PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses

'Perdi minha mãe para as fake news', diz filha após idosa morrer de covid

Maria das Graças Paim, 71, morreu em decorrência da covid - Arquivo Pessoal
Maria das Graças Paim, 71, morreu em decorrência da covid Imagem: Arquivo Pessoal

Simone Machado

Colaboração para o UOL, em São José do Rio Preto (SP)

22/01/2021 20h22

"O sentimento é de muita revolta, porque perdi a minha mãe para as fake news. Ela assistia a muitos vídeos na internet e não acreditava que essa doença existisse. O que mais dói é saber que não é só ela que era assim, tem muita gente perdendo a vida por causa de notícias falsas".

O desabafo é da professora Adriana Aparecida Paim Avanci, de 45 anos. Há cinco dias, a moradora de Ribeirão Preto (SP) perdeu a mãe, a aposentada Maria das Graças Paim, de 71 anos, vítima de complicações da covid-19.

Segundo a professora, a idosa não acreditava na existência do vírus e se recusou a buscar atendimento médico. "Infelizmente, quando ela aceitou ir ao hospital, era tarde demais", lembra a professora, em entrevista ao UOL.

A filha relata que a mãe começou a ter os primeiros sintomas da doença no dia 29 de dezembro. Com dor de garganta e no corpo, Maria das Graças foi alertada pelos filhos que os sintomas eram da covid-19 e foi orientada pelos familiares a procurar atendimento médico.

"Durante dez dias, eu e meu irmão lutamos para levá-la ao hospital e ela não quis ir. Nesse período, ela chegou a nos mandar um áudio dizendo que não ia mais falar com a gente devido a essa insistência. [Ela dizia] Que tudo não passava de uma gripezinha", acrescenta a filha.

Durante esses dias, Adriana também teve os sintomas da doença, testou positivo para covid-19 e ficou em isolamento domiciliar. Sem poder visitar a mãe, foi durante uma chamada de vídeo que ela percebeu que a situação da idosa estava ficando cada vez mais complicada.

"No dia 6, eu percebei que ela estava muito debilitada, na cama, mas ainda assim ela se recusava ir ao médico e dizia estar bem. Então eu avisei no grupo da família o que estava acontecendo e todos passaram a pressionar a minha mãe para ela ir ao hospital", conta a professora.

60% do pulmão comprometido

No dia seguinte, Maria das Graças foi levada ao hospital Beneficência Portuguesa pelo filho. Com 60% do pulmão comprometido, a idosa foi internada após algumas horas. Já no dia seguinte, o quadro de saúde se agravou e ela precisou usar máscara de oxigênio para auxiliar na respiração. No dia 10, a idosa entrou na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e foi intubada.

"Mesmo bastante debilitada, ela entrou no hospital falando que estava indo contra a vontade dela, mas já era tarde. Seis dias depois que ela estava na UTI, os rins pararam de funcionar e ela precisou fazer hemodiálise e o quadro de saúde só foi piorando", conta Adriana.

No último dia 17, Maria das Graças teve duas paradas cardiorrespiratórias e não resistiu. Apesar da idade, a família relata que a aposentada era uma pessoa bastante ativa e praticava atividades físicas. Como comorbidade, ela tinha pressão alta.

"Ela dizia que a pandemia ia matá-la, mas não por causa do vírus, mas sim de solidão e tristeza. Eu vi a minha mãe entrar no hospital e não a vi sair. Acredito que se tivesse acreditado na doença, hoje ela estaria com a gente", diz a professora.

Cotidiano