PUBLICIDADE
Topo

Buscas em prédio que desabou em São Paulo terminam com 4 desaparecidos

Bombeiros encerram buscas em prédio que desabou no Largo do Paissandu - Marcelo Gonçalves/Estadão Conteúdo
Bombeiros encerram buscas em prédio que desabou no Largo do Paissandu Imagem: Marcelo Gonçalves/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

13/05/2018 11h46

Os bombeiros encerraram na manhã deste domingo (13) as buscas por vítimas do desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo do Paissandu, no centro de São Paulo, após 13 dias de trabalho. A informação foi dada pelo governador Márcio França, que esteve no local para uma homenagem aos bombeiros. 

Quatro pessoas continuam desaparecidas: Selma de Almeida, 40, Eva Barbosa Lima, 42, Walmir Sousa Santos, 47, e Gentil Rocha de Sousa, 54. Quatro pessoas que morreram no desabamento foram identificadas: Ricardo Oliveira Galvão Pinheiro, 38, Francisco Lemos Dantas, 56, e os gêmeos Wendel e Werner da Silva Saldanha, 10.

No sábado (12), os bombeiros já haviam chegado ao segundo subsolo do edifício. Segundo o governador, a Prefeitura de São Paulo fica agora responsável pelo local. "Daqui para frente, a prefeitura vai tomar conta da área", disse.

O prédio desabou após um incêndio na madrugada do dia 1º de maio. Cerca de 150 famílias moravam nos primeiros andares do edifício, que era uma ocupação irregular. O prédio pertencia à União e era uma antiga instalação da Polícia Federal. Investigações da Polícia Civil identificaram que um curto-circuito causou o incêndio.

DNA de gêmeos confirmado

No sábado (12), a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo confirmou a identificação de mais duas vítimas do desabamento. Exames do Instituto Médico Legal apontaram que ossadas encontradas nesta semana pertencem aos gêmeos Wendel e Werner, que estavam no prédio com a mãe, a catadora de recicláveis Selma de Almeida, 40. Ela não foi encontrada. 

O corpo de Ricardo Galvão Pinheiro, 38, foi localizado na sexta-feira retrasada (4) e o corpo do morador Francisco Lemos Dantas, 56, estava entre os remanescentes humanos encontrados na quarta-feira (9).

Os bombeiros não descartam que as pessoas dadas como desaparecidas não estivessem no prédio no momento do incidente. Além disso, ainda há restos mortais retirados dos escombros que passam por exames de identificação. Eles podem pertencer a algum dos desaparecidos ou a alguma das vítimas já identificadas.

Cotidiano