disputa pela sucessão presidencial. "Se tiver mais de um candidato, [o partido] deve fazer prévia. Eu estava nos EUA em janeiro de 2007 e se dizia que a candidata seria a Hillary Clinton. Obama era vice, ninguém acreditava no Obama. Aí ele ganha as primárias e ganha a eleição", comparou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos