PUBLICIDADE
Topo

Terreiros atacados, religiosa espancada: o dia sangrento que o país ignora

Jornal de Alagoas de 1912 falou em "bruxaria" ao abordar ataque contra terreiros em Maceió - Reprodução
Jornal de Alagoas de 1912 falou em "bruxaria" ao abordar ataque contra terreiros em Maceió Imagem: Reprodução

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

02/02/2020 04h01

Resumo da notícia

  • 2 de fevereiro é dia de aniversário de um dos episódios mais violentos da história religiosa do Brasil
  • Uma milícia atacou 150 terreiros e espancou uma mãe de santo em Maceió em 1912
  • Historiadores falam que o desconhecimento é proposital e forçado

Os terreiros de Maceió estavam em festa na noite de 2 de fevereiro de 1912, data de homenagem a Iemanjá. Mas naquele dia, uma milícia paramilitar foi às ruas destruir as cerca de 150 casas de religiões de matriz africana na capital alagoana.

O episódio foi chamado de "quebra de Xangô", o ataque mais violento e desconhecido contra religiosos da história do país. Uma mãe de santo foi espancada.

"Nenhum terreiro sobreviveu, e poucos pais de santos permaneceram em Maceió. Pode-se falar de uma verdadeira diáspora religiosa de pais e filhos de santo de Maceió", afirma o antropólogo Ulisses Neves Rafael, autor do livro "Xangô rezado baixo" —termo usado por casas de culto por muitos anos em Alagoas após os ataques, para não serem percebidos.

As milícias responsáveis pelo ataque integravam a Liga dos Republicanos Combatentes, criada em novembro do ano anterior pelo então candidato a vice-governador da oposição, Fernandes Lima. Esses paramilitares perseguiam oponentes do Partido Republicano.

O ataque às casas, diz Neves, é único dessa proporção na história do país. "Nas pesquisas que realizei sobre a perseguição aos cultos de matriz africana no Brasil eu não encontrei nenhum episódio tão violento como esse", afirma.

Durante o episódio, a líder Tia Marcelina foi espancada por milicianos e morreu dias depois. Até hoje, ela é lembrada como mártir do episódio.

"A violência contra a população pobre de Maceió em 1912 afetou de forma traumática diversas modalidades culturais negras na capital e, quiçá no estado, fazendo desaparecer importantes expressões como o maracatu", relata Neves.

Silenciamento forçado

Para a historiadora e professora Gabriela Torres, autora do livro "Os intelectuais alagoanos e o Quebra de Xangô de 1912: uma história de silêncios", o episódio foi uma tentativa de silenciar camadas pobres alagoanas e brasileiras. E seu desconhecimento por grande parte da população é grave.

"Isso afasta a possibilidade de nós gerarmos memória crítica, no sentido de se pensar como nós enquanto sociedade estamos errando com a população negra. Afasta a noção da perpetuação da exclusão", afirma.

Ela também interpreta o episódio como resultado da exaltação do "ideal de 'branqueamento'". "Os estereótipos de inferiorizacão da cultura negra acabaram corroborando com um projeto de identidade nacional excludente e racista", diz.

Para Torres, o Estado foi omisso e corresponsável.

"Na verdade, muitas vezes é o Estado que promove a violência e o silenciamento desses segmentos da sociedade. E faz isso porque é estruturalmente racista", afirma.

A historiadora ainda cita que o desconhecimento sobre o assunto impede que o tema seja reparado e que sua repetição, evitada.

Perdão pedido nos 100 anos

Em 2012, o governo de Alagoas pediu perdão pelo ataque a terreiros de Maceió de 1912 - Agência Alagoas
Em 2012, o governo de Alagoas pediu perdão pelo ataque a terreiros de Maceió de 1912
Imagem: Agência Alagoas

Em 2012, quando o episódio completou 100 anos, um ato formal do então governador de Alagoas, Teotonio Vilela FIlho (PSDB), pediu perdão em nome do estado pelos crimes cometidos contra as casas de culto.

Coordenador do Núcleo de Estudos Afro Brasileiros da Uneal (Universidade Estadual de Alagoas), Clebio Correia afirma que o ato foi importante para os religiosos.

"Eles passaram a ter mais visibilidade e se assumiram publicamente, inclusive usando suas vestes típicas em público, o que sempre foi um tabu em Alagoas", diz.

"Agora, há uma aproximação maior da classe média com os cultos afros em Alagoas muito em função dessa ocupação do espaço público possibilitada pelo pedido de perdão".

Para Correia, o que falta ainda no estado é o tema ser incorporado efetivamente aos conteúdos do currículo escolar em Alagoas. "Nesse particular vejo que tivemos pouco avanço", relata.

Para lembrar a data, acontece hoje em Maceió mais uma edição do "Xangô Rezado Alto", que tem desde 2012 tem acontecido sem interrupção.

Cotidiano