Intervenção no Rio é "medida drástica, mas necessária", diz Alckmin

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

  • Marivaldo Oliveira/Código19/Estadão Conteúdo

    O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), em visita às obras da nova Estação de Integração Morumbi/Monotrilho - Linha 9 Esmeralda da CPTM, na Marginal Pinheiros, zona sul de SP, nesta sexta-feira (16)

    O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), em visita às obras da nova Estação de Integração Morumbi/Monotrilho - Linha 9 Esmeralda da CPTM, na Marginal Pinheiros, zona sul de SP, nesta sexta-feira (16)

O governador de São Paulo e presidenciável, Geraldo Alckmin (PSDB), classificou a intervenção do governo federal no Rio como uma "medida drástica, porém, necessária". Indagado nesta sexta-feira (16) sobre a medida no Estado vizinho, anunciada na madrugada, o tucano defendeu também a transitoriedade da intervenção.

"É uma medida extrema, mas era necessária; Só que tem que ser transitória", disse. "Entendo que o governo federal tem que liderar esse trabalho porque, hoje, nosso grande problema é o tráfico de drogas e de armas e a lavagem de dinheiro, que são crimes federais", complementou.

Alckmin falou sobre o assunto hoje durante visita ao início das obras da estação Morumbi, da linha 17-ouro, em sistema de monotrilho.

O tucano também se disse favorável à criação do Ministério da Segurança Pública, cogitado pelo governo do presidente Michel Temer (MDB).

"Sempre defendi a criação do Ministério da Segurança Pública --e Temer agora vai implementar-- e uma agência nacional de inteligência que unisse a inteligência dos Estados, a Abin [Agência Brasileira de Inteligência], as Forças Armadas, a Polícia Federal e o Gabinete de Segurança Institucional para a questão das fronteiras, que sabemos que não é fácil.", declarou Alckmin.

O tucano ainda citou o exemplo norte-americano. "Os Estados Unidos têm 5 mil quilômetros de fronteira seca com o México; nós temos 17 mil quilômetros de fronteira seca com alguns países, inclusive com países produtores de droga", finalizou.

Intervenção é inédita desde a redemocratização

O decreto de intervenção deve ser assinado hoje à tarde por Temer. A medida concederá às Forças Armadas a condução da luta contra o crime em um Estado dominado pela violência. Esse tipo de medida é inédito desde a redemocratização do país, em 1985. Com ela, as Forças Armadas assumirão o controle de todas as operações de segurança e comandarão os distintos corpos policiais.

A previsão é que o decreto tenha validade até o fim da presidência de Temer, em 31 de dezembro.

A decisão acontece depois da série de casos de violência ocorridos durante o Carnaval, com assaltos e arrastões em diversos pontos da cidade, e também em um contexto de agravamento contínuo da segurança da capital fluminense, com disputas entre facções criminosas e confrontos com a polícia.

Ontem, o próprio governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, admitiu, sobre a operação de Carnaval: "Não estávamos preparados. Houve uma falha nos dois primeiros dias e depois reforçamos o patrulhamento. Mas acho que cometemos um erro", declarou.

"Fica muito claro para nós que a situação do Rio durante o Carnaval foi lamentável, e os fatos impactaram muito o governo. As novas medidas deverão vir", declarou, após reunir-se com Temer na noite de quarta-feira (15), o ministro da Defesa, Raul Jungmann.

O interventor na área de segurança será o general Walter Souza Braga Neto, que foi encarregado da coordenação das operações durante os Jogos Olímpicos de 2016.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos