Quantidade de dinamite roubado em SP é 12 vezes maior que a usada para implodir Carandiru

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

O Exército determinou a abertura de um inquérito administrativo para apurar as condições em que estavam estocadas as três toneladas de dinamite roubadas na noite dessa quinta-feira (16) de uma mineradora em Salto de Pirapora (124 km de São Paulo). A quantidade levada pelos criminosos corresponde, por exemplo, a 12 vezes o total de dinamite utilizado (250 kg) para implodir três pavilhões da antiga Casa de Detenção do Estado, o Carandiru, na zona norte de São Paulo, em dezembro de 2002, segundo especialista ouvido pela reportagem.

"Em 2002, para três pavilhões do Carandiru, usamos 250 quilos de dinamite. Três toneladas equivalem a 12 vezes uma implosão desse porte", afirmou o engenheiro de mineração Manoel Jorge Diniz Dias, que foi o responsável técnico pelas implosões de quatro pavilhões do Carandiru –três em dezembro de 2002, e um, em julho de 2005.

Angelo Perosa/Pool
Implosão de três pavilhões do antigo Carandiru, em 2002

O assalto à mineradora aconteceu por volta das 23h de quinta, quando ao menos cinco criminosos encapuzados, segundo a Polícia Civil, renderam quatro funcionários da empresa, localizada no bairro Piraporinha, os obrigaram a transferir 124 caixas de bananas de dinamite para um caminhão baú e fugiram.

De acordo com o chefe da Comunicação Social do Comando Militar do Sudeste, coronel Igor Boechat, o inquérito vai apurar se houve falhas de segurança por parte da mineradora nos critérios de armazenamento do material determinados pelo Exército, bem como se há aspectos a serem aprimorados sobre isso.

Segundo o coronel, este ano a empresa passou por duas inspeções do Exército, sem que nada de anormal tivesse sido constatado no acondicionamento do material explosivo.

"Nas duas inspeções, as condições de armazenamento e segurança mostraram que a mineradora seguia habilitada para estocar e transportar os explosivos. Agora, com o roubo de um material muito expressivo como esse, precisamos apurar se a empresa deixou de observar alguma coisa, ou de tomar algum cuidado – se sim, poderá ser penalizada", disse. Entre as penalidades, estão desde multas e advertência à perda da autorização para estocar o material.

Boechat disse acreditar que roubos do tipo abasteçam o mercado negro de assaltantes de caixas eletrônicos, principalmente, a contar por experiências anteriores.

A hipótese de roubo para venda no mercado negro é compartilhada pelo engenheiro de mineração que foi responsável técnico pelas implosões do Carandiru.

"Esse volume roubado ontem à noite é muito grande, até em vista do que se usa, em geral, nesses atentados contra caixas eletrônicos", afirmou Dias.

Na Polícia Civil de Salto, a informação no final desta tarde é a de que os quatro funcionários rendidos e aprisionados pelos assaltantes prestaram depoimento durante o dia. Outros funcionários devem ser ouvidos nos próximos dias. Imagens de segurança da mineradora também foram disponibilizadas às equipes de investigação. Até as 18h, ninguém havia ainda sido preso.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos