PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
5 meses

PF apura tráfico de drogas em aviões da FAB após prisão de sargento em 2019

Aviões da FAB teriam sido utilizados por organização criminosa (foto ilustrativa) - Divulgação/Defesa
Aviões da FAB teriam sido utilizados por organização criminosa (foto ilustrativa) Imagem: Divulgação/Defesa

Colaboração para o UOL

02/02/2021 08h39Atualizada em 02/02/2021 17h35

A Polícia Federal deflagrou hoje a Operação Quinta Coluna, que investiga a utilização de aeronaves da FAB (Força Aérea Brasileira) para o tráfico de drogas. Também há suspeita de lavagem de dinheiro.

Em junho de 2019, o sargento brasileiro Manoel Silva Rodrigues foi preso em Sevilha (Espanha) portando 37 kg de cocaína em um avião da FAB, quando integrava a comitiva do avião reserva do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em uma viagem internacional.

Segundo a PF, ele levava as drogas para o país europeu, mas outras pessoas também participavam do esquema, de forma estável e permanente. Há indícios de que pelo menos mais uma remessa de drogas foi enviada à Espanha.

O segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, preso em Sevilla, na Espanha, por transportar cocaína - Reprodução Rede Social - Reprodução Rede Social
Manoel Silva Rodrigues, sargento da Aeronáutica, foi preso na Espanha, em 2019, com cocaína
Imagem: Reprodução Rede Social
A Operação de hoje cumpre ao todo 15 mandados de busca e apreensão e dois mandados que restringem a comunicação dos investigados e a saída do Distrito Federal. A Justiça Federal do Distrito Federal ainda determinou o sequestro de imóveis e veículos dos suspeitos. Militares da FAB também participam do cumprimento das medidas.

A investigação aponta ainda que os suspeitos tentavam ocultar os bens do tráfico, especialmente veículos e imóveis, com pagamentos em espécie, configurando crime de lavagem de dinheiro.

As investigações feitas pela PF são concomitantes aos processos por tráfico internacional de drogas que tramitam perante a Justiça Militar.

Os crimes de associação para o tráfico e lavagem de dinheiro têm penas que vão de 3 a 10 anos de prisão.

Cotidiano