Topo

"Vai fazer falta": bombeira que morreu eletrocutada em incêndio é enterrada

A bombeira Marizelli Armelinda Dias, 31, que morreu eletrocutada durante o combate a um incêndio no DF - Reprodução/Instagram
A bombeira Marizelli Armelinda Dias, 31, que morreu eletrocutada durante o combate a um incêndio no DF Imagem: Reprodução/Instagram

Jéssica Nascimento

Colaboração para o UOL, em Brasília

16/09/2019 19h32

"Ela era uma guerreira que tinha amor pela farda e pela vida". Foi assim que o sargento Adélio Martins qualificou a colega, a bombeira Marizelli Armelinda Dias. O corpo da militar foi velado hoje no batalhão onde ela trabalhava, em Taguatinga, no Distrito Federal.

A soldado do Corpo de Bombeiros morreu ontem após ser atingida pelo tronco de uma árvore e por fios de alta tensão enquanto combatia um incêndio em vegetação, na QNL 02 de Taguatinga, no Distrito Federal.

Marizelli, mãe de um menino de cinco anos e de uma garota de quatro, sofreu fraturas no ombro e fêmur, além de várias escoriações pelo corpo. Os fios de alta-tensão liberaram uma descarga elétrica de 13.400 volts, fazendo com que a militar sofresse paradas cardiorrespiratórias seguidas. Ela foi encaminhada para o Hospital Regional de Ceilândia. Foi atendida por nove horas, mas não resistiu e morreu.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), decretou luto oficial de três dias. "Marizelli é de uma família humilde, dava duro para sustentar os filhos. Mas vamos cuidar deles para dar o máximo de conforto possível e para que eles vençam essa dor", disse o governador.

Segundo o sargento Adélio Martins, a bombeira militar era uma mulher inspiradora, sempre animada e disposta a ajudar os colegas. Um vídeo, obtido pelo UOL, mostra a bombeira puxando um grito de guerra em um ônibus da corporação.

"Ela permaneceu por dez meses no curso de formação. Entrou no 2º batalhão em julho. Era muito dedicada, corajosa e alegre. Tinha um espírito incrível. Foi uma guerreira e vai fazer muita falta", disse o sargento.

Corpo da bombeira Marizelli Armelinda Dias é velado na presença de colegas - Jéssica Nascimento/UOL
Corpo da bombeira Marizelli Armelinda Dias é velado na presença de colegas
Imagem: Jéssica Nascimento/UOL

Profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) levaram o corpo até a entrada do Grupamento. Em seguida, colegas de trabalho entraram com o caixão em mãos. O capacete da militar estava sobre o caixão. Por volta de 17h30, o corpo foi levado até o Cemitério de Taguatinga em uma viatura do Corpo de Bombeiros.

Em um comunicado oficial, o Corpo de Bombeiros disse que a soldado Marizelli vai ficar pra sempre na memória da corporação, como exemplo do supremo desprendimento: oferecer a própria vida em prol do próximo.

"Morreu por cada um de nós. Lutou bravamente e não retornará aos seus. Que receba a glória eterna", disse o comunicado.

A CEB também emitiu uma nota de pesar. "A equipe técnica foi acionada e atuou imediatamente para dar o apoio que se fizesse necessário ao socorro à vítima. A CEB manifesta sua palavra de pesar e conforto à família de Marizelli Armelinda Dias e seus amigos, e se associa à dor de todos os integrantes do Corpo de Bombeiros Militar do DF."

Mais Cotidiano