Topo

Menino de 10 anos é baleado na cabeça e morre no Rio

Ana Carolina Fernandes/Folhapress
Morro do Cantagalo, no Rio de Janeiro, fica localizado entre a Lagoa Rodrigo de Freitas e Copacabana, na zona sul da cidade Imagem: Ana Carolina Fernandes/Folhapress

Aiuri Rebello

Do UOL, em São Paulo

25/02/2018 10h38Atualizada em 25/02/2018 16h17

O estudante Marlon de Andrade Domingues, de 10 anos, foi baleado na cabeça neste sábado (24) no morro do Cantagalo, na zona sul do Rio de Janeiro. Ele foi socorrido por familiares, mas não resistiu aos ferimentos e morreu horas depois. De acordo com a assessoria de imprensa da coordenação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora), o crime teria acontecido à tarde na comunidade.

No período da noite, uma operação da UPP do morro com a Polícia Civil apreendeu em uma das escadarias de acesso à comunidade um adolescente de 17 anos suspeito de ter efetuado o disparo. Ele seria ligado ao tráfico de drogas.

Com o adolescente foi encontrada uma pistola 9 milímetros possivelmente usada no assassinato. De acordo com a polícia, ele disse que foi um acidente. O menino de 10 anos estava brincando com um amigo na laje de casa no momento que foi atingido na cabeça pelo disparo. Ele chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Miguel Couto, na Gávea, também na zona sul, mas não resistiu e morreu no pronto-socorro. 

Revoltados, moradores do morro chegaram a espancar o adolescente. 

Divulgação/UPP Pavão
PM mostra pistola apreendida com menor de 17 anos no morro do Cantagalo, zona sul do Rio de Janeiro Imagem: Divulgação/UPP Pavão

Após ser detido, o adolescente foi levado para a delegacia da região. Em seguida, foi encaminhado ao Hospital Miguel Couto porque havia apanhado bastante e estava machucado. Após a alta, ele foi levado para a DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e Adolescente).

Segundo a polícia, o menor apreendido tem passagens por trocar tiros com policiais da UPP e já foi apreendido por furto.

Em depoimento, o adolescente disse que deixou a arma em uma laje por algum tempo e, quando voltou, duas crianças estavam brincando com a pistola. Não se sabe se ele chegou a atirar na criança ou se a arma disparou acidentalmente enquanto ele a tomava das mãos da criança.

De acordo com a UPP da área, não foram registrados confrontos armados na comunidade neste final de semana.