Topo

Tragédia em Brumadinho


Em Brumadinho, Israel ajudou, mas também investiu em diplomacia e marketing

Diego Toledo

Colaboração para o UOL, em Brumadinho (MG)

02/02/2019 04h01

No dia seguinte ao rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG), em 26 de janeiro, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) anunciou que Israel enviaria ajuda para a busca de desaparecidos. "Agradecemos mais essa tecnologia israelense a serviço da humanidade", escreveu em seu Twitter.

Uma semana depois do desastre, o balanço da participação israelense não se limita aos 35 corpos que, segundo os bombeiros de Minas Gerais, foram resgatados com auxílio estrangeiro. Durante os quatro dias em que esteve em campo, a tropa de 136 soldados enviada pelo primeiro-ministro Binyamin Netanyahu também abriu frentes de diplomacia e relações públicas.

Os esforços por criar uma imagem positiva se intensificaram depois de uma saia justa logo no primeiro dia dos trabalhos israelenses em Brumadinho.

Questionado na última segunda-feira (28) sobre as toneladas de material trazidas de Israel para as buscas, o tenente-coronel Eduardo Ângelo, do Corpo de Bombeiros de MG, disse à Folha que os equipamentos não eram efetivos para o tipo de desastre ocorrido em Brumadinho.

Nos dias seguintes, israelenses, bombeiros de Minas e autoridades brasileiras se pronunciaram para contradizer a informação, mas acabaram ironicamente se contradizendo.

Ao UOL na noite da segunda-feira, o embaixador israelense no Brasil, Yossi Shelley, que acompanhou a delegação de seu país, falou de resultados obtidos por sonares e rastreadores de celular trazidos. Shelley também reclamou de "ciúmes" e "fake news" que teriam influenciado as críticas à missão.

No dia seguinte, em um esforço coordenado para desfazer o mal-entendido, o porta-voz dos bombeiros Pedro Aihara disse que os equipamentos eram bem-vindos, mas que ainda não haviam sido utilizados.

Pela tarde, a equipe israelense convidou equipes de jornais e de TV para uma entrevista coletiva e apresentou a soldado que se tornaria 'garota-propaganda' da missão: Amit Levi, 21, israelense de mãe brasileira, fluente em português.

Israelense filha de brasileira vira 'garota-propaganda' da missão - Forças de Defesa de Israel
Israelense filha de brasileira vira 'garota-propaganda' da missão
Imagem: Forças de Defesa de Israel

A entrevista aconteceu em uma faculdade que tem servido de centro de apoio para as equipes de busca, no centro de Brumadinho.

Nos bastidores, a entrada de jornalistas dentro do prédio, onde o acesso era restrito, causou desconforto entre os bombeiros de Minas. Mas o tom da coletiva seguiu a linha diplomática de enaltecer a cooperação entre os dois países.

"Estaremos aqui enquanto tivermos utilidade", disse o embaixador de Israel a jornalistas. Dois dias depois, a delegação deixou o país.

"O balanço é positivo. A operação ocorreu perfeitamente integrada", disse o coronel Erlon Dias do Nascimento Botelho, do Corpo de Bombeiros de MG. "Tem sido uma troca de tecnologias e experiências operacionais extremamente importante", afirmou.

Durante as operações, as equipes israelenses se mostraram eficientes no envio de fotos com aspecto profissional e vídeos editados mostrando os soldados do Oriente Médio trabalhando na lama, operando seus equipamentos e interagindo com bombeiros brasileiros. O material incluiu também o registro de um encontro de Amit com seus avós brasileiros em um hotel de Belo Horizonte.

Ao final da missão, na última quinta-feira, o balanço oficial foi o de que os israelenses ajudaram os bombeiros brasileiros a localizar 35 corpos durante os quatro dias em que atuaram em Brumadinho.

"Autoridades do Brasil e de Israel decidiram que a missão da delegação israelense em Brumadinho chegou ao fim com sucesso", dizia o texto de uma nota conjunta divulgada por autoridades dos dois países. "Os comandantes brasileiros elogiaram a equipe que veio ao Brasil pela grande e importante contribuição profissional para a operação de resgate de vítimas."

Além da contribuição para a busca às vítimas da tragédia em Brumadinho, a vinda da delegação israelense ao país também teve um pano de fundo diplomático. A oferta de ajuda foi o primeiro resultado "prático" da aproximação entre Netanyahu, que veio para a posse presidencial, e Bolsonaro.

"Não viemos para servir a motivos políticos", disse ao UOL o representante do Ministério das Relações Exteriores de Israel na missão Rafael Singer. "Mas há um bom entendimento entre os dois chefes de Estado. O primeiro-ministro Netanyahu participou da posse do presidente Bolsonaro. Há uma boa amizade pessoal, e obviamente isso contribui", afirmou.

O diplomata israelense afirma que seu país tem uma relação especial com o Brasil desde 1947, quando o brasileiro Osvaldo Aranha presidiu a Assembleia Geral das Nações Unidas que resultou na criação do Estado de Israel.

Singer concorda que a aproximação entre os dois países após a eleição de Bolsonaro se aprofundou. "Obviamente, as relações diplomáticas estão muito mais firmes, talvez mais do que antes", acrescentou.

De Bolsonaro, Israel espera abertura comercial e apoio para consolidar Jerusalém como capital do país. Hoje, a embaixada brasileira -- como a de quase todos os países que mantêm relações com o país -- está em Tel Aviv. E o novo presidente brasileiro anunciou intenção de transferi-la durante seu mandato.

Brumadinho: Imagens mostram rompimento da barragem e extensão da lama

UOL Notícias

Mais Tragédia em Brumadinho