PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Polícia prende 4 caminhoneiros suspeitos de participar de 'racha' que matou família no PR

2.julho.2018 - Acidente matou cinco pessoas da mesma família em rodovia do Paraná - Reprodução/Dione Correia
2.julho.2018 - Acidente matou cinco pessoas da mesma família em rodovia do Paraná Imagem: Reprodução/Dione Correia

Carlos Ohara

Colaboração para o UOL, em Campo Mourão (PR)

03/07/2018 18h12Atualizada em 03/07/2018 19h31

Quatro caminhoneiros estão presos na cadeia pública de Mamborê, no centro-oeste do Paraná, a 85 km de Curitiba, suspeitos de provocar a colisão que resultou na morte de três crianças --entre 4 e 11 anos de idade-- e de seus pais na noite da última segunda-feira (2) na pista da BR-369 que faz ligação entre as cidades de Campo Mourão e Cascavel. Um quinto caminhoneiro está sendo procurado pela Polícia Civil do Paraná.

Eles foram autuados em flagrante por participação em um "racha" que resultou na morte da família. O crime é tipificado no parágrafo 2º, do artigo 308 do Código Brasileiro de Trânsito. Se condenados pelo crime, a pena prevista é de cinco a dez anos de reclusão.

Em depoimento à polícia, os presos negaram a prática do "racha" na rodovia. Até as 16h15 desta terça-feira (3), nenhum advogado havia se apresentado à delegacia de Mamborê para defesa dos motoristas.

O delegado Marcelo Trevisan, chefe da delegacia, disse ao UOL que a autuação foi embasada em depoimentos à PRF (Polícia Rodoviária Federal) de dois motoristas que trafegavam na rodovia e presenciaram o acidente; em registros dos tacógrafos instalados nos caminhões --que registraram entre 90 km/hora e 105 km/hora (velocidades acima do permitido) no trecho onde ocorreu o acidente--; e em dados e posicionamento preliminares dos veículos apresentados pela PRF. Os presos passaram pelo teste do etilômetro e não foi constatada presença de álcool.

Segundo a Polícia Civil, os presos se conheciam e, antes do acidente, jantaram juntos em um restaurante de um posto localizado a 12 km do local da colisão, próximo ao trevo de Mamborê.

De acordo com o delegado Trevisan, os caminhoneiros atuam na distribuição de produtos hotifrutigranjeiros para centrais de abastecimento em várias regiões do Paraná e estavam com as carrocerias vazias quando se encontraram. Os homens residem em cidades próximas a Foz do Iguaçu (PR).

Conforme apuração da PRF, um dos motoristas tentava uma ultrapassagem no trecho da pista onde existe uma terceira faixa. Para evitar a colisão com a traseira de outro caminhão --que possivelmente também participava do "racha"--, ele teria invadido a pista contrária, batendo de frente com um veículo modelo Escort. O caminhão passou por cima do carro.

Morreram no local José Reinaldo da Cruz, 34, Alessandra da Cruz, 31 anos, e os filhos deles Mariana da Cruz, 11, Luan Gabriel da Cruz, 9, e Maria Vitória da Cruz, 4.

A família que vivia em uma comunidade rural, voltava para casa após fazer compras em um mercado de Mamborê. O filho mais velho casal, que tem 13 anos, também estava com a família no mercado, mas voltou para casa momentos antes no interior do veículo que faria a entrega dos mantimentos.

José Reinaldo era mecânico de máquinas e havia passado, no dia da tragédia, por exame admissional para um novo emprego. Ele estava desempregado havia dois meses.

A Prefeitura de Mamborê decretou luto oficial pela morte da família. As aulas da rede municipal de ensino foram canceladas no período da tarde.

Cotidiano