PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Polícia prende motorista com armas e munições avaliadas em quase R$ 1 mi

PRF encontrou 12 fuzis, além de duas pistolas, 24 carregadores e 1.381 cartuchos de munição - PRF/Divulgação
PRF encontrou 12 fuzis, além de duas pistolas, 24 carregadores e 1.381 cartuchos de munição Imagem: PRF/Divulgação

Daniel César

Colaboração para o UOL, em Pereira Barreto (SP)

03/03/2021 17h51

A Polícia Rodoviária Federal do Mato Grosso do Sul prendeu hoje um homem de 32 anos que estava dirigindo um veículo com fuzis, pistolas e munições. A apreensão total, ocorrida no município de Bataguassu (MS), a cerca de 330 km de Campo Grande, foi avaliada em mais de R$ 1 milhão.

De acordo com o Boletim de Ocorrência, a PRF realizava uma blitz de rotina na rodovia BR-267, que liga Mato Grosso do Sul a São Paulo, quando parou um veículo SUV para averiguação. Segundo os policiais, o motorista teria demonstrado nervosismo e, por isso, foi feita a revista do veículo.

As autoridades policiais encontraram 12 fuzis, avaliados em quase R$ 800 mil, além de duas pistolas, 24 carregadores e 1.381 cartuchos de munição dos mais variados calibres. Diante das provas, o homem foi preso em flagrante por tráfico de armas e todo o material foi apreendido.

Em depoimento, o motorista — que não teve a identidade divulgada — confirmou que estava transportando as armas do Paraguai com destino a São Paulo, mas se recusou a dar um destino exato para a carga. Ele também não deu detalhes sobre sua participação em uma eventual quadrilha ou se era apenas transportava o material.

De acordo com os policiais, somente as armas e as munições estão avaliadas em quase R$ 1 milhão — valor que é ultrapassado se contabilizado o veículo, uma Dodge Journey. Tanto os produtos quanto o automóvel foram enviados para a sede da Polícia Federal de Três Lagoas (MS) e ficarão à disposição da Justiça.

A Polícia Federal de Três Lagoas confirmou a ocorrência e explicou que o homem ficará preso até a audiência de custódia, que deverá acontecer em no máximo dois dias. Até o momento, nenhum advogado se apresentou como representante do suspeito.

Cotidiano