Topo

BH terá Museu do Sexo das Putas para abrigar memória de sua zona boêmia

Prédio na região da rua Guaicurus faz referência do Museu do Sexo das Putas, em Belo Horizonte - Carlos Eduardo Cherem/UOL
Prédio na região da rua Guaicurus faz referência do Museu do Sexo das Putas, em Belo Horizonte Imagem: Carlos Eduardo Cherem/UOL

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

14/07/2019 04h00

Um casarão da década de 1920 abandonado há mais de 30 anos na região central de Belo Horizonte, onde está instalada a principal zona de prostituição da capital mineira, vai abrigar o Museu do Sexo das Putas, que tem a intenção de contar a história do local e da prostituição na cidade.

No mês passado, a Associação das Prostitutas de Minas Gerais, que reúne 3.500 garotas de programa de 27 hotéis do entorno da rua Guaicurus, instalou uma placa anunciando a reforma do casarão histórico, para implantação do museu. Na quarta-feira, a Associação das Prostitutas abriu um "livro de ouro" para receber as doações necessárias ao projeto: R$ 1,6 milhão.

"Tenho certeza que até os moradores de rua e os catadores de recicláveis da região darão pelo menos R$ 0,01 para a reforma do casarão. Vamos fazer uma propaganda intensa nos hotéis e nos bares. A clientela vai ajudar, tenho certeza", afirma a presidente da Associação das Prostitutas, Maria Aparecida Vieira, 51, a Cida. A conta institucional para receber as doações foi aberta na Caixa Econômica Federal.

No casarão tombado, uma das primeiras casas de prostituição da Guaicurus, funcionou a casa de massagens de Florinda, "nome de guerra" da mulher que habitou e trabalhou no local até a década de 1980. O imóvel ficou abandonado após a sua morte, sendo depois tombado pelo município.

A uma distância que varia entre uma e quatro quadras, a região da rua Guaicurus abrange a rodoviária de Belo Horizonte; a principal estação dos BRTs da região metropolitana, que liga a capital a diversos municípios da região; a principal estação de ônibus municipais; a principal estação do metrô, na praça da Estação, e a principal via da cidade, a avenida Afonso Pena.

Não há estimativas precisas do público que passa pela região. Apinhada de bares e restaurantes, lojas e shoppings populares, transitam diariamente pela rua, de acordo com a prefeitura, centenas de milhares de pessoas. Os hotéis da Guaicurus funcionam das 7h às 23h, todos os dias, inclusive feriados, sábados e domingos.

Prédio tombado em Belo Horizonte deve abrigar o Museu do Sexo das Putas - Carlos Eduardo Cherem/UOL
Prédio tombado em Belo Horizonte deve abrigar o Museu do Sexo das Putas
Imagem: Carlos Eduardo Cherem/UOL

Museu fazer parte de plano de reabilitação do centro

A Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte aprovou o projeto de reforma e intervenção no imóvel. Com isso, a Prefeitura de Belo Horizonte incluiu o projeto no Plano de Reabilitação do Hipercentro, iniciativa que pretende revitalizar a região central de Belo Horizonte "por meio do estímulo do uso residencial de prédios vazios e da atração de novos investimentos, além de inclusão social e melhoria da segurança".

De acordo com a Fundação Municipal de Cultura, que destacou o fato de que o investimento de R$ 1,6 milhão será totalmente bancado pela iniciativa privada, a cessão do imóvel que pertence ao município, para instalação do Museu do Sexo das Putas, será feita por meio de um contrato de comodato.

Um museu para desmistificar a prostituição

O Museu do Sexo das Putas começou a ser desenvolvido há três anos pela associação com o objetivo de "desmistificar a prostituição e contar a história da região" do baixo centro de Belo Horizonte. No local também está prevista a construção de uma biblioteca pública, que ficará aberta 24 horas por dia, e atenderá ao público vulnerável, que frequenta a Guaicurus, sobretudo moradores de rua e catadores de materiais recicláveis.

"O Museu do Sexo das Putas não é só o registro histórico da Guaicurus. É também uma forma de falar sobre a necessidade de dar direitos e políticas públicas às profissionais do sexo e também sobre a questão da violência contra as mulheres", afirma Cida Vieira.

"É um direito delas serem vistas como mulheres trabalhadoras. É importante dizer: respeite o trabalho sexual das mulheres. É um trabalho digno como outro qualquer. É com esta renda que elas sustentam a casa, os filhos e a família", diz Cida.

Hilda Furacão terá sala especial no museu

Hilda Maia Valentim (1930-2014), a mais célebre prostituta da Guaicurus, terá uma sala especial no Museu do Sexo das Putas. Ela ficou conhecida na região por sua beleza, ainda na década de 1940, quando morou e trabalhou no Hotel Maravilhoso. Ainda adolescente, foi apelidada de Hilda Furacão por causa do temperamento difícil.

O escritor Roberto Drummond (1933-2002) narrou a juventude da prostituta em Belo Horizonte no romance Hilda Furacão. A história virou uma minissérie da Rede Globo em 1998 com roteiro da novelista Glória Perez e direção de Wolf Maya, com a atriz Ana Paula Arósio no papel principal.

"Com o Museu do Sexo das Putas, as pessoas vão poder enxergar de outra forma as mulheres que vivem e trabalham diariamente como profissionais do sexo. Todas elas têm uma história própria para contar", afirma Cida Vieira.

Amsterdã quer acabar com vitrines de prostituição

Band Notí­cias

Mais Cotidiano