PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Menino de 16 anos morre após tiro disparado acidentalmente por irmão de 15

Daniel César

Colaboração ao UOL, em Pereira Barreto (SP)

28/02/2021 13h33

Um adolescente de 16 anos morreu depois de ser atingido por um tiro de espingarda disparado pelo irmão dele, de 15. O caso aconteceu ontem na cidade de Campo Verde, no interior do Mato Grosso.

Segundo informações que constam no Boletim de Ocorrência, a Polícia Militar foi chamada para averiguar um disparo de arma de fogo com vítima no Assentamento Santo Antônio da Fartura. Ao chegar ao local, os policiais que atenderam ao chamado já encontraram a criança G.H.M. morta.

Logo nas investigações preliminares foi descoberto que o tiro teria sido disparado acidentalmente pelo irmão dele, também menor de idade. Mas o garoto, que não teve sua identidade divulgada, havia fugido do local e de posse da espingarda. Os policiais descobriram que os dois irmãos estavam na porta de casa manuseando a arma quando o disparo aconteceu.

Enquanto a PM ainda procurava o responsável pelo disparo, o irmão da vítima voltou, ainda de posse da espingarda e teria afirmado que o ocorrido foi uma tragédia. Os policiais confirmaram que o menino estava quase fora de si e desesperado. Foi necessário acalmá-lo para tomar o depoimento.

Em depoimento, o adolescente contou que ele e o irmão estavam com a espingarda, quando ela disparou acidentalmente e ele não soube dizer o que motivou o disparo. Os policiais recolheram a arma de fogo para a perícia analisar exatamente o que aconteceu.

O corpo foi enviado ao IML (Instituto Médico Legal) e passará por exame necroscópico, que ajudará a desvendar o que, de fato, aconteceu. Como os policiais acreditam que de fato aconteceu um acidente, o irmão da vítima não foi apontado como possível suspeito de crime, ao menos neste momento.

A Polícia Civil investigará o caso e optou por abrir inquérito de homicídio culposo, ou seja, quando não há a intenção de matar. O irmão não foi apreendido, mas o caso será acompanhado de perto pelo Conselho Tutelar.

Cotidiano