PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
3 meses

Cliente de Brasília compra Iphone nas Casas Bahia, mas recebe saco de areia

Publicitária Lilian Estevenato deverá receber celular nos próximos dias - Acervo pessoal
Publicitária Lilian Estevenato deverá receber celular nos próximos dias Imagem: Acervo pessoal

Nathalia Zôrzo

Colaboração para o UOL, em Brasília

02/02/2021 18h55

Uma moradora de Brasília foi surpreendida ontem ao receber um saco de areia no lugar de um iPhone 12 que havia comprado pelo site das Casas Bahia.

A publicitária Lilian Estevenato comprou o produto no dia 28 de janeiro por quase R$ 8 mil. Quatro dias depois, a entrega já estava na casa dela. A caixa chegou bem lacrada, com adesivo das Casas Bahia e a nota fiscal correta. Até a embalagem do iPhone estava certa, mas o produto não estava lá. No lugar do celular, havia um saquinho com areia dentro.

Lilian conta que entrou em desespero. "Eu não tinha desconfiado de nada durante a compra, mas quando vi aquilo achei que tinha caído em um golpe", contou.

Ela começou a tentar fazer contato com a loja. A empresa, inicialmente, pediu 10 dias úteis para analisar o caso dela.

Indignada, a publicitária resolveu publicar a história em suas redes sociais. O post viralizou, e foi então que a loja entrou em contato com Lilian para dar duas opções: o dinheiro de volta ou o envio de um celular novo, com entrega até 11 de fevereiro. A consumidora preferiu a segunda opção e agora está aguardando a nova entrega. A empresa, no entanto, não soube explicar o que aconteceu, mas diz apurar internamente o caso.

Lilian acredita que desta vez o produto chegará corretamente, mas não ficou satisfeita com o primeiro contato que teve com a empresa.

"Eu fico pensando nas pessoas que não têm a mesma disposição ou meios de fazer o que eu fiz, que é buscar comunicação com a marca, ir para as redes sociais e tudo mais. Eu não fiquei confortável com o posicionamento inicial deles de não encarar esse problema, que é grave, com a seriedade que o caso merecia", desabafa.

O que fazer

A advogada Amanda Caroline, especialista em direito do consumidor, aconselha nestes casos que o cliente busque resolver o problema de forma amigável com o fornecedor. Se isso não acontecer, vale procurar o Procon.

"Nesse contato, é muito importante que o consumidor já se preocupe em oferecer provas. É bom tirar fotos das caixas em que vieram os produtos para demonstrar que todas estavam lacradas e pedir para a empresa o comprovante do despacho da transportadora. Isso porque nesse comprovante vem escrito o peso da mercadoria. Um saco de areia vai divergir do peso do celular", explica.

Caso não consiga resolver o caso com a loja ou no Procon, o conselho é entrar com uma ação judicial contra a empresa e ainda registrar uma ocorrência na delegacia como um crime de estelionato.

O UOL entrou em contato com as Casas Bahia, que informou que "repudia qualquer tipo de prática danosa ao consumidor".

Além disso, a rede anunciou que "está investigando, junto à transportadora responsável, a inconsistência da entrega".

"Sobre o caso citado, a marca esclarece que entrou em contato com a cliente e uma nova entrega será realizada até dia 11/02/2021", confirmou.

Cotidiano