PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês
PM que perdeu mulher no dia do casamento: "o mais difícil ficou para trás"

O tentente da Polícia Militar Flávio Gonçalves da Costa e a filha Sofia - Reprodução/Grão de Gente
O tentente da Polícia Militar Flávio Gonçalves da Costa e a filha Sofia Imagem: Reprodução/Grão de Gente

Do UOL, em São Paulo

09/08/2020 14h23Atualizada em 09/08/2020 15h51

O tentente da Polícia Militar Flávio Gonçalves da Costa vive uma mistura de emoções em seu primeiro dia dos pais. O PM ficou conhecido em todo o país em setembro do ano passado, quando a noiva, Jéssica Guedes, morreu no dia em que eles se casariam. Ela estava grávida, e os médicos conseguiram salvar o bebê.

"Todo mesversário dela é uma mistura de emoções, pois foi tudo no mesmo dia. O dia que seria meu casamento, que deveria ser marcado apenas por uma felicidade imensa, foi quando aconteceu o falecimento da mãe dela, mas também o nascimento da Sofia. Então, vem toda essa carga de sentimentos", disse ele sobre a filha Sofia, em depoimento à revista "Crescer".

Costa conta que vem se esforçando para não passar o lado triste da história para a filha. "Só transmito alegria, motivação e, felizmente, a família da mãe dela é muito próxima e também é assim. Nesse período de pandemia foi muito difícil ficar longe deles".

Sofia nasceu prematura. Jéssica estava grávida de sete meses quando morreu. O PM conta que a filha superou os problemas de saúde. "O mais difícil ficou para trás", diz ele, que conta estar aprendendo e pensando sobre muitas questões ligadas à paternidade, especialmente quando se trata de um pai que cria a filha sozinho, como é o caso dele.

"Para mim, esses questionamentos mostram um problema de paternidade ausente que vem acontecendo há muitos anos. Pais que abandonam, pais que agridem... Claro que não são todos, mas existe. Então quando o homem assume o papel de cuidador, que é muito bonito, acaba sendo mais valorizado, mas não deveria ser assim. Não me considero fora da curva. Deveria ser algo normal".

"Eu não carreguei a Sofia por nove meses na barriga. Durante a gestação o pai é um auxiliador e a protagonista é a mãe. Mas logo depois do parto da criança, nasce um pai também. Ali, ele vai começar a entender esse amor, esse sentimento novo, que vai sendo construído e fortalecido a cada dia. Hoje sou completamente apaixonado pela Sofia e não vejo minha vida sem ela".

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi publicado em uma versão anterior deste texto, Sofia nasceu prematura quando Jéssica estava grávida de sete meses, e não sete semanas. A informação foi corrigida.

Cotidiano