PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Falta de combustível deixa cidades em alerta e ameaça circulação de ônibus em ao menos 7 estados

Danilo Verpa/Folhapress
Imagem: Danilo Verpa/Folhapress

Do UOL, em São Paulo e no Rio*

23/05/2018 18h35Atualizada em 23/05/2018 23h06

A paralisação dos caminhoneiros deflagrada na última segunda-feira (21) deve afetar a circulação de ônibus nas principais capitais do país nesta quinta-feira (24). Em ao menos 7 estados, medidas já foram anunciadas para reduzir o número de veículos em circulação. Por conta dos bloqueios nas estradas, o estoque de diesel --combustível usado para o transporte público de massa-- não está sendo reposto nos tanques das empresas de ônibus. 

Em São Paulo, a prefeitura afirmou que cerca de 40% da frota de ônibus da cidade não deve circular nesta quinta. Com isso, a prefeitura decidiu suspender também nesta quinta o rodízio de veículos.

Segundo a SPTrans, as empresas mais afetadas na capital paulista são as seguintes:

  • Zona norte (atende Cachoeirinha/Pirituba/Perus/Morro Doce ) - Norte Buss
  • Zona leste (atendem São Miguel Pta/Cidade AE Carvalho/Ponte Rasa/Cidade Patriarca/Guaianases) - Qualibus; Transunião; Express; Pêssego; Via Sul; Imperial
  • Zona sul (atendem Varginha/Grajau/Parelheiros) - A2; Gatusa; Transkuba; Transwolff
  • Zona oeste (atende Morumbi/Butantã) - Alfa Rodobus

O SPUrbanuss, sindicato que representa as companhias do subsistema estrutural –composto pelos veículos maiores que operam linhas do centro da cidade --, informou nesta quarta que, com a greve dos caminhoneiros, oito empresas só têm reservas de diesel suficientes para uma operação parcial nesta quinta. Outras seis informaram que o diesel em estoque permite circular até sexta (25). 

O sindicato calcula que os 14 mil ônibus do sistema municipal que rodam cerca de 4 milhões de quilômetros por dia com quase 6 milhões de passageiros demandem, mensalmente, cerca de 40 milhões de litros de óleo diesel. A SPTrans informou, por meio de nota, que se reuniu ao longo do dia com as autoridades do setor de segurança para garantir o abastecimento a partir das refinarias até as garagens das empresas de ônibus.

No Rio de Janeiro, 40% da frota de ônibus do estado não circulou nesta quarta-feira --dos 23 mil ônibus que servem o Rio, 9.200 não saíram da garagem, diz a Fetranspor (Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro). A Baixada Fluminense foi a região mais prejudicada, enquanto os ônibus na zona sul e no centro circularam normalmente.

Segundo o gerente de planejamento e controle da Fetranspor, Guilherme Wilson, a previsão é de que o estoque de diesel acabe até sexta-feira. “As empresas fizeram um esforço, abasteceram veículos em postos de combustíveis, mesmo o valor sendo bem mais caro, mesmo assim, a previsão é de que 70% da frota não opere na quinta e 100% na sexta”, disse ele.

Já a concessionária responsável pela operação do BRT no Rio informou que devido à falta de combustível apenas 50% da frota vai circular nesta quinta -- nesta quarta, o sistema operou normalmente. Em média, 17 mil pessoas usam os ônibus do sistema BRT por hora, segundo dados da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos.

Belo Horizonte reduz circulação; Curitiba avalia estoque de combustível

Em Belo Horizonte, os ônibus devem sofrer alteração na circulação a partir desta quinta-feira. Haverá redução de viagens fora do horário de pico, segundo o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte. O sindicato informou que serão mantidos os ônibus que circulam depois das 22h. Novas medidas podem ser tomadas se a greve se estender até sexta.

Segundo o portal NE10, no Recife a frota em circulação para esta quinta deve sofrer redução de 30% por falta de óleo diesel nas empresas. A informação foi dada pelo presidente do Sindicados das Empresas de Ônibus de Pernambuco, Fernando Bandeira à Rádio Jornal.

Em Curitiba, o prefeito Rafael Greca (PMN) evitou falar em mudanças na oferta do transporte público na capital. Ele disse que pediu apoio ao governo estadual para garantir o abastecimento da capital e de algumas linhas das 9 cidades da Região Metropolitana integradas à Urbs (companhia responsável por gerenciar o transporte coletivo em Curitiba e Região).

De acordo com o prefeito, está sendo feito um levantamento dos estoques de combustível nas garagens e distribuidoras para avaliar se é possível manter a operação normal nos próximos dias. A posição de Greca contraria as medidas anunciadas preventivamente pela Urbs algumas horas antes e a solicitação da Setransp (Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana), que, por meio de nota no Facebook, solicitou a redução de linhas. Consultada, a Urbs afirmou que serguirá a orientação do prefeito.

Caminhoneiros vão liberar animais, perecíveis e remédios

Band News

Em outras cidades do Paraná, medidas de contenção já foram anunciadas. Nesta quarta, Ponta Grossa – a 115 km da capital – anunciou que os ônibus intermediários (fora dos horários de pico) seriam retirados para economia de combustível. “É uma forma de garantir a possibilidade de que as linhas intermediárias operem normalmente pela manhã de quinta-feira, evitando maiores transtornos à população”, anunciou a prefeitura.

Em Maringá, a 425 km de Curitiba, desde esta quarta-feira, apenas os serviços essenciais estão sendo abastecidos, como ambulâncias e transporte escolar. Em relação ao transporte coletivo, o volume de ônibus está sendo reduzido no período da tarde a fim de preservar o abastecimento da frota para os horários de pico e os próximos dias.

Em Londrina, segunda maior cidade do estado na região Norte do estado, a CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização) solicitou ao Sindicato das Empresas de Transporte Público que mantenham a prestação de serviços em 100% das linhas nesta quinta-feira (24). “Em caso de a greve dos caminhoneiros persistir, uma nova avaliação será feita”, informou.

Os ônibus de Natal e João Pessoa devem circular normalmente amanhã. A previsão é de que haja dificuldade de abastecimento da frota se a greve se estender até sábado, segundo a federação das empresas de transporte da região. Segundo a mesma federação, a frota de Maceió não deve ser afetada.

Em Cuiabá e Várzea Grande, na região metropolitana, o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano do Estado de Mato Grosso informou que ainda não houve desabastecimento, nem linhas afetadas. Entretanto, como há 13 pontos de bloqueio no estado, as quatro empresas que operam a capital e o entorno aguardarão se chegará combustível nesta madrugada. Caso contrário, segundo a entidade, amanhã os empresários se reúnem com o poder público para discutir medidas a serem adotadas –como a redução da circulação de ônibus. Não houve ainda registro de desabastecimento no interior.

Em Porto Alegre, haverá operação normal nesta quinta apenas nos picos da manhã, até 8h30, e da tarde, das 17h às 19h30, segundo a prefeitura. Nos demais horários, as viagens serão de hora em hora. Já as lotações devem operar normalmente. O atendimento noturno ainda será definido.

Greve de caminhoneiros

Nesta quarta (23), caminhoneiros fizeram o terceiro dia de paralisações. Muitos ocuparam acostamentos das principais rodovias --BR-101 Norte; BR-493; BR-116; BR-101 (Niterói, Manilha e Rio-Santos); BR-393; BR-465 e BR-116 Norte.

Na BR-040, meia pista chegou a ser bloqueada pelos motoristas nos dois sentidos na altura de Duque de Caxias, na baixada. O trecho em direção a Juiz de Fora (MG) registrou 8 km de lentidão às 12h20 devido à interdição.

(*Daniela Garcia, Leonardo Martins, Janaina Garcia, Paula Bianchi, do UOL; colaboraram para o UOL Marcela Lemos, no Rio, e Vinícius Boreki, em Curitiba)

Motorista tem caminhão quebrado após furar bloqueio em MG

UOL Notícias

Cotidiano