PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Polícia prende 45 no RS por suspeita de ligação com traficantes presos

Polícia Civil prendeu dezenas de pessoas nesta terça-feira (24) no Rio Grande do Sul - Divulgação/Policia Civil
Polícia Civil prendeu dezenas de pessoas nesta terça-feira (24) no Rio Grande do Sul Imagem: Divulgação/Policia Civil

Luciano Nagel

Colaboração para o UOL, em Porto Alegre

24/07/2018 13h38Atualizada em 24/07/2018 13h38

A Polícia Civil prendeu 45 pessoas na manhã desta terça-feira (24) em uma operação de combate ao tráfico de drogas e homicídios em 22 municípios do Rio Grande do Sul. Segundo o delegado Vilmar Alaides Schaefer, da Delegacia de Polícia Regional em Três Passos, os presos são suspeitos de vínculo com o narcotráfico. 

"Lideranças criminosas de dentro de casas prisionais do Rio Grande do Sul ditavam ordens a gerentes locais do tráfico de drogas de vários municípios, em especial na região Noroeste e Norte do Estado”, explicou o delegado.

Os líderes do tráfico, já detidos, cumprem pena nos presídios localizados nas cidades de Ijuí, Charqueadas, Carazinho, Montenegro, Três Passos e Lagoa Vermelha. “Essas lideranças, de forma organizada e hierarquizada, vinham gerenciando o comércio de drogas em cidades do interior, como transporte, fracionamento e entrega para gerentes regionais e locais”, disse o chefe da Policia Civil do RS, Emerson Wendt.

Durante o período da investigação foram apreendidas cerca 180 kg de drogas, como maconha, cocaína e crack, armas de fogo, munições, veículos, motos, dinheiro e balanças de precisão.

Cerca de 200 agentes da polícia civil cumpriram 104 ordens judiciais. A maior parte das diligências foi realizada em cidades das regiões norte e noroeste do Rio Grande do Sul, como Santo Augusto, Coronel Bicaco, Redentora, Campo Novo, Tenente Portela, Três Passos, Crissiumal, Independência, Palmeira das Missões, São José do Inhacorá, Três de Maio, Ijuí, Passo Fundo, Carazinho e Lagoa Vermelha.

Municípios do Vale dos Sinos, Vale do Cai e Região Carbonífera também foram alvo das investigações, além de São Jose, em Santa Catarina.

Cotidiano