Topo

Quem são as 9 vítimas que morreram em Paraisópolis

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

02/12/2019 10h16Atualizada em 03/12/2019 10h39

Resumo da notícia

  • Nove pessoas morreram em um baile funk em Paraisópolis
  • Os garotos foram pisoteados após ação da PM
  • Parte dos jovens era adolescente e não morava na comunidade

Das nove pessoas que morreram ontem após uma ação da Polícia Militar durante um baile em Paraisópolis, zona sul de São Paulo, quatro tinham menos de 18 anos e oito eram homens. A vítima mais nova tinha 14 anos e parte não era morador da comunidade.

Além dos mortos, 12 jovens foram hospitalizados. Um deles continua internado, segundo a Prefeitura de São Paulo. Quatro corpos foram levados para o IML (Instituto Médico Legal) Central, enquanto os outros foram para o IML Sul. Saiba quem são as vítimas.

Marcos Paulo Oliveira dos Santos, 16

Marcos Paulo Oliveira dos Santos, 16 anos - Arquivo Pessoal
Marcos Paulo Oliveira dos Santos, 16 anos
Imagem: Arquivo Pessoal
Marcos foi a primeira vítima a ser reconhecida.

Estudante, ele morava no Jaraguá, zona norte de São Paulo.

Como o garoto havia dito à avó que tinha saído para comer uma pizza com os amigos, a família não sabia que ele tinha ido ao baile.

Denys Henrique Quirino da Silva, 16

Denys Henrique Quirino da Silva, 16 - Arquivo Pessoal
Denys Henrique Quirino da Silva, 16
Imagem: Arquivo Pessoal
Denys morava com a família em Pirituba, zona oeste de São Paulo. O garoto de 16 anos estudava e trabalhava com limpeza de estofados e sofás.

Os familiares do adolescente contestam a versão de que ele tenha morrido pisoteado porque, de acordo com eles, o corpo e as roupas do jovem não tinham sinais de pisões ou marcas de sapatos.

Dennys Guilherme dos Santos Franca, 16

Dennys Guilherme dos Santos Franca, 16 - Redes Sociais
Dennys Guilherme dos Santos Franca, 16
Imagem: Redes Sociais
Ex-aluno da Escola Estadual José Talarico, no distrito de Vila Matilde, na zona leste.

Ele chegou a publicar sobre sua ida ao baile em uma rede social: "Hoje eu tô inspirado, vou mandar o magrão de esquina a esquina e dar um tapa na cabeça da sua vó, não quero saber de nada, meninas hj o pai vai tá online, vou surfar mais que o Medina."

Gustavo Cruz Xavier, 14

Gustavo Cruz Xavier, 14 anos - Arquivo Pessoal
Gustavo Cruz Xavier, 14 anos
Imagem: Arquivo Pessoal

Gustavo, a vítima mais nova, também não morava em Paraisópolis. Ele vivia com a família no Capão Redondo, também na zona sul. Segundo o padrinho, Roberto Oliveira, a família havia aconselhado o adolescente a não ir ao baile por questões de segurança.

Gabriel Rogério de Moraes, 20

Gabriel Rogério de Moraes, 20 anos - Reprodução
Gabriel Rogério de Moraes, 20 anos
Imagem: Reprodução
Gabriel morava em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo. Seu corpo foi reconhecido pelos pais no IML. Ele será velado no Velório Cristo Redentor, em Mogi.

Mateus dos Santos Costa, 23

Mateus Dos Santos Costa, 23 - Reprodução
Mateus Dos Santos Costa, 23
Imagem: Reprodução
Baiano, Mateus morava em Carapicuíba, na Grande São Paulo. Ele chegou ao estado havia cinco anos. Flamenguista, Vendedor de produtos de limpeza em um caminhão, costumava trabalhar aos domingos e feriados para se sustentar na cidade de Carapicuíba.

Ele costumava ir a famosos bailes de favela, principalmente nas zonas norte e sul da capital, quando sobrava um trocado e queria se divertir. Para chegar até esses bailes, demorava entre uma e duas horas de trem e ônibus para ir, e o mesmo tempo para voltar. Durante a semana, não costumava sair —por dinheiro e para se dedicar ao trabalho.

Ele foi ao local com amigos. Familiares dizem que ele costumava relatar truculência policial na dispersão dos frequentadores daquele e de outros bailes de favela em que ele ia. Falavam para ele deixar de frequentá-los. Ouviam como resposta que não havia lazer em Carapicuíba e que não podiam impedi-lo de viver sua juventude.

Bruno Gabriel dos Santos, 22, de Mogi das Cruzes

Bruno Grabriel dos Santos, 22 - Reprodução
Bruno Grabriel dos Santos, 22
Imagem: Reprodução

Bruno tinha ido ao baile comemorar seu aniversário de 22 anos. Segundo o Agora, o jovem teria corrido para o lado oposto ao do grupo de amigos durante a confusão. A família contesta a versão policial de que ele teria sido pisoteado, uma vez que não havia marcas de pisoteamento em seu corpo.

Eduardo Silva, 21

Eduardo Silva, 21 - Reprodução
Eduardo Silva, 21
Imagem: Reprodução

Eduardo era ajudante de oficina, morava em Carapicuíba e deixou um filho.

Luara Victoria de Oliveira, 18

Luara Victoria de Oliveira, 18. - Reprodução
Luara Victoria de Oliveira, 18.
Imagem: Reprodução

Única mulher entre as vítimas, Luara morava em Interlagos (zona sul de São Paulo) e gostava de frequentar o baile em Paraisópolis, segundo o tio Vagner dos Santos Oliveira, 55.

O parente afirma que ele e a filha foram impedidos de ver o corpo no IML. "Quando minha filha foi puxar esse tecido para ver o corpo da prima, a impediram, dizendo que o corpo não havia sido desinfetado", disse Vagner.

Tumulto em baile funk em Paraisópolis termina com 9 mortos

Band Esportes

Cotidiano