Violência no Rio

Mãe de santo atacada por traficantes evangélicos deixa o Brasil e planeja pedir asilo à Suíça

Marina Lang

Colaboração para o UOL, no Rio

  • Arquivo Pessoal

    "Voltamos à época da escravidão", diz a mãe de santo Carmem Flores

    "Voltamos à época da escravidão", diz a mãe de santo Carmem Flores

É no recente autoexílio na Suíça que a mãe de santo Carmem Flores, 66, tenta reencontrar a paz que lhe foi tirada há cerca de um mês em Miguel Couto, bairro de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense (RJ). Na tarde de 13 de setembro, o templo da sacerdotisa do candomblé sofreu um ataque de traficantes evangélicos, que a obrigaram a destruir todas as guias e estátuas do terreiro (veja o vídeo abaixo).

"Nunca passei por uma coisa dessas em 35 anos de casa aberta. Nunca passei por isso no Brasil. Nunca tive problemas com ninguém", desabafou a ialorixá, também conhecida como Mãe Carmem de Oxum, em entrevista ao UOL por telefone. Ela também confirmou que, mesmo no exterior, ainda recebe ameaças.

"O capeta-chefe tá aqui. Taca fogo em tudo, quebra tudo, o sangue de Jesus que tem o poder (sic)", diz um dos sete homens que participaram do ataque num vídeo divulgado pelos próprios traficantes, enquanto a vítima quebra os pertences do templo de candomblé.

Segundo ela, os agressores foram cumprimentados por vizinhos evangélicos do terreiro --o centro funcionava no local havia quatro anos, mas ela viveu no bairro por 35. Depois do ataque, Mãe Carmem e seus filhos de santo ainda ficaram no terreiro para garimpar o que se salvava em meio aos escombros.

Juntou o que pôde e conseguiu um abrigo temporário num imóvel desocupado de uma amiga. Mas não por muito tempo. "Havia uma ordem, não sei de quem e não sei de onde, de que esse chefe [do tráfico] não queria mais candomblé na comunidade. Perdi o imóvel, está fechado", lamenta.

Como já tinha viagem marcada para a Suíça, resolveu se mudar até dezembro, mês em que o visto de permanência no país expira. Ela planeja pedir asilo político ao governo suíço por um período de seis meses. Em seguida, deve ir para os Estados Unidos --tudo com o apoio dos filhos de santo que moram no Brasil e no exterior.

Carmem de Oxum também diz que não pretende voltar à comunidade de Nova Iguaçu, tampouco ao Rio de Janeiro. "Está cheio de comunidades e de traficantes evangélicos. É como eles mesmos me disseram enquanto me atacavam: 'Tá tudo dominado, é tudo nós mesmo, não queremos macumba e tambor'".

Ameaças por telefone

A sensação de descrença se mistura ao temor. "Sou dona de casa, uma senhora simples, com vida dedicada a uma religião. Só tenho medo. Medo, medo, medo. Pela minha família, pelos meus filhos, netos, pelos meus filhos de santo. Tenho pavor de sair do meu país com medo, de deixar uma família toda para trás", afirma.

Você não tem como se defender de nada. Esse país afundou, acabou. A minha impressão é que voltamos à época da escravidão, é uma agressão ao negro, ao índio, uma atrocidade sem limites.

Carmem Flores,  mãe de santo

Ela relata que ainda está recebendo ameaças por telefone, mas disse que o seu número e o de familiares já foram trocados.

A sacerdotisa afirmou que preferiu não registrar boletim de ocorrência por medo de represálias. "Fiquei insegura já que o Estado não me dava segurança e garantia, achei melhor não registrar, já que eu poderia ser alvo de represálias."

Após o ataque, ela disse que não recebeu apoio da Prefeitura de Nova Iguaçu. "Nem um telefonema", declarou. Procurada pela reportagem, a Prefeitura de Nova Iguaçu não localizou um representante para comentar o assunto.

A assessoria da Polícia Civil informou que "as investigações estão em andamento na 58º DP para apurar os fatos. No momento, não há novidades para divulgar sobre o caso".

Em setembro, ao menos dez traficantes haviam sido indiciados pela Polícia Civil do Rio de Janeiro por suspeita de ordenarem ou participarem de ataques a centros de umbanda e candomblé no Estado.

Em nota, a Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos do governo do Rio declarou que, "desde que recebeu a denúncia do caso da mãe Carmem de Oxum, auxilia e acompanha a vítima de intolerância religiosa. A pasta ofereceu apoio psicológico, jurídico e social à religiosa, inclusive prestando assistência durante o seu depoimento na delegacia".

Levantamento feito pela pasta estima que a cada dois dias uma pessoa é vítima de intolerância religiosa no Estado do Rio de Janeiro. Foram 39 casos registrados entre julho e setembro deste ano, sendo dez deles em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, que detém o maior número de templos da religião de matriz africana da região.

Os delitos variam entre discriminação ou difamação, invasão ou atentado a instituições religiosas, agressão física, incitação ao ódio, agressão verbal e ameaças. O Estado do Rio de Janeiro possui 3.746 terreiros de candomblé, segundo estimativa da secretaria.

Vítimas de intolerância religiosa podem entrar em contato com a secretaria através do Disque Combate ao Preconceito, no telefone (21) 2334-9551. O canal funciona de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h.

Já o Disque 100, canal de denúncias da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, registrou um aumento de 4.940% de denúncias num período de cinco anos (foram notificados 756 em 2016, em comparação a 15 casos em 2011).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos