PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
9 meses

MS: Operação encerra festa clandestina de militares das Forças Armadas

Festa clandestina foi encerrada por operação - Coordenadoria de Posturas/Divulgação
Festa clandestina foi encerrada por operação Imagem: Coordenadoria de Posturas/Divulgação

Naian Lopes

Colaboração ao UOL, em Pereira Barreto (SP)

27/02/2021 15h20

Uma festa clandestina organizada por três militares das Forças Armadas foi encerrada em Corumbá, interior do Mato Grosso do Sul, na noite de ontem. O evento desrespeitou as medidas de proteção contra o coronavírus, promoveu aglomeração e descumpriu o toque de recolher válido das 22h às 5h.

Por serem militares, as Forças Armadas abriram um processo administrativo e notificaram os responsáveis pela festa. O trio terá cinco dias para apresentar defesa. Eles também podem ser multados em até R$ 30.050,00 por desrespeito ao decreto municipal e estadual de prevenção contra a covid-19. Os três, porém, tiveram suas identidades mantidas sob sigilo.

O trabalho de fiscalização foi realizado pelo GFI (Grupo de Fiscalização Integrada) e contou com o apoio da Guarda Municipal, através da Operação Preavenire. O serviço iniciou no dia 24 deste mês com o objetivo de conter as aglomerações no município para tentar evitar a disseminação do vírus.

A festa clandestina, organizada pelos militares, aconteceu justamente no primeiro dia de medidas mais restritivas no estado. Mato Grosso do Sul determinou toque de recolher entre às 23h e 05h todos os dias desde ontem e que valerão até 13 de março. A regra vale para todos os municípios e não há exceções. O estado conta com mais de 179 mil casos confirmados do coronavírus e 3.270 mortes, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, através do SUS Análitico

Já Corumbá, local onde aconteceu a festa, está com 9.578 casos confirmados, 51 só ontem e a média móvel é de 52. Já são acumuladas 261 mortes pela doença. A cidade conta com pouco mais de 112 mil habitantes. A prefeitura está cumprindo a determinação do estado e, antes disso, chegou a cancelar o feriado de Carnaval para tentar conter o avanço da doença.

Cotidiano