Topo

Gari tem moto furtada em BH, faz vídeo no WhatsApp e ganha outra novinha

Daniel Leite

Colaboração para o UOL, em Juiz de Fora

19/09/2019 11h09

O gari Renato Sá chorou duas vezes nos últimos dois dias: de tristeza e de emoção. A primeira foi quando teve a moto roubada enquanto trabalhava, em Belo Horizonte. O segundo choro aconteceu no dia seguinte, ao ganhar outra, zero quilômetro. Tudo por causa do vídeo que gravou e viralizou nas redes sociais.

Agora, o presente novinho em folha vai ficar bem guardado, em um local seguro, ele diz. A moto furtada no bairro União ainda não foi encontrada.

Na tarde de terça-feira, no final de expediente, Renato deu falta da 150 cilindradas, cor preta, que havia sido estacionada junto com as motos dos outros trabalhadores. A "pretinha" (como ela a chamava) 2007, financiada em 42 vezes, havia sido furtada do lugar onde ele sempre a deixava para trabalhar na limpeza das ruas de BH.

O gari ligou para a polícia e, ainda vestido com a roupa de trabalho, fez um vídeo com o celular, relatando o caso e pedindo ajuda para encontrar seu único meio de locomoção, em meios aos colegas.

Indignado, se dirigiu ao ladrão. "Ô, cara, eu sou gari. Se você me roubou e tá vendo esse vídeo aí, olha como eu tô suado, trabalhei o dia inteiro, cara. Você não sabe como as coisas são difíceis. Então, tá minha indignação aí, ó". A gravação rodou grupos de WhatAapp e outras redes sociais. Renato registrou boletim de ocorrência.

Ontem, no horário do almoço, enquanto dava entrevista para uma rádio na tentativa de divulgar as características do veículo para tentar localizar, foi surpreendido com a notícia de uma moto nova oferecida por uma concessionária da cidade. "De repente chegou um pessoal lá pra fazer uma entrevista e um pessoal que me ofereceu uma moto 150, zero quilômetro, 2019. Eu fiquei muito feliz".

A moto será entregue no próximo sábado, com seguro de um ano. "Foi uma grande surpresa. Eu só não chorei porque acho que não tinha mais lágrima, porque já tinha chorado muito no dia que a moto foi levada".

Os colegas do gari festejaram o presente e, segundo ele, agora estão levando corrente e até cadeado para não terem suas motos furtadas. Renato, por sua vez, vai estacionar a dele em um lugar mais seguro. "Lá eu não deixo mais. Vou deixar num posto de gasolina".

Mais Cotidiano